Porto Velho (RO) terça-feira, 7 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Porto Velho tem novo recorde de calor: 37,5°C



A diferença da temperatura observada entre as Zonas Sul e Norte da capital chegou a quase 2°C. Prova da existência da "ilha de calor" na cidade.

Daniel Panobianco – Porto Velho bateu um novo recorde de calor nesta quarta-feira. A maior temperatura do ano chegou a 37,5°C às 16 horas (local) na estação do INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) instalada na Zona Sul, próxima ao Aeroclube de Rondônia e rodovia BR-364, sentido Cuiabá. A maior temperatura nesta estação até então era de 37,1°C registrada na última segunda-feira, 25.

Em outro ponto de coleta de dados, na estação meteorológica do Aeroporto Internacional Governador Jorge Teixeira de Oliveira, sob responsabilidade da REDEMET (Rede de Meteorologia do Comando da Aeronáutica), a máxima chegou a 36°C, abaixo do recorde anual de 37°C observado no dia 23 de agosto.

No Centro da cidade, termômetros de rua chegaram a indicar até 39°C. Mesmo não sendo dados oficiais e confiáveis, os aparelhos espalhados nas ruas e avenidas apontaram a justificativa para tanto desconforto do portovelhense na tarde desta quarta-feira.

A cidade, apesar de ser nova, está crescendo rapidamente, ainda mais agora com a construção de duas grandes usinas hidrelétricas no rio Madeira, o que atrai ainda mais moradores e investidores de todo o Brasil. Apesar de estar situada dentro da região amazônica, a cidade dispõe de pouquíssimas áreas verdes, fundamentais para o equilíbrio térmico de uma região. Até mesmo para o bem-estar da população, que não dispensa uma boa sombra em dias de calor latente. O crescimento vertical aliado ao asfaltamento de ruas e avenidas e cada vez mais a retirada de áreas verdes de dentro da cidade vem agora como resposta, com a chamada "ilha de calor", onde em uma mesma localidade, de proporções não tão grandes, a diferença de variáveis é cada vez maior, principalmente de temperatura e volume de chuva.

O Centro da capital está cada vez mais quente e mais seco, prova de que a velha climatologia, utilizada pelos institutos de pesquisas, com base mínima de 30 anos de dados avaliados, já não cabe mais para posteriores explicações. Ditar a média de chuva, por exemplo, que cai em um determinado local e dizer que ela – a média - é de vários milimetros acima, torna-se horrendo, pois todos sabem que as transformações ao longo dos últimos anos foram gigantescas e comparar o presente com o passado já não faz mais parte de uma linha definida.

Dados: INMET – REDEMET
Fonte: De olho no tempo

Mais Sobre Meio Ambiente

Ji-Paraná: prefeitura encerra atividade no lixão e passa a utilizar aterro sanitário

Ji-Paraná: prefeitura encerra atividade no lixão e passa a utilizar aterro sanitário

A Prefeitura de Ji-Paraná, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semeia), encerrou nesta segunda feira (06), as atividades no lixão munic

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto