Porto Velho (RO) sábado, 4 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

PANOBIANCO: Rios secos e muita poluição castigam RO


O mais severo período de estiagem já registrado em Rondônia preocupa a cada dia. Grandes rios totalmente secos, falta de água potável e comida em diversas localidades e uma poluição jamais vista. O mês de setembro caminha para o verdadeiro caos do clima em solo rondoniense, uma visão alertada há meses.
Daniel Panobianco –
A atual situação em que se encontra o Estado de Rondônia causa medo da realidade e total suspense do dia de amanhã. Nunca, em toda a história deste Estado foi registrado um período longo de estiagem tão severo e com impactos largamente vistos pela população local.
Ainda no mês de abril, a drástica redução no volume de chuvas na porção sul-amazônica dava uma breve indicação do que estaríamos por enfrentar meses adiante. De maneira totalmente esporádica, as poucas chuvas que caíram no Estado não supriram à demanda hídrica do solo. Com isso, os largos rios que todos os anos transbordam gerando enchentes, logo diminuíram sua capacidade atingindo patamares dignos de um período critico de seca, e isso ainda no mês de maio.
Os dias foram passando, as águas baixando e, o que em abril seria então uma breve sinalização feita por muitos, aos poucos foi se confirmando. Começava então, uma grande estiagem em plena região amazônica.
Por volta do dia 25 de julho, o grupo de pesquisadores do SIPAM (Sistema de Proteção da Amazônia) do CTO (Centro Técnico Operacional) de Porto Velho lançou a seguinte nota à imprensa local:

PANOBIANCO: Rios secos e muita poluição castigam RO - Gente de Opinião
“PORTO VELHO - Meteorologistas do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam) se reuniram para definir o prognóstico climático da Amazônia para os próximos três meses. No mapeamento com base em anos anteriores, os meteorologistas confrontam as informações e constatam as mudanças climáticas da região. Em Rondônia no último trimestre, por exemplo, choveu menos que a média prevista pelo Sipam. São definidos os prognósticos para o período mais quente da Amazônia. Está descartado o risco de seca semelhante a de 2005, quando os rios da Região atingiram os níveis mais baixos registrados na história. Da reunião no Sipam participam técnicos de órgãos ambientais do Estado como a Secretaria de Desenvolvimento Ambiental (Sedam), Companhia de Pesquisa de Recursos Minerais (CPRM) e Defesa Civil. Manaus e Belém também participaram através de videoconferência.
Portal Amazônia25/07/07 - TM"
Pois bem, os mesmos pesquisadores da instituição descartaram em gênero, número e grau, a possibilidade de uma seca semelhante à de 2005 na região.
O fato é que realmente não há seca semelhante à de 2005, a estiagem de agora é bem pior. Desde o inicio estamos batendo na mesma tecla de que algo não estava muito regulado em Rondônia, mediante a forma mais simples de se prever o tempo e clima: A visão, o observar natural das transformações. O que esses pesquisadores precisam entender, é que dados de computador erram, e erram feio, portanto, há necessidade de se rever tais conceitos expostos à população. Ou será que o que estamos enfrentando agora já era previsto porém, por questões políticas, o aviso prévio não foi repassado a sociedade? É nessa hora que serve o slogan da instituição de pesquisas SIPAM, que é “Protegendo e Promovendo o Desenvolvimento Sustentável da Amazônia”.
Que proteção? Onde está toda a tecnologia empregada em supercomputadores, desenvolvidos única e exclusivamente para esta finalidade, a de cuidar de tudo o que ocorre na região amazônica e gera impactos a população local? Mais um detalhe e, diga-se de passagem, muito curioso por sinal. A instituição SIPAM, os profissionais que a compõe estão aqui. Sim, estão aqui convivendo diariamente com as cenas que todos vêem agora através de vídeos, fotos e relatos. Muito interessante que um centro de pesquisas fincado em plena floresta amazônica não tenha visto o tempo passar e com ele o verdadeiro caos que se abateria em Rondônia não é mesmo? Omissão? Descaso? Ou simplesmente falta de competência e boa vontade?
Não adianta fazer denúncias ao CREA e muito menos forjar falsos ofícios que tão logo são repassados a imprensa local, na tentativa de derrubar quem diz a verdade. Está ai mais uma prova de incompetência, cientes das verdades tentam tornar obscuro à visão da população de Rondônia. Essa não conseguem mais. Não querem ser alvo de criticas, de verdades confrontadas, trabalhem, dediquem-se a profissão que escolheram com garra e respeito aos cidadãos desta terra.
As imagens, o drama das famílias que estão passando sede, fome, ditam tudo agora. Rondônia vive o caos do clima em virtude da seca.
Dentre vários pontos do Estado que agora sofrem com a seca e a densa poluição das queimadas destacamos os extremos. A região de Porto Velho, na face norte rondoniense, região de Ji-Paraná, no centro e região de Vilhena, no extremo sul. Em todas, a visão nítida e verdadeira é a mesma. Rios secando, muitos completamente esgotados de qualquer gota d’ água, comunidades inteiras clamando por alimentos, comida, pois o sustento natural proveniente dos rios não existe mais e fogo, muito fogo e fumaça por todos os arredores.
O governo do Estado trabalha fortemente no combate as queimadas, mas esquece que são de leis firmes e concretas, que o ritmo de destruição teria eficácia, caso existissem deputados de punho e voz atuante em suas posições. Políticos que nesse momento esperam o tempo passar, pois logo a chuva retorna e tudo volta a ser como antes. Mas enquanto a chuva não chega, pessoas continuam passando fome e sede. Isso não entra na visão de políticos. Para esse lado problemático, todos se fazem de cegos, surdos e mudos.
.
PANOBIANCO: Rios secos e muita poluição castigam RO - Gente de Opinião .
Porto Velho
A imagem da densa bruma ocasionada pelas queimadas na capital Porto Velho e desastrosa. A intensa camada de poluentes fecha o céu por completo, impedindo até mesmo o sol de aparecer por dias seguidos nessa época do ano. Preocupação em dobro com os meios de transporte, aéreo, rodoviário e fluvial. Na região do baixo Madeira, a visibilidade horizontal nas primeiras horas do dia registrada pela Capitania dos Portos está inferior a 1000 metros.Diante de tanta fumaça e agora o fator agravante da seca no rio Madeira, o risco de acidentes é eminente. Diversos são os registros do passado, com acidentes fluviais no canal hidroviário do rio Madeira, decorrentes da falta de visibilidade nessa época do ano.
.
PANOBIANCO: Rios secos e muita poluição castigam RO - Gente de Opinião .
Ji-Paraná
A região central de Rondônia apresenta índices alarmantes de concentração de gases poluentes na atmosfera. Neste inicio de semana, o sol não apareceu na região de Ji-Paraná, por conta de tanta fumaça de queimada concentrada na atmosfera. O aeroporto José Coleto registrou às 06 horas desta terça-feira, apenas 300 metros de visibilidade horizontal, o que obrigou o mesmo redobrar as atenções para os vôos previstos logo ao amanhecer.
A sensação de sufocamento na área é insuportável. As temperaturas máximas alcançam facilmente os 38°C, com umidade relativa do ar em torno de 30% e visibilidade reduzida a menos de 2000 metros no período da tarde. Os resultados são longas filas em postos de saúde e hospitais, com gente sufocada por tantos malefícios que aparecem nessa época do ano. Mais uma vez, a incumbência dos governantes prefere os lucros nas derrubadas das matas, a que minimizar o sofrimento da população local.
.

PANOBIANCO: Rios secos e muita poluição castigam RO - Gente de Opinião

.
Vilhena
A região do Cone Sul até poderia ser privilegiada pela maior altitude do Estado, mas está muito a quem de se livrar da intensa poluição do ar. No aeroporto Brigadeiro Camarão em Vilhena, os valores mínimos de visibilidade horizontal observados nas últimas horas da madrugada impressionam. Desde o período de seca de 1989 não se registrava tanta fumaça no sul de Rondônia. Os números dão à cota de apenas 200 metros de visão, o que obriga os motoristas a ligarem os faróis dos automóveis em plena luz do dia. Luz que sai caro no bolso dos consumidores, pois a fumaça é tanta que por algumas horas a iluminação pública é acionada devido ao fechamento completo da luz solar.
Imagine um dia de forte nevoeiro ocasionado pela chuva e umidade em dias frios, com céu totalmente nublado pelas nuvens. É essa situação que o rondoniense enfrenta agora, só que com apenas CO (Monóxido de Carbono) das queimadas pairando na atmosfera.
.
Gente de Opinião
Rio Mamoré
Na divisa com a Bolívia, a mais intensa estiagem já avistada em Rondônia também deixa suas marcas. O nível do rio Mamoré, afluente do Madeira preocupa a cada dia. Na região entre Guajará-Mirim e Nova Mamoré, em Rondônia, e Guayaramerim, na Bolívia, as pedras e o montante de bancos de areia obriga a navegação a suspender o tráfego de embarcações maiores. O turismo na região é o mais prejudicado, pois a expedição no encontro das águas do Mamoré com o rio Beni está proibida.
Além disso, milhares de famílias ribeirinhas que vivem mais abaixo de Guajará, próximo ao distrito de Surpresa, na divisa com o município de Costa Marques, estão sem comida há semanas, pois com a baixa do rio e a secura de tantos outros igarapés terra adentro, fica impedida a locomoção. Na região da Serra da Cutia, ao sul de Guajará-Mirim, já na região do baixo Guaporé, o rio Pacaás Novos desapareceu, devido a intensa seca que desde abril castiga a região.
PANOBIANCO: Rios secos e muita poluição castigam RO - Gente de Opinião .
PANOBIANCO: Rios secos e muita poluição castigam RO - Gente de Opinião .
Rio Madeira
O colapso da seca em Rondônia começa pelo maior rio do Estado e um dos maiores do mundo, em extensão territorial, volume de águas e velocidade da correnteza. Depois de ficar conhecido mundialmente a partir dos planos do governo federal para a construção de duas grandes usinas hidrelétricas nos próximos anos, o rio Madeira conta as horas para atingir o menor nível da história, não vencido apenas na seca de 2005, quando o nível chegou a 2,92 metros. Na tarde desta segunda-feira, a régua marcava apenas 3,10 metros, estando, portanto, apenas 18 cm a mais que na seca de dois anos atrás. Em apenas uma semana, o Madeira diminuiu cerca de 40 cm, proporção de vazante jamais registrada em tão pouco tempo.
A navegação em Rondônia está comprometida. Grande parte dos produtos que chegam de Manaus, através da hidrovia do Madeira, já falta em muitas cidades de Rondônia. O cimento de argamassa é um deles. Grandes obras da construção civil estão paralisadas, pois não há mais cimento nas lojas de materiais de construção.
O grande risco agora nos próximos dias, é com relação à falta de combustível no Estado. Se a navegação no Madeira for interrompida por completo, assim como sugere a baixa espontânea do nível das águas, mais um produto de suma importância estará ausente em todos os municípios. A última saída seria a aquisição de combustível vindo por terra, de refinarias e distribuidoras da Região Sudeste, e isso largamente seria repassado ao bolso do consumidor em um aumento considerável no preço.
Fazendo o mesmo trajeto, só que do lado oposto, a baixa do Madeira atrapalha o escoamento da produção de soja de Mato Grosso. As carretas estão paradas no Porto Granelero, a espera da liberação das balsas que transportam um maior número de toneladas do produto. Mais uma deficiência enfrentada por quem depende do nível do rio em levar o desenvolvimento do Estado as demais regiões do Brasil e outros paises, por onde a soja é exportada.
A quantidade de pedras e bancos de areia no Madeira, já resultou em diversos acidentes com embarcações. Por isso, a navegação noturna continua proibida em todo o canal hidroviário.
.
PANOBIANCO: Rios secos e muita poluição castigam RO - Gente de Opinião.
Rio Machado
Quem passa por Ji-Paraná e vê a atual situação do rio Machado fica estarrecido. O grande rio do interior de Rondônia, famoso pela sua grande quantidade de peixes e um volume assustador de águas mingua a cada dia entre as pedras. Os barcos não conseguem mais atravessar o Machado. Desde que as medições começaram a ser realizadas na região, isso ainda em 1978, nunca o nível chegou a tal marca de 2,38 metros. É possível atravessar o Machado andando a pé entre as pedras.
Os mais antigos da região, relatam que, se medidas de prevenção e monitoramento fossem tomadas logo quando a estiagem começou, ainda em abril, hoje talvez tantas famílias não estariam passando por necessidade. O Machado possui desde a sua nascente em Vilhena, até o encontro com as águas do rio Madeira em Porto Velho, na divisa com o Amazonas, cerca de 1000 km de extensão. É o maior rio do interior do Estado e alimenta centenas de famílias por onde passa. Na atual situação, mais de 80% da população ribeirinha não tem o que tirar de sustento devido a grande seca.
Medidas simples de monitoramento e precaução do centro de pesquisas aqui enfiado SIPAM, talvez pudessem ter alguma valia, caso la dentro existissem pessoas competentes honrando trabalho a que lhes foi concedido. É nessa hora que temos de pensar, não tão somente no caos, na visão nítida e verdadeira. Temos que prestar muita atenção também, nessas siglas criadas única e exclusivamente pelo governo federal em destinar repasse de verba pública. Porque dinheiro para pesquisa e monitoramento vem, mas onde encontrar em benfeitorias? Talvez sejam gastos no montante de ofícios repassados à imprensa de Rondônia quase que diariamente, ditando dados que não condizem jamais com a realidade. É o preço da ciência brasileira na Amazônia!
.
PANOBIANCO: Rios secos e muita poluição castigam RO - Gente de Opinião.
Rio Jaru
Esta é uma visão jamais pensada em ver no Estado de Rondônia. Contrariando todos os boletins, prognósticos do SIPAM, que enfocava para a não-possibilidade de seca intensa esse ano no Estado, hoje o rio Jaru, um dos afluentes do Machado, com quase 500 km de extensão está seco nas partes mais altas. Isso mesmo, não há uma gota d’ água sequer brotando nas minas, consideradas as mais férteis da Região Norte, com água de qualidade mineral.
Mais uma prova das marcas de uma estiagem que vai ficar para a história de Rondônia e da Amazônia como um todo. As comunidades de Cajueiro, Tarilândia e Canarana, no interior do município de Jaru estão sem água potável para consumo. A seca nas pastagens reflete na imagem do gado magro, típico dos vistos no sertão nordestino. Imagens que retratam a pobreza, a miséria e veja só, em plena floresta amazônica.
Outros rios
Diversos rios, igarapés, nascentes e corredeiras de Rondônia estão secando, outros completamente sem água. A situação é critica também nos rios Candeias, Jamarí, na região de Ariquemes, rio São Miguel, em São Miguel do Oeste, rio Ouro Preto, na serra dos Pacaás Novos, em Guajará-Mirim e rio São Domingos em Costa Marques. Grandes rios, fundamentais para o abastecimento de milhares de localidades, hoje transformados em fios d’ água secando a cada dia.
Mesmo que a chuva retorne agora na primeira semana de outubro, período normal para o inicio da estação chuvosa no sul da Amazônia, a recuperação dos rios e das áreas que agora amargam prejuízos com a longa estiagem será lento, pois o déficit hídrico no solo é muito grande.
Medidas preventivas, estudos mais concretos, boa vontade humana. Tudo isso influi no pesar da balança diante as adversidades do tempo e clima. Mas como sempre, pela ignorância de alguns do poder, a população é quem sempre acaba pagando as conseqüências da falta de administração de pulso firme.
Dados: Corpo de Bombeiros/Jaru/Ji-Paraná/Ariquemes – Capitania dos Portos – Marinha – Defesa Civil – CPRM
Fonte: De olho no tempo – Rondônia –
wwwdeolhonotempo.blogspot.com

Mais Sobre Meio Ambiente

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Sessenta Policiais Militares do Batalhão de Polícia Ambiental, de todo o Estado, participaram na manhã desta sexta-feira (28/2) da Oficina sobre