Porto Velho (RO) quinta-feira, 9 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Madeireiras lacradas voltam a funcionar


As 101 madeireiras que haviam sido lacradas desde a 'Operação Guilhotina' em julho (quando foram presos empresários do setor madeireiro, engenheiros florestais e servidores públicos sob alegação de fraudes em planos de manejo, crimes ambientais, venda de documentos florestais e formação de quadrilha) e tiveram suas atividades paralisadas, voltaram a funcionar devido a medidas judiciais.  Elas tiveram o cadastro suspenso pela Secretaria Estadual de Meio Ambiente (Sema), enquanto eram investigadas por envolvimento em fraudes na comercialização de madeira.

66 pessoas foram denunciadas (acusados formalmente) por crimes contra o meio ambiente, falsificação de documentos e formação de quadrilha.  No total a Polícia Civil instaurou seis inquéritos contra seis projetos criados para subsidiar a prática criminosa, informa A Gazeta.

O esquema, que culminou na operação Guilhotina, teria resultado na retirada e comercialização ilegal de 83.161,077 metros cúbicos de madeira, rendendo aos fraudadores um lucro, aproximado, de R$58 milhões.  Mas o Ministério Público acredita que o total seja ainda maior, pois, "aproveitando-se de que a legislação não prevê que o órgão ambiental faça vistoria prévia na área a ser explorada", diz um trecho da denúncia.

No Nortão, várias empresas foram fechadas, entre as cidades de Sinop, Cláudia, Vera, Santa Carmem, Alta Floresta, Juara, Feliz Natal, Marcelândia, Paranaíta, Juína, Juruena, Carlinda, Matupá, Porto dos Gaúchos, Terra Nova do Norte, Peixoto de Azevedo, Lucas do Rio Verde, e Nova Ollímpia.

Ainda durante as investigações da operação, 38 engenheiros florestais foram suspensos pela Sema pelo fato dos projetos de manejo que apresentaram suspeitas de irregularidades.

A operação "Guilhotina" iniciou depois que indícios de irregularidades em planos de manejos florestais sustentáveis e projetos de exploração florestal em várias áreas do Estado foram encontrados.

Uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para averiguar as irregularidades cometidas por servidores, que resultaram em prisões, a lentidão nos depachos de planos de manejo e demais documentos fundamentais para as indústrias madeireiras trabalharem foi criada e deve encerrar ainda neste mês seus trabalhos.
Fonte: Só Notícias

Mais Sobre Meio Ambiente

Ji-Paraná: prefeitura encerra atividade no lixão e passa a utilizar aterro sanitário

Ji-Paraná: prefeitura encerra atividade no lixão e passa a utilizar aterro sanitário

A Prefeitura de Ji-Paraná, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semeia), encerrou nesta segunda feira (06), as atividades no lixão munic

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto