Porto Velho (RO) quarta-feira, 19 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Julho teve redução de 72% nas queimadas em Rondônia



O período de seca do verão amazônico, tradicionalmente utilizado para a queima da vegetação em Rondônia, surpreendeu em julho, registrando diminuição de 72% dos focos de calor em relação ao mesmo período do ano passado. 

Segundo a analista Luciana Teles, do Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), os satélites monitorados pelo Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (INPE) registraram 149 focos em julho de 2009, contra 551 em 2008, uma redução de 72%. Comparado ao Acre, que registrou apenas 10 focos no período, Rondônia ainda queima de forma significativa. Entretanto, o panorama é extremamente favorável se levado em conta os números do Mato Grosso, que teve 5.304 focos em julho. A boa notícia é que os três estados registraram retração nos números em comparação a 2008. 

Porém ainda é preciso cautela, já que os meses que mais apresentam focos de calor (sobretudo setembro) ainda estão por vir. 


Fumaça pode vir do Mato Grosso 

Quanto à análise da qualidade do ar, Rondônia já começa a apresentar elevação nos índices de monóxido de carbono, no sul e leste do estado. Mas, de acordo com avaliação das divisões ambiental e de meteorologia do Sipam, a fumaça pode estar sendo trazida pelos ventos. “O efeito de queimadas no Pará e Mato Grosso, dependendo da quantidade e das condições das massas de ar, pode chegar não só a Rondônia como descer até a Argentina”, revela Luiz Alves, meteorologista. 

Já a umidade do ar, que castiga o Mato Grosso com índices de até 15%, também está baixa no sul de Rondônia, mas com níveis que ainda não configuram o estado de alerta por que passa aquele estado (quando a umidade está abaixo de 20% e até 12%). Em Rondônia, o mínimo registrado nas cidades do sul está entre 20% e 25%.

Fonte: Vanessa Ibrahim

Mais Sobre Meio Ambiente

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

O Sistema Cantareira, que abastece parte da capital paulista e da Região Metropolitana, estava com quase 60% da capacidade um ano antes da crise de 20

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Agentes reguladores estão avaliando a medida provisória

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Um grupo de 30 crianças da Fundação JiCred plantou mudas de ipê e flamboyant no Parque Ecológico Municipal. A ação foi realizada pelo Sistema Cooperat