Porto Velho (RO) terça-feira, 18 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Idaron monitora vírus da febre aftosa em Rondônia


  

Desde 2003, quando o estado foi declarado área livre de febre aftosa pela OIE (Organização Mundial de Saúde Animal), a Agência de Defesa Sanitária Agrosilvopastoril de Rondônia (Idaron) vem fazendo um trabalho de monitoramento e vigilância da circulação do vírus da doença em todas as áreas onde há criação de bovinos e bubalinos.

De acordo com o gerente de Inspeção e Defesa Sanitária Animal, Márcio Petró, as propriedades fiscalizadas são escolhidas por critérios exigidos pelo Ministério da Agricultura e Pecuária (MAPA), em conjunto com o Centro Panamericano de Febre Aftosa, além dos órgãos responsáveis pela sanidade animal de Brasil, Bolívia, Paraguai e Argentina. Quando uma área de criação é escolhida, há a notificação dos pecuaristas e, em seguida, ocorre a coleta de uma amostra de sangue, que é enviada para testes no laboratório do MAPA. Neste local, é verificada se houve a presença ou não do vírus da doença em Rondônia.

“A novidade deste ano ficou por conta do projeto piloto desenvolvido por estes países que realizam atividades de monitoramento e vigilância de fronteira internacional. Em Rondônia, as ações da Idaron acontecem em parceria com o Fundo Emergencial de Febre Aftosa (FEFA) e o MAPA. Nós nos concentramos nos nove municípios que fazem fronteira com a Bolívia, pois o país vizinho ainda não é considerado pela OIE, área livre de febre aftosa”, aponta Márcio Petró.

No Brasil, as fiscalizações ocorrem nos estados do Acre, Rondônia, Mato Grosso e Mato Grosso do Sul. “É importante que os produtores, não só do nosso estado, mas ao longo da fronteira com a Bolívia e Paraguai, recebam os funcionários responsáveis pela coleta deste soro, pois desta maneira, vamos manter afastado o risco da volta da febre aftosa, o que pode prejudicar a economia rondoniense e brasileira”, finaliza Petró.

Fonte: IDARON/Felipe Corona

Mais Sobre Meio Ambiente

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

O Sistema Cantareira, que abastece parte da capital paulista e da Região Metropolitana, estava com quase 60% da capacidade um ano antes da crise de 20

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Agentes reguladores estão avaliando a medida provisória

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Um grupo de 30 crianças da Fundação JiCred plantou mudas de ipê e flamboyant no Parque Ecológico Municipal. A ação foi realizada pelo Sistema Cooperat