Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Expsição de árvore carbonizada sensibiliza população


Exposição de árvore carbonizada sensibiliza população sobre importância da Amazônia

Alex Rodrigues
Agência Brasil

 Brasília - A fim de chamar a atenção para a importância da Amazônia na manutenção do equilíbrio climático global e para a necessidade de preservar a floresta, a organização não-governamental (ONG) ambientalista Greenpeace decidiu percorrer parte do país exibindo o tronco de um tauari [árvore da floresta de baixo valor comercial] carbonizado. Saindo do sul do Amazonas, a mostra percorreu os estados de Rondônia, Mato Grosso, Mato Grosso do Sul, São Paulo, Rio de Janeiro e Brasília, onde chegou neste fim de semana.

Segundo o coordenador da exposição, André Muggiati, a iniciativa visa a sensibilizar principalmente as pessoas que vivem longe da floresta, alertando para a relação existente entre as queimadas, as mudanças climática e o aquecimento global. “Aproximadamente 75% das emissões brasileiras de CO2 [dióxido de carbono], principal gás do efeito estufa, são oriundas de desmatamentos. Mais da metade disso ocorre na Amazônia”, disse Muggiati.

De acordo com o Greenpeace, o Brasil é hoje o quarto maior emissor de poluentes do mundo, atrás apenas dos Estados Unidos, China e Indonésia. Em seu site, a ONG reconhece que as taxas de desmatamento vêm caindo, mas atribui isso a uma combinação de fatores conjunturais, como a queda nos preços dos produtos agrícolas no exterior, somado a medidas adotadas pelo governo, como a criação de áreas protegidas e maior fiscalização.

A exposição itinerante é parte de campanha da organização, que está colhendo assinatura para um abaixo-assinado que será encaminhado ao presidente Luiz Inácio Lula da Silva. O objetivo é pedir que o governo adote as medidas necessárias para reduzir gradativamente o desmatamento, erradicando a prática até o ano de 2015.

O tronco do tauari foi recolhido de uma área queimada ilegalmente na cidade de Lábria, no sul do Amazonas. Originalmente, media cerca de 30 metros. Para a exposição, foram cortadas duas partes que, juntas, medem quase 13 metros. Instaladas em um caminhão especialmente preparado para a exposição, as peças percorreram mais de 5 mil quilômetros de vários estados. Neste fim de semana, foram exibidas no Parque da Cidade, em Brasília, onde a exposição chega ao fim.

Segundo dados divulgados esta semana pelo governo, houve uma redução no nível de desmatamento entre julho de 2006 e julho de 2007. “No entanto, o próprio governo reconhece que alguns indicadores apontam para uma retomada no desmatamento a partir de maio deste ano, acompanhando a alta dos produtos agrícolas exportáveis, como soja e carne. Por isso mesmo, estamos pedindo que sejam adotadas metas claras de redução da prática e que o governo indique quais seus objetivos, para quanto ele quer que os níveis caiam no próximo ano e o que irá fazer para isso”.

Lembrando o projeto de lei que tramita no Congresso e que prevê mudanças no Código Florestal Brasileiro, Muggiati disse que o Greenpeace está acompanhando a discussão, se opondo a diversas mudanças propostas. “Não acreditamos que esse seja o caminho. Qualquer alteração no Código Florestal precisa passar por uma ampla discussão com a sociedade brasileira. A maneira como esse projeto foi sugerido, sem ir a plenário, sem debate, é muito ruim para a sociedade e para nosso patrimônio ambiental”.

A gestora de Recursos Humanos, Graças Campos, disse ter ficado emocionada ao visitar a exposição. “Foi importante ver isso. Ouvimos falar do problema, mas parece algo muito distante. Já ver o tronco, emociona. Vemos o quanto precisamos nos conscientizar [do problema] e colaborar”.

Graça defendeu que cabe aos veículos de comunicação colaborar para que a população se conscientize do problema e passe a exigir soluções. “Acho que é o único caminho. Transformar todo o poder econômico e acabar com a ganância dos grileiros não é muito fácil. Então é possível que as pessoas passem a cobrar”.

O químico Fernando Lopes da Silva também aprovou a iniciativa. Para ele, a exposição é capaz de sensibilizar quem a visita. Silva também considera que falta informação a quem vive distante da floresta amazônica. “Por não estarmos presentes onde isso realmente acontece, não temos noção da realidade. Temos de pensar sério a respeito disso, sobre o que iremos deixar para os nossos filhos, sobre o futuro do planeta”.

Após o término da exposição, as duas peças serão cedidas aos artistas plásticos Siron Franco e Frans Krajcberg. Eles irão produzir esculturas que serão exibidas na Convenção sobre a Diversidade Biológica, que ocorrerá na Alemanha em maio de 2008. 

 


 

Gente de OpiniãoTerça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

EcoCast: série especial discute os desafios e oportunidades do mercado de carbono no Brasil

EcoCast: série especial discute os desafios e oportunidades do mercado de carbono no Brasil

Você sabe o que são os famosos créditos de carbono? E como eles funcionam, você sabe? Na série especial “Carbono: desafios e oportunidades” recebemos

Inovação e Sustentabilidade em Rondônia: UNIR e Eletrogoes Avançam na Pesquisa Florestal

Inovação e Sustentabilidade em Rondônia: UNIR e Eletrogoes Avançam na Pesquisa Florestal

O Grupo de Pesquisa de Recuperação de Ecossistemas e Produção Florestal, coordenado pelas Dra. Kenia Michele de Quadros e Dra. Karen Janones da Roch

Pesquisa estuda folha da Amazônia para substituição do mercúrio na extração de ouro

Pesquisa estuda folha da Amazônia para substituição do mercúrio na extração de ouro

Pau-de-balsa é uma espécie florestal nativa da Amazônia e já é utilizada de forma artesanal na Colômbia para extração de ouro.Agora, cinco instituiçõ

Ibama define nova prioridade para enfrentar perdas na biodiversidade e a crise climática

Ibama define nova prioridade para enfrentar perdas na biodiversidade e a crise climática

Neste ano em que completa 35 anos, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) comemora o impacto do trabalho

Gente de Opinião Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)