Porto Velho (RO) quinta-feira, 9 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Em 15 capitais, desperdício de água supera a metade do total captado nos mananciais


Petterson Rodrigues
Agência Brasil

São Paulo - Em 15 das 27 capitais brasileiras, o desperdício de água tratada equivale a mais da metade do total captado dos mananciais. Os dados fazem parte de um estudo do Instituto Socioambiental apresentado hoje (21) em São Paulo e antecipado pela Agência Brasil no sábado (17). No total, as capitais brasileiras perdem diariamente 6,14 bilhões de litros de água, o que corresponde a 45% do total captado nos mananciais.

O estudo, que avaliou a situação do abastecimento de água e do saneamento nas capitais brasileiras, serviu de base para o lançamento da campanha De Olho nos Mananciais, que pretende conscientizar a população sobre a necessidade de cuidar das fontes de água. "A gente quer que as pessoas reflitam sobre o desafio que vai ser garantir água nas cidades no século 21, com as cidades crescendo, a poluição e o consumo aumentando", diz uma das coordenadoras do estudo, Marussia Whately.

Segundo a pesquisa, Porto Velho é a capital que registra a maior perda de água, 78,8%. As capitais com menores índices de perda são Brasília (27,3%), São Paulo (30,8%) e Goiânia (32,2%). "O que se recomenda é algo em torno de 15% a 20% [de perda]", explica a coordenadora. "Em Tóquio [capital do Japão], o desperdício é de apenas 4%."

De acordo com o estudo, o consumo de água nas capitais brasileiras é de 150 litros diários por habitante, acima dos 110 litros recomendados pela Organização das Nações Unidas (ONU). Vitória, Rio de Janeiro e São Paulo registram os maiores consumos, todas superiores a 220 litros por dia por habitante. Maceió, Recife e Manaus apresentam os menores consumos, abaixo de cem litros diários por habitante.

Marussia explica que a base da pesquisa veio de informações da consulta Série Histórica de 2004 do Sistema Nacional de Informações sobre Saneamento (SNIS), órgão vinculado ao Ministério das Cidades. Os dados da capital paulista, de acordo com a coordenadora, são referentes a 2007 e fornecidos pela Companhia de Saneamento Básico de São Paulo (Sabesp).

Em relação ao saneamento, o estudo revelou ainda que mais da metade da população do país e pelo menos 30% da população das capitais não tem, sequer, rede de coleta e 80% do esgoto das capitais é lançado diretamente nos rios, sem nenhum tipo de tratamento. Manaus, Belém e Rio Branco têm os piores índices, com menos de 3% de seus moradores atendidos com esgoto sanitário.

"Nos últimos anos, o Brasil deu pouca atenção ao tratamento de esgoto", diz Marussia Whately. "Uma das principais fontes de poluição da água hoje no país é o esgoto gerado nas cidades."

 

Mais Sobre Meio Ambiente

Ji-Paraná: prefeitura encerra atividade no lixão e passa a utilizar aterro sanitário

Ji-Paraná: prefeitura encerra atividade no lixão e passa a utilizar aterro sanitário

A Prefeitura de Ji-Paraná, por meio da Secretaria Municipal de Meio Ambiente (Semeia), encerrou nesta segunda feira (06), as atividades no lixão munic

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto