Porto Velho (RO) terça-feira, 31 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Detalhada operação que prevê apreensão de madeira ilegal


Os governos Federal e do Estado do Pará detalharam a operação Arco de Fogo, de combate ao desmatamento na Amazônia, durante entrevista coletiva concedida, nesta terça-feira (26), no Palácio dos Despachos, em Belém. A operação é um desdobramento da Guardiões da Amazônia, que atua no município de Tailândia, a 250 quilômetros de Belém, desde o dia 11 de fevereiro deste ano.

De acordo com os registros do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama), em Tailândia existem 147 serrarias cadastradas. A Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) garante que menos de 60 delas têm controle ambiental, isto é, licença de operação. “É praticamente impossível ter um número exato. O que existe é uma estimativa de 30 a 40 mil metros cúbicos de madeira ilegal na área”, afirma o superintendente regional do Ibama, Aníbal Picanço.

Para a governadora Ana Júlia Carepa, o desmatamento da Amazônia deve ser combatido continuamente. Preocupada com trabalhadores dependentes dessa atividade ilegal, a governadora reuniu-se em companhia do secretário de Meio ambiente, Valmir Ortega, e com a ministra do Meio Ambiente, Marina Silva, para discutir a viabilidade de instrumentos legais imediatos para amparar os trabalhadores de Tailândia.

A governadora usou o exemplo do “seguro defeso”, criado no período em que a pesca fica proibida e os pescadores recebem do governo federal um seguro para se manterem nesse período de entressafra. Segundo ela, o Estado dispõe de instrumentos que podem ser usados. É o caso do Agente Ambiental Voluntário, programa do Ibama que permite o pagamento de serviços como se fosse uma bolsa ao cidadão que preserva a floresta.

Ana Júlia, porém, avisa que o fato de pessoas ficarem desempregadas não impede a ação de combate ao desmatamento ilegal. “Não podemos utilizar esse argumento, caso contrário, vamos manter o tráfico de drogas só porque mantém grande numero de pessoas com seus recursos. Vamos sim, combater o desmatamento e, de forma conjunta, alterar a base da atividade econômica no município”, afirmou.

Ações - A partir de agendas conjuntas construídas ao longo de 2007, o governo paraense assinou o decreto 533, dispondo sobre procedimentos de apreensões e leilão administrativo de produtos e subprodutos ambientais oriundos de atividades ilegais, e celebrou, em dezembro de 2007, convênio com o Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

A partir desses instrumentos legais, o Ibama pode doar os produtos apreendidos à Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema), passando o Estado a ser o fiel depositário, ao contrário dos madeireiros, como acontecia em governos anteriores. “Antes, o fiel depositário era o próprio madeireiro, e, muitas vezes, a madeira era reutilizada mesmo tendo sido apreendida como produto de ato ilícito. Isso muda, com esta ação”, explicou a governadora.

Ao receber o material apreendido, como no caso de Tailândia, o Estado faz o leilão, destinando metade dos recursos (50%), para aparelhar órgãos ambientais, e de Segurança Pública, para atuarem no combate ao desmatamento. A outra metade será utilizada em ações sociais, de longo e médio prazo, para promover a mudança da base econômica. “Essa ação está dentro do novo modelo de desenvolvimento do governo, que prevê alteração da atividade econômica, que em Tailândia é baseada em atividade ilegal. A madeira sai de terras públicas, sem licenciamento ambiental. Nós queremos alterar essa atividade econômica e incentivar atividades sustentáveis no Estado”, reforçou a governadora.

Para Ana Júlia Carepa, é importante que o País e o mundo entendam que o Pará pode combater o desmatamento ilegal e manter atividades econômicas compatíveis com a legislação, utilizando os recursos naturais de forma sustentável.

O secretário de Meio Ambiente garantiu que as empresas que querem entrar na legalidade terão apoio. Cinquenta novos técnicos foram contratados e estão em atividade, alguns em Tailândia, na apreciação de planos de manejo. “É um mutirão para aprovar o mais rapidamente possível projetos de manejo que estiverem de acordo com a lei, com prioridade para Tailândia”, frisou.

Parceria - Um estudo recente feito pela Sema e Ibama antecipou a operação, diante da perspectiva de aumento do desmatamento. Para a Polícia Federal, não se trata de uma ação isolada de polícia, é uma ação conjunta dos órgãos internos, tanto de planejamento como de execução. “Felizmente, a parceria com o Pará nos deu um resultado maravilhoso. Uma operação local e nacional, que se completam e conseguem andar juntas”, detalhou o delegado Leandro Daiello Coimbra, coordenador geral de Polícia Fazendária.

O delegado disse que o convênio assinado entre o governo do Estado e o Ibama permite a ampliação das ações. “No momento, essa operação que se iniciou no Pará vai se desenvolver em mais dois Estados. O foco é na ilegalidade das madeireiras, mas a preocupação é que a maioria se torne legal”, ressaltou.

Fonte Agência Pará - Lázaro Araújo - Secom

Mais Sobre Meio Ambiente

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Sessenta Policiais Militares do Batalhão de Polícia Ambiental, de todo o Estado, participaram na manhã desta sexta-feira (28/2) da Oficina sobre