Porto Velho (RO) quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Desmatamento na Amazônia diminui em julho, mas tendência anual é de aumento



Luana Lourenço
Agência Brasil


Brasília - A Amazônia perdeu 225 quilômetros quadrados (km²) de floresta em julho, de acordo com o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe). Em relação a junho, quando os satélites registraram 312,6 km² de desmate, houve redução de 28% no ritmo da derrubada.

O Pará liderou o desmate na região em julho, com 93,7 km² de novas áreas derrubadas, seguido por Rondônia, com 52,4 km², e Mato Grosso, com 51,4 km². No Amazonas, as derrubadas atingiram 16 km² de florestas, em Roraima, 5,5 km², no Maranhão, cerca de 3 km² e no Tocantins, 2 km². A cobertura de nuvens impediu a visualização de 7% da Amazônia Legal, segundo o Inpe.

Os dados são do sistema de Detecção do Desmatamento em Tempo Real (Deter), que monitora áreas maiores de 25 hectares e serve para orientar a fiscalização ambiental. Além do corte raso (desmatamento total), o sistema também registra a degradação progressiva da floresta.

Apesar da queda de 28% entre junho e julho, no acumulado entre agosto de 2010 e julho de 2011 (calendário oficial do desmatamento), a tendência é aumento. No total, o desmatamento medido pelo Deter atingiu 2.654 km² nos últimos 12 meses, contra 2.295 km² no período anterior (agosto de 2009 a julho de 2010), aumento de 15%.

A taxa anual de desmate é calculada por outro sistema, o Projeto de Monitoramento do Desflorestamento na Amazônia Legal (Prodes), que é mais preciso, por avaliar áreas menores. No entanto, apesar da metodologia diferente, a avaliação do Deter costuma antecipar os resultados do Prodes. Em 2010, a taxa anual foi 6.451 km², a menor registrada pelo Inpe desde o começo do monitoramento, em 1988.

 

Mais Sobre Meio Ambiente

Colaboradores do Sistema Fecomércio/RO participam da 4º etapa de implantação do Programa ECOS de Sustentabilidade

Colaboradores do Sistema Fecomércio/RO participam da 4º etapa de implantação do Programa ECOS de Sustentabilidade

Colaboradores do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac/IFPE, participaram no auditório da Federação durante dois dias, da 4° etapa da implantação do programa

Barragens de minérios: Onde estão as outras com alto potencial de estrago ou alto risco

Barragens de minérios: Onde estão as outras com alto potencial de estrago ou alto risco

O Brasil tem 790 barragens de rejeitos de minérios, e mais de 300 delas não foram classificadas em relação ao seu risco de rompimento e ao potencial d

Porto Velho: Prefeitura destrava recurso de compensação social para Aterro Sanitário

Porto Velho: Prefeitura destrava recurso de compensação social para Aterro Sanitário

Os R$ 4 milhões também servirão para elaborar o Plano Municipal de Saneamento Básico e o Plano de Gerenciamento de Resíduos SólidosMais uma vitória im

Brumadinho: Qualidade da água do rio Paraopeba é considerada ruim. Veja as imagens

Brumadinho: Qualidade da água do rio Paraopeba é considerada ruim. Veja as imagens

Ontem (31/01), a Fundação SOS Mata Atlântica deu início à Expedição Paraopeba, que irá percorrer 356 km deste rio, de Brumadinho à Hidroelétrica Retir