Porto Velho (RO) quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Dados do Sipam são repassados à Defesa Civil


O nível do Rio Madeira deve permanecer estável nos próximos dias de fevereiro. As chuvas que ocorrem no inverno amazônico de Rondônia devem reduzir, contribuindo para diminuir o nível do Rio. Os efeitos da redução de água devem ser sentidos em cerca de cinco dias, devido ao tempo necessário para escoamento pelos canais naturais ou rios da bacia.

A previsão, elaborado pelo Sistema de Proteção da Amazônia (Sipam), é baseada nos dados meteorológicos e hidrológicos produzidos pela instituição. As informações são aplicadas no modelo climatológico do Sipam, o Brams, que gera dados numéricos relacionados ao comportamento das chuvas nos próximos três dias. Os dados gerados são processados no modelo hidrológico de chuva e vazão possibilitando estimar a cota futura de inundação para um, cinco e dez dias.

Além das informações repassadas diariamente, o Sipam oferece apoio de infraestrutura física e tecnológica para montagem de sala de situação para gerenciamento da crise pela Defesa Civil. “Trabalhamos de forma conjunta para repassar com celeridade os dados à Defesa Civil, responsável por comunicar e alertar a sociedade sobre os fatos relacionados à inundação” disse o gerente do Centro Regional de Porto Velho (CR/PV)/Sipam, José Neumar.

O trabalho colaborativo reflete em ações benéficas para a sociedade. “A precisão e alto nível de qualidade dos dados do Sipam são fundamentais para o desenvolvimento de atividades e para definir a linha de atuação da Defesa Civil e órgãos parceiros”, afirma o coordenador estadual de Defesa Civil e comandante geral de Corpo de Bombeiro de Rondônia, Coronel Caetano.

Os municípios de Guajará-Mirim, Nova Mamoré, Porto Velho e Rolim de Moura foram atingidos por inundações do Rio Madeira e o governo decretou situação de emergência nos quatro. Ações como a retirada rápida de famílias de locais de risco, abrigo em alojamento, distribuição de alimentos, água potável e medicamentos, e corte emergencial de energia elétrica foram medidas necessárias para contornar a crise gerada. “Atuar de forma preventiva e estabelecer as estratégias de atuação foram possíveis por que obtivemos informações com antecedência”, complementa o coronel Caetano.

O cenário da região deve permanecer estável no mês de fevereiro. Para o mês de março ainda é cedo para fazer afirmações. Apesar das reduções de chuvas e do nível do Rio Madeira nos próximos dias, março é um mês tradicionalmente de chuvas na Bacia do rio Madeira, esclareceu a coordenadora de Operações do CR/PV, Ana Cristina Strava. “Mas todas a informações serão repassadas com a maior brevidade para a Defesa Civil”, complementa Strava.

Fonte: Carla Viviane de Oliveira
Centro Gestor e Operacional do Sistema de Proteção da Amazônia

Mais Sobre Meio Ambiente

Colaboradores do Sistema Fecomércio/RO participam da 4º etapa de implantação do Programa ECOS de Sustentabilidade

Colaboradores do Sistema Fecomércio/RO participam da 4º etapa de implantação do Programa ECOS de Sustentabilidade

Colaboradores do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac/IFPE, participaram no auditório da Federação durante dois dias, da 4° etapa da implantação do programa

Barragens de minérios: Onde estão as outras com alto potencial de estrago ou alto risco

Barragens de minérios: Onde estão as outras com alto potencial de estrago ou alto risco

O Brasil tem 790 barragens de rejeitos de minérios, e mais de 300 delas não foram classificadas em relação ao seu risco de rompimento e ao potencial d

Porto Velho: Prefeitura destrava recurso de compensação social para Aterro Sanitário

Porto Velho: Prefeitura destrava recurso de compensação social para Aterro Sanitário

Os R$ 4 milhões também servirão para elaborar o Plano Municipal de Saneamento Básico e o Plano de Gerenciamento de Resíduos SólidosMais uma vitória im

Brumadinho: Qualidade da água do rio Paraopeba é considerada ruim. Veja as imagens

Brumadinho: Qualidade da água do rio Paraopeba é considerada ruim. Veja as imagens

Ontem (31/01), a Fundação SOS Mata Atlântica deu início à Expedição Paraopeba, que irá percorrer 356 km deste rio, de Brumadinho à Hidroelétrica Retir