Porto Velho (RO) terça-feira, 25 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Chuva forte em Porto Velho e vendaval no interior de Rondônia


 
Grande parte do Estado foi "varrido" na tarde desta quarta-feira por uma poderosa linha de tormentas. As rajadas de vento passaram de 100 km/h na região central, entre Ji-Paraná e Cacoal.

Daniel Panobianco – Um forte vendaval atingiu parte do Estado de Rondônia, pouco depois das 14 horas desta quarta-feira. Em pelo menos 14 municípios, as rajadas de vento passaram de 50 km/h atingindo picos de até 106 km/h.

O resultado foram postes derrubados, interrupção no fornecimento de energia elétrica, árvores arrancadas pela raiz, casas e estabelecimentos comerciais com telhados arrancados e acidentes de trânsito ao longo das rodovias e do eixo urbano.

Em Cacoal, a estação automática do INMET (Instituto Nacional de Meteorologia) instalada na sede da CONAB, já na saída pra Pimenta Bueno, registrou rajada máxima de vento de 20,9 m/s entre 13 e 15 horas (local), ou seja, ventos muito fortes de 75,2 km/h. As informações são de que na zona rural, principalmente, muitas casas foram destelhadas e árvores arrancadas pela raiz impediram o tráfego de veículos ao longo da rodovia BR-364, sentido Presidente Médici.

Em Vilhena, o vento soprou a 14,0 m/s ou 50,4 km/h acompanhado de forte chuva na Zona Oeste da cidade. Na estação convencional da REDEMET (Rede de Meteorologia do Comando da Aeronáutica) instalada no aeroporto local, as rajadas não passaram de 16,7 km/h.

Entre Chupinguaia, Espigão d' Oeste, Pimenta Bueno, Primavera de Rondônia, Rolim de Moura, São Felipe d' Oeste, Castanheiras e Alvorada d' Oeste, rajadas intensas também provocaram danos, principalmente com queda de árvores e destelhamentos de construções na zona rural.

Nuvens cumulunimbus em azul escuro e rosa no mapa do CPTEC/INPE indicando forte desenvolvimento vertical no leste e sul de Rondônia.

A linha mais potente da tempestade atingiu Ministro Andreazza e Ji-Paraná, além de partes de Presidente Médici, Ouro Preto do Oeste e Jaru entre 14 e 15 horas, com rajadas intensas e muita poeira. Em Ji-Paraná, a estação convencional do SIVAM (Sistema de Vigilância da Amazônia) instalada próxima ao aeroporto local, registrou rajada máxima de vento de 29,6 m/s ou 106,5 km/h. Em quase toda a cidade de Ji-Paraná, o vento provocou danos, como queda de galhos na fiação elétrica, árvores arrancadas em alguns bairros e destelhamentos de casas, principalmente no Primeiro Distrito, região mais alta da cidade. O trânsito no perímetro urbano, que já é por demais congestionado em horário de pico, ficou totalmente paralisado na altura da Vila Jotão sentido Primeiro Distrito, com engarrafamento de mais de 3 km próximo a ponte do rio Machado.

Na região de Ariquemes, o vendaval derrubou árvores e destelhou pelo menos 15 casas nas cidades de Theobroma e Vale do Anari. Em Ariquemes, a estação automática do INMET reportou rajada máxima de 21,7 m/s ou 78,1 km/h.

Na capital, um novo vendaval atingiu a Zona Sul pouco antes das 17 horas (local - VEJA FOTOS ABAIXO). Na estação automática do INMET, o vento chegou a 13,5 m/s, o que equivale a 48,6 km/h. Em todas as cidades "varridas" pela tormenta, ainda não há informação de vitimas, segundo o Corpo de Bombeiros de cada localidade.

Chuva forte em Porto Velho  e vendaval no interior de Rondônia - Gente de Opinião

Chuva forte em Porto Velho  e vendaval no interior de Rondônia - Gente de Opinião

Chuva forte em Porto Velho  e vendaval no interior de Rondônia - Gente de Opinião

Fonte: De olho no tempo - Foto: Serginho/Gentedeopinião

Chuva forte em Porto Velho  e vendaval no interior de Rondônia - Gente de Opinião

Dados: CPTEC/INPE – INMET  
Corpo de Bombeiros/Ji-Paraná/Presidente Médici/Cacoal/Vilhena/Ariquemes 

Mais Sobre Meio Ambiente

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

O Sistema Cantareira, que abastece parte da capital paulista e da Região Metropolitana, estava com quase 60% da capacidade um ano antes da crise de 20

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Agentes reguladores estão avaliando a medida provisória

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Um grupo de 30 crianças da Fundação JiCred plantou mudas de ipê e flamboyant no Parque Ecológico Municipal. A ação foi realizada pelo Sistema Cooperat