Porto Velho (RO) quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Cheia deixa 12 mil desabrigados no Amazonas



Oito municípios do Amazonas estão em estado de emergência devido à cheia dos rios. Humaitá, Manicoré, Borba e Nova Olinda do Norte, na calha do rio Madeira e Guajará, Ipixuna, Eirunepé e Itamarati, na calha do rio Juruá são as cidades atingidas. Aproximadamente 12 mil famílias foram prejudicadas com a elevação do nível dos rios nestas áreas.

Para coordenar a assistência aos atingidos pelas cheias, equipes com três integrantes serão encaminhadas entre os dias 15 e 16 aos oito municípios incluídos no decreto de situação de emergência assinado pelo governador interino, deputado Belarmino Lins (PMDB). O grupo de apoio é composto por um representante da secretaria de Estado do Governo (Segov) e dois técnicos da Defesa Civil. O coordenador executivo da Defesa Civil do Amazonas, coronel Roberto Rocha, informou que o nível do Madeira está 24 metros acima do nível do mar. “Está próximo ao índice da cheia que entrou para a história como a maior deste rio, que foi de 24,39 metros em 1997”, afirmou.

Rio Benin na BolíviaA causa da cheia deste ano, segundo o coordenador da Defesa Civil, foi o aumento do volume das águas do rio Benin na Bolívia, que deixou mais de 50 cidades daquele país em estado de alerta. O rio boliviano transbordou e afetou o rio Mamoré, no município de Porto Velho, em Rondônia, com reflexos no rio Madeira. Segundo o coronel, o nível do rio já deveria estar diminuindo neste período, mas tem mantido o ritmo ascendente. “O problema maior é o fenômeno La Niña, que deveria ter enfraquecido entre janeiro e fevereiro, mas vai perdurar até maio devido ao resfriamento das águas do oceano Pacífico na zona Equatorial Leste”, explicou. No caso do Madeira, o aumento do volume do rio ocorreu de maneira gradual, mas no rio Juruá a cheia foi brusca, conforme classificou o coordenador. “A forte concentração de chuvas na calha do rio, que chegaram até cem milímetros, agregado ao fato do rio ser mais estreito e os igarapés menores nessa área, provocaram a cheia do Juruá”, explicou.

Fonte: Diário do Amazonas - Daniel Panobianco

Mais Sobre Meio Ambiente

Colaboradores do Sistema Fecomércio/RO participam da 4º etapa de implantação do Programa ECOS de Sustentabilidade

Colaboradores do Sistema Fecomércio/RO participam da 4º etapa de implantação do Programa ECOS de Sustentabilidade

Colaboradores do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac/IFPE, participaram no auditório da Federação durante dois dias, da 4° etapa da implantação do programa

Barragens de minérios: Onde estão as outras com alto potencial de estrago ou alto risco

Barragens de minérios: Onde estão as outras com alto potencial de estrago ou alto risco

O Brasil tem 790 barragens de rejeitos de minérios, e mais de 300 delas não foram classificadas em relação ao seu risco de rompimento e ao potencial d

Porto Velho: Prefeitura destrava recurso de compensação social para Aterro Sanitário

Porto Velho: Prefeitura destrava recurso de compensação social para Aterro Sanitário

Os R$ 4 milhões também servirão para elaborar o Plano Municipal de Saneamento Básico e o Plano de Gerenciamento de Resíduos SólidosMais uma vitória im

Brumadinho: Qualidade da água do rio Paraopeba é considerada ruim. Veja as imagens

Brumadinho: Qualidade da água do rio Paraopeba é considerada ruim. Veja as imagens

Ontem (31/01), a Fundação SOS Mata Atlântica deu início à Expedição Paraopeba, que irá percorrer 356 km deste rio, de Brumadinho à Hidroelétrica Retir