Porto Velho (RO) quinta-feira, 2 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Cheia deixa 12 mil desabrigados no Amazonas



Oito municípios do Amazonas estão em estado de emergência devido à cheia dos rios. Humaitá, Manicoré, Borba e Nova Olinda do Norte, na calha do rio Madeira e Guajará, Ipixuna, Eirunepé e Itamarati, na calha do rio Juruá são as cidades atingidas. Aproximadamente 12 mil famílias foram prejudicadas com a elevação do nível dos rios nestas áreas.

Para coordenar a assistência aos atingidos pelas cheias, equipes com três integrantes serão encaminhadas entre os dias 15 e 16 aos oito municípios incluídos no decreto de situação de emergência assinado pelo governador interino, deputado Belarmino Lins (PMDB). O grupo de apoio é composto por um representante da secretaria de Estado do Governo (Segov) e dois técnicos da Defesa Civil. O coordenador executivo da Defesa Civil do Amazonas, coronel Roberto Rocha, informou que o nível do Madeira está 24 metros acima do nível do mar. “Está próximo ao índice da cheia que entrou para a história como a maior deste rio, que foi de 24,39 metros em 1997”, afirmou.

Rio Benin na BolíviaA causa da cheia deste ano, segundo o coordenador da Defesa Civil, foi o aumento do volume das águas do rio Benin na Bolívia, que deixou mais de 50 cidades daquele país em estado de alerta. O rio boliviano transbordou e afetou o rio Mamoré, no município de Porto Velho, em Rondônia, com reflexos no rio Madeira. Segundo o coronel, o nível do rio já deveria estar diminuindo neste período, mas tem mantido o ritmo ascendente. “O problema maior é o fenômeno La Niña, que deveria ter enfraquecido entre janeiro e fevereiro, mas vai perdurar até maio devido ao resfriamento das águas do oceano Pacífico na zona Equatorial Leste”, explicou. No caso do Madeira, o aumento do volume do rio ocorreu de maneira gradual, mas no rio Juruá a cheia foi brusca, conforme classificou o coordenador. “A forte concentração de chuvas na calha do rio, que chegaram até cem milímetros, agregado ao fato do rio ser mais estreito e os igarapés menores nessa área, provocaram a cheia do Juruá”, explicou.

Fonte: Diário do Amazonas - Daniel Panobianco

Mais Sobre Meio Ambiente

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Sessenta Policiais Militares do Batalhão de Polícia Ambiental, de todo o Estado, participaram na manhã desta sexta-feira (28/2) da Oficina sobre