Porto Velho (RO) segunda-feira, 23 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

CESP na lista do Índice Carbono Eficiente da Bovespa


 
A Companhia Energética de São Paulo (CESP) é uma das 42 empresas que compõem a primeira lista do Índice Carbono Eficiente (ICO2), lançado pela BM&FBovespa e pelo Banco Nacional do Desenvolvimento (BNDES), dia 2 de dezembro.

Com o lançamento do índice, a BM&FBovespa e o BNDES pretendem monitorar o retorno das ações de acordo com o grau de eficiência da contabilização de emissão de gases de efeito estufa (GEE) das empresas. A expectativa é que as empresas se sintam incentivadas a mensurar, divulgar e gerir suas emissões, ampliando a transparência aos acionistas, ao mercado e à sociedade.

Compromisso com mudanças climáticas

A CESP tem se preparado para uma economia de baixo carbono e está adotando práticas transparentes em relação às suas emissões de GEE. Em 2007, a Companhia implantou o Programa de Mudanças Climáticas e Sequestro de Carbono e, além de contabilizar e divulgar as suas emissões em um inventário produzido anualmente, se comprometeu a reduzi-las de acordo com o Plano de Redução de Emissões.

Como a Companhia não emite gases de efeito estufa em seu principal negócio, que é a geração de energia, e sim, nas atividades auxiliares, o foco tem sido a mudança de atitude e a conscientização dos empregados. A substituição de combustíveis fósseis por álcool na frota de veículos e a redução do consumo de energia comprada de distribuidoras, que pode conter energia térmica, são algumas das medidas adotadas.

Os primeiros resultados já apareceram.Em 2009, a CESP registrou redução de 39% no consumo de combustíveis fósseis e de 5,4% no consumo de energia elétrica.

O Plano de Redução de Emissão de Gases de Efeito Estufa e Inventário de Gases de Efeito Estufa da CESP estão disponíveis no site da Empresa, www.cesp.com.br, em Meio Ambiente e, depois, Programa de Mudanças Climáticas

Como funciona o ICO2

Segundo informações da BM&FBovespa, o novo índice mede o retorno de uma carteira teórica constituída por ações de empresas do IBrX-50 (composto pelas 50 ações mais negociadas na Bolsa) que aderiram à iniciativa. O indicador é ponderado pelo free float (quantidade de ações que a Empresa deixa disponível no mercado) e pelo coeficiente de emissões de gases de efeito estufa (GEE) das empresas.

A carteira será revista quadrimestralmente com base no free float das empresas, e, anualmente – no mês de setembro – com base no coeficiente de emissão. Em breve, deve ser criado um fundo de investimentos do índíce para dar mais liquidez às ações das Empresas que compõe o ICO2.

Fonte: Cesp

 

Mais Sobre Meio Ambiente

Sistema Fecomércio participa do Lançamento do Amazônia + 21

Sistema Fecomércio participa do Lançamento do Amazônia + 21

O Presidente do Sistema Fecomércio/Sesc/Senac/IFPE e Vice-Presidente da CNC, Raniery Araujo Coelho esteve no Lançamento do Fórum Amazônia + 21, ocorri

Pesquisadores descobrem complexo arqueológico na Amazônia Central

Pesquisadores descobrem complexo arqueológico na Amazônia Central

As crônicas de Gaspar de Carvajal, padre espanhol que navegou pelo rio Amazonas no século 16, descrevem uma área repleta de aldeias indígenas. ”Enco

Não faz o dever de casa - Enquanto Macron luta pela Amazônia, políticas ambientais da França desapontam

Não faz o dever de casa - Enquanto Macron luta pela Amazônia, políticas ambientais da França desapontam

O presidente francês, Emmanuel Macron, recebeu elogios por colocar os incêndios florestais na Amazônia no topo da agenda global, mas em casa os defens

Mais de 50 técnicos do Estado participam de curso de Geotecnologias e Ferramentas de Gestão do Território do projeto Plantar

Mais de 50 técnicos do Estado participam de curso de Geotecnologias e Ferramentas de Gestão do Território do projeto Plantar

Foi concluído nesta sexta-feira, em Porto Velho, o curso de Geotecnologias e Ferramentas de Gestão do Território, voltado a técnicos da Empresa de Ass