Porto Velho (RO) segunda-feira, 6 de abril de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Cerca de 5 mil m³ de toras escondidas foram retiradas antes da ação policial da PF e Ibama


Os fiscais do Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama) não encontraram nem rastro de uma imensa carga de madeira que estava escondida além da margem esquerda do Rio Moju, a cerca de 30km do centro de Tailândia, no Pará, onde está sendo realizada a maior operação de repressão ao desmatamento da Amazônia. Quando o helicóptero do Ibama sobrevoou a área, os agentes perceberam que nada mais havia no local. Na semana passada, as autoridades do governo avaliaram que madeireiros tinham escondido no local pelo menos 5 mil m³, carga que encheria 250 caminhões.

A operação frustrada de apreensão da madeira perto do Rio Moju foi mais uma trapalhada do Ibama, que na operação Arco de Fogo tem atuado com muito amadorismo, na opinião de alguns policiais federais que participam da ação. Na segunda-feira, ao se dirigir à primeira madeireira que seria fiscalizada, os agentes do Ibama passaram pela DK Madeiras — o alvo planejado com semanas de antecedência — e foram bater na Madeireira Segredo, cerca de 500m à frente. Descoberto o erro, recuaram até a DK, na rodovia PA-150. Cada erro desses dá um grande trabalho à Polícia Federal e à Força Nacional de Segurança, que acompanham os agentes do Ibama. São obrigados a parar o trânsito, a manobrar seus carros e a guardar as armas.

A busca infrutífera atrás da madeira fez o Ibama e seus parceiros de operação perderem pelo menos duas horas e meia. Seguiram por uma estrada de terra até o rio, onde aguardaram por uma balsa. Lá, tiveram de impedir a passagem de motos, bicicletas e até de pedestres. Cerca de 30 minutos depois da chegada dos carros da PF e da Força Nacional, o helicóptero do Ibama fez alguns sobrevôos sobre a área. Em seguida, foi possível ouvir pelo rádio dos carros da Força Nacional: “Não há mais madeira. Vamos voltar para outra madeireira”.

Videocassetadas

Novas manobras foram feitas. Os veículos tiveram de subir uma rampa escorregadia e o comboio seguiu em frente, até encontrar a Madeflora, por volta das 11h30. Mas não havia ninguém responsável pela empresa. Houve nova espera, até que chegasse o gerente e a ele fossem pedidos os documentos. “Parece que estamos participando de uma gravação para as videocassetadas”, disse um policial federal, referindo-se a um quadro do programa Domingão do Faustão, da TV Globo.

Soma-se a tudo isso o pequeno número de agentes do Ibama na área. O instituto apresentou 24 e homologou poderes para que 10 funcionários da Secretaria do Meio Ambiente do Pará (Sema) também fizessem a fiscalização. Mas é tudo muito lento. O trabalho iniciado na segunda-feira na DK Madeiras continuou durante todo o dia de ontem. Pelos cálculos do coordenador da operação, Bruno Versiani, do Ibama, serão necessários pelo menos dois meses até que o trabalho de fiscalização das madeireiras termine só em Tailândia, que fica 235km ao sul de Belém.

Fonte: Correio Braziliense
foto:Foto Elcimar Neves Ag.Pa

Mais Sobre Meio Ambiente

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Sessenta Policiais Militares do Batalhão de Polícia Ambiental, de todo o Estado, participaram na manhã desta sexta-feira (28/2) da Oficina sobre