Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Calor bate recorde do ano em diversos municípios RO


Além da intensa poluição ocasionada pela fumaça das queimadas, temperaturas próximas de 40°C e a atmosfera extremamente seca, deram a sensação de desconforto em várias pessoas. O resultado foi uma quantidade absurda de gente amontoada em hospitais com problemas respiratórios e micoses.
Daniel Panobianco – Domingo de sol, tempo quente, seco e poluído em Rondônia. Uma combinação perfeita para muita gente sentir no corpo o grande desconforto térmico. Quem sentiu coceira, dor de cabeça, cansaço, além de dificuldade de respirar irritabilidade nos olhos, pode estar ciente de que a atual situação do tempo tem efeito de imediato no nosso organismo.
Mesmo proibidas por decreto judicial, as queimadas continuam a todo vapor em Rondônia. Somente entre sábado e domingo, mais de 300 focos foram detectados pelos onze satélites do CPTEC/INPE, sendo a maioria concentrados próximo ao rio Machado, em Machadinho d’ Oeste, em uma vasta área de desmate, não vista apenas pelos órgãos de fiscalização, pois todos sabem, mediante a tamanha tecnologia disponível, onde estão os focos existentes do momento.
A umidade relativa do ar chegou a 14% em Vilhena, segundo informações do aeroporto Brigadeiro Camarão. A OMS (Organização Mundial de Saúde) considera esse valor, entre 12% e 20%, como Estado de Alerta, devido aos riscos à saúde humana e animal. Vilhena também foi destaque não somente pelo tempo extremamente seco, digno de deserto, mas com pelo calor recorde, não registrado desde setembro de 2006. A máxima do dia foi registrada pouco depois das 15 horas, com 36,5°C também no aeroporto local. A maior temperatura já registrada em Vilhena é de setembro do ano passado, quando a mesma atingiu 37°C na cidade, considerada a com o melhor clima na Região Norte.
Em Porto Velho, o calor também foi latente, embora sem extremos. A máxima, também pouco depois das 15 horas chegou a 37°C no aeroporto Governador Jorge Teixeira, segundo dados de METAR e a 37,1°C na estação do INMET (Instituto Nacional de Meteorologia), localizada na Embrapa, Zona Sul da cidade. Os mesmos dados da plataforma do INMET apontaram para umidade relativa do ar de 24%, também colocando a capital de Rondônia em Estado de Atenção. A visibilidade nas primeiras horas do dia chegou marcar apenas 2000 metros, colocando em risco os meios de transporte.
Na região de Ji-Paraná, o calor chegou a 38°C, com umidade relativa do ar de 19% e visibilidade horizontal de 1600 metros.
Nesta semana, os dados das modelagens numéricas do CPTEC/INPE não apontam para mudança significativa do tempo em Rondônia. O sol deve continuar brilhando fosco entre a grossa camada de poluentes e os valores de umidade relativa do ar devem manter Rondônia, no mínimo, em Estado de Atenção. A partir de quinta-feira, a previsão é de instabilidades apenas no norte do Estado, onde pode chover nas imediações de Porto Velho.
Esse já é o ano mais seco já registrado em Rondônia, desde que as mediações começaram a ser feitas pelos centros de pesquisas. Dados: CPTEC/INPE – INMET – REDEMET
Fonte: De olho no tempo – Rondônia – www.deolhonotempo.com.br

 

Gente de OpiniãoTerça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

EcoCast: série especial discute os desafios e oportunidades do mercado de carbono no Brasil

EcoCast: série especial discute os desafios e oportunidades do mercado de carbono no Brasil

Você sabe o que são os famosos créditos de carbono? E como eles funcionam, você sabe? Na série especial “Carbono: desafios e oportunidades” recebemos

Inovação e Sustentabilidade em Rondônia: UNIR e Eletrogoes Avançam na Pesquisa Florestal

Inovação e Sustentabilidade em Rondônia: UNIR e Eletrogoes Avançam na Pesquisa Florestal

O Grupo de Pesquisa de Recuperação de Ecossistemas e Produção Florestal, coordenado pelas Dra. Kenia Michele de Quadros e Dra. Karen Janones da Roch

Pesquisa estuda folha da Amazônia para substituição do mercúrio na extração de ouro

Pesquisa estuda folha da Amazônia para substituição do mercúrio na extração de ouro

Pau-de-balsa é uma espécie florestal nativa da Amazônia e já é utilizada de forma artesanal na Colômbia para extração de ouro.Agora, cinco instituiçõ

Ibama define nova prioridade para enfrentar perdas na biodiversidade e a crise climática

Ibama define nova prioridade para enfrentar perdas na biodiversidade e a crise climática

Neste ano em que completa 35 anos, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) comemora o impacto do trabalho

Gente de Opinião Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)