Porto Velho (RO) domingo, 29 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Brasil registra 28 mortes causadas por raios este ano


Paloma Santos
Da Agência Brasil


Brasília - O Brasil já registra, apenas no ano de 2008, 28 mortes causadas por raios. O número é 64% maior que o registrado no mesmo período do ano passado.

Só esta semana, as descargas elétricas fizeram sete vítimas. Segundo o Instituto Nacional de Pesquisas Espaciais (Inpe), o aumento de raios no Brasil se deve ao fenômeno La Ninã, resfriamento das águas do Oceano Pacífico que altera a circulação dos ventos de forma global e favorece a formação de tempestades.

De acordo com a Rede Brasileira de Detecção Atmosférica do Inpe, entre julho de 2005 e 2007, as regiões onde mais caíram raios foram Rio Grande do Sul e São Paulo. A rede monitora as mudanças atmosféricas em 9 estados: São Paulo, Mato Grosso do Sul, Goiás, Espírito Santo, Minas Gerais, Paraná, Rio de Janeiro, Rio Grande do Sul e Santa Catarina.


Segundo o coordenador do Grupo de Eletricidade Atmosférica do Inpe, Osmar Pinto Júnior, o alto número de raios em São Paulo se deve a atividades humanas como poluição, construções e asfalto que criam “ilhas de calor” e, assim, aumentam a temperatura da atmosfera local e facilitam a formação de tempestades e raios.

Já no Rio Grande do Sul, as descargas são causadas pela proximidade com o norte da Argentina e do Paraguai, regiões com os maiores índices de tempestade da América do Sul. “Essas tempestades acabam, muitas vezes, migrando para dentro do Brasil, e isso explica a alta incidência de raios lá”, disse.

O coordenador conta que a média de raios no Brasil é de 50 milhões ao ano, e que a possibilidade de uma pessoa ser atingida por uma descarga é de uma em um milhão. Ele diz que a falta de informação é uma das principais causas de morte por raios. “As pessoas estão muito mais conscientes em relação aos perigos dos raios, mas ainda existe muita desinformação, e há outros que subestimam o perigo porque sabem que as chances são pequenas”.

O coordenador do Inpe lembra que algumas medidas preventivas - como evitar ficar em locais descampados ou dentro da água (mar, rios, etc.) e não andar descalço - podem ser adotadas durante as chuvas com trovões (raio associado ao som). Além disso, nas tempestades, é preferível estar dentro de residências, prédios ou veículo fechado.

“As pessoas têm que estar atentas e tomar os cuidados necessários. São 50 milhões de raios por ano e 180 milhões de pessoas. Então, com tanto raio e tanta gente, apesar de a probabilidade ser pequena, as mortes ocorrem bastante”, alerta.

Ainda de acordo com o coordenador, o aumento na incidência de raios deve continuar em todas as regiões brasileiras.

 

Mais Sobre Meio Ambiente

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Sessenta Policiais Militares do Batalhão de Polícia Ambiental, de todo o Estado, participaram na manhã desta sexta-feira (28/2) da Oficina sobre