Porto Velho (RO) sábado, 22 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

AQUECIMENTO GLOBAL: Campanha quer mudar hábitos de consumo


Ana Luiza Zenker
Agência Brasil


Brasília - Mudar hábitos de consumo para tentar barrar o aquecimento global. Essa é a proposta da campanha Mude o Consumo para não Mudar o Clima, lançada pelo Instituto Brasileiro de Defesa do Consumidor (Idec) e pelo Instituto Vitae Civilis na semana do Dia do Consumidor, comemorado no sábado (15).

A coordenadora da campanha, Liza Gumm, explica que se tem falado muito sobre mudanças climáticas e aquecimento global, mas que “o Idec sentiu falta de um passo a mais, de mostrar para o consumidor brasileiro a relação entre essas mudanças climáticas e os nossos hábitos de consumo”.

São três os objetivos da campanha. O primeiro é conscientizar a população. Um dos meios para isso é uma calculadora, disponível na página eletrônica da campanha e que faz uma estimativa de quanto gás carbônico é emitido pelos hábitos de consumo de uma pessoa. Além disso, a página também traz formas de reduzir a emissão de gás carbônico, um dos principais causadores do efeito estufa.

O segundo objetivo é fazer com que o consumidor seja um consumidor-cidadão e "pressione o poder público para que políticas públicas sejam implementadas nos diversos setores, para permitir a mudança nos padrões de produção e consumo”, de acordo com Liza Gumm. Entre as políticas, a coordenadora sugere as que incentivem o transporte público, a produção de carros e de eletroeletrônicos mais eficientes, e o combustível limpo.

Para pressionar o governo federal, estão sendo colhidas assinaturas para um abaixo-assinado. Também está disponível na página da campanha na internet o serviço de envio de mensagens eletrônicas a autoridades governamentais.

O terceiro objetivo é pressionar as empresas. O foco da campanha este ano são os supermercados e o consumo de carne. Segundo Liza Gumm, o motivo é que uma das principais fontes de gás carbônico são o desmatamento e as queimadas, geralmente destinados à expansão da fronteira agrícola e da pecuária. “O consumidor, sem querer, ao consumir produtos agrícolas e carne pode estar sendo cúmplice nesse desmatamento e nessa queimada”, ressalta.

A coordenadora da campanha afirma que os consumidores precisam pressionar as empresas para que elas exijam dos seus fornecedores a rastreabilidade da carne, a fim de evitar que o produto venha de propriedades que desmatam. Para isso, o cidadão pode baixar cartões postais da página da campanha na internet para entregá-los ou enviá-los a supermercados.

A campanha foi lançado na última segunda-feira (10) e deve ficar no ar durante “alguns meses”, segundo a coordenadora. O abaixo-assinado recebe adesões até 5 de junho, Dia do Meio Ambiente.


 

Mais Sobre Meio Ambiente

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

O Sistema Cantareira, que abastece parte da capital paulista e da Região Metropolitana, estava com quase 60% da capacidade um ano antes da crise de 20

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Agentes reguladores estão avaliando a medida provisória

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Um grupo de 30 crianças da Fundação JiCred plantou mudas de ipê e flamboyant no Parque Ecológico Municipal. A ação foi realizada pelo Sistema Cooperat