Porto Velho (RO) sábado, 22 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

AMIGOS DA TERRA: Nenhuma surpresa, desmatamento é problema estrutural


O diretor de Amigos da Terra - Amazônia Brasileira, Roberto Smeraldi, comentou hoje a divulgação dos dados parciais do sistema DETER do INPE a respeito do desmatamento entre agosto e dezembro de 2007.  Os dados registraram a conversão de mais de 3.500 kmq de floresta no período, com picos incomuns nos meses de novembro e dezembro, quando normalmente o desmatamento cai por conta da época de chuva.  O governo estima que o desmatamento real tenha atingido os 7 mil kmq nesses cinco meses.
 
"Isso só é surpresa para quem possivelmente acreditasse em Papai Noel e, ainda, não tivesse lido nossas análises desde agosto passado, quando alguns comemoravam" - comenta o ambientalista ao site amazonia.  "Aliás, nem é o caso agora de dramatizar.  Simplesmente acabou, como bem se sabia, o estoque de terras desmatadas sobrando da overdose de 2002-04, os preços retomaram e o desmatamento volta a seu patamar normal.  Nosso estudo da pecuária já mostrou a queda do rebanho em 2006 e a explosão no abate em 2007.  Por sinal, com uma capacidade industrial instalada para quase 12 milhões de abates/ano e um preço da arroba que pode beirar os R$ 90 ao longo do ano, a situação não vai melhorar".  O estudo em questão, O Reino do Gado, mostrou uma expansão sem precedentes da atividade na Amazônia, e levou na semana passada o ministro Stephanes, da Agricultura, a reconhecer a omissão de sua pasta nos programas de uso de áreas alteradas.

Mas há de qualquer forma alguma mudança, reconhece o ambientalista.  "A única verdadeira novidade é Rondônia: até julho de 2007, seu desmatamento era um quarto daquele do Pará, enquanto agora chegou ao mesmo nível do Pará, um estado cinco vezes maior.  Isso é o resultado da explosão da especulação sobre terra a partir de julho de 2007, quando foram licenciadas as usinas do Madeira sem sequer estudar seus impactos no desmatamento e a questão fundiária.  No resto, é apenas a retomada do padrão normal."
 
O presidente Lula convocou uma reunião emergencial e se discute quais seriam as medidas mais adequadas.  "Como sempre - comenta Smeraldi - é preciso lembrar que a ação principal que o governo pode fazer não é parar o desmatamento, algo que está fora de seu alcance, e sim parar de estimular o desmatamento - com crédito, infra-estrutura, assentamentos, oferta de terra e impunidade - o que seria sim ao seu alcance.  Mas é desde 1994 que lembramos, todo ano, que a ação não deve ser emergencial, e sim estrutural, porque isso não é como a venda de dólar pelo Banco Central, não adianta agir conjunturalmente.  Aliás não precisa sequer fazer jogo de cena com supostas emergências, pois todos sabiam desta situação há meses e conheciam esses dados há pelo menos dez dias."


Confira a tabela com a área por Estados de desmatamento detectada pelo DETER no período de agosto a dezembro de 2007 (em km²):
 

Gente de Opinião

Fonte: Amazonia.org.br

Mais Sobre Meio Ambiente

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

SP corre risco de enfrentar crise hídrica mais grave que a de 2014

O Sistema Cantareira, que abastece parte da capital paulista e da Região Metropolitana, estava com quase 60% da capacidade um ano antes da crise de 20

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Novo marco legal do saneamento gera polêmica no setor

Agentes reguladores estão avaliando a medida provisória

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Parque Ecológico Municipal recebe plantio de Ipê e Flamboyant

Um grupo de 30 crianças da Fundação JiCred plantou mudas de ipê e flamboyant no Parque Ecológico Municipal. A ação foi realizada pelo Sistema Cooperat