Porto Velho (RO) domingo, 29 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

AMIGOS DA TERRA: Nenhuma surpresa, desmatamento é problema estrutural


O diretor de Amigos da Terra - Amazônia Brasileira, Roberto Smeraldi, comentou hoje a divulgação dos dados parciais do sistema DETER do INPE a respeito do desmatamento entre agosto e dezembro de 2007.  Os dados registraram a conversão de mais de 3.500 kmq de floresta no período, com picos incomuns nos meses de novembro e dezembro, quando normalmente o desmatamento cai por conta da época de chuva.  O governo estima que o desmatamento real tenha atingido os 7 mil kmq nesses cinco meses.
 
"Isso só é surpresa para quem possivelmente acreditasse em Papai Noel e, ainda, não tivesse lido nossas análises desde agosto passado, quando alguns comemoravam" - comenta o ambientalista ao site amazonia.  "Aliás, nem é o caso agora de dramatizar.  Simplesmente acabou, como bem se sabia, o estoque de terras desmatadas sobrando da overdose de 2002-04, os preços retomaram e o desmatamento volta a seu patamar normal.  Nosso estudo da pecuária já mostrou a queda do rebanho em 2006 e a explosão no abate em 2007.  Por sinal, com uma capacidade industrial instalada para quase 12 milhões de abates/ano e um preço da arroba que pode beirar os R$ 90 ao longo do ano, a situação não vai melhorar".  O estudo em questão, O Reino do Gado, mostrou uma expansão sem precedentes da atividade na Amazônia, e levou na semana passada o ministro Stephanes, da Agricultura, a reconhecer a omissão de sua pasta nos programas de uso de áreas alteradas.

Mas há de qualquer forma alguma mudança, reconhece o ambientalista.  "A única verdadeira novidade é Rondônia: até julho de 2007, seu desmatamento era um quarto daquele do Pará, enquanto agora chegou ao mesmo nível do Pará, um estado cinco vezes maior.  Isso é o resultado da explosão da especulação sobre terra a partir de julho de 2007, quando foram licenciadas as usinas do Madeira sem sequer estudar seus impactos no desmatamento e a questão fundiária.  No resto, é apenas a retomada do padrão normal."
 
O presidente Lula convocou uma reunião emergencial e se discute quais seriam as medidas mais adequadas.  "Como sempre - comenta Smeraldi - é preciso lembrar que a ação principal que o governo pode fazer não é parar o desmatamento, algo que está fora de seu alcance, e sim parar de estimular o desmatamento - com crédito, infra-estrutura, assentamentos, oferta de terra e impunidade - o que seria sim ao seu alcance.  Mas é desde 1994 que lembramos, todo ano, que a ação não deve ser emergencial, e sim estrutural, porque isso não é como a venda de dólar pelo Banco Central, não adianta agir conjunturalmente.  Aliás não precisa sequer fazer jogo de cena com supostas emergências, pois todos sabiam desta situação há meses e conheciam esses dados há pelo menos dez dias."


Confira a tabela com a área por Estados de desmatamento detectada pelo DETER no período de agosto a dezembro de 2007 (em km²):
 

Gente de Opinião

Fonte: Amazonia.org.br

Mais Sobre Meio Ambiente

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Sessenta Policiais Militares do Batalhão de Polícia Ambiental, de todo o Estado, participaram na manhã desta sexta-feira (28/2) da Oficina sobre