Porto Velho (RO) segunda-feira, 30 de março de 2020
×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

Amazônia não é fronteira agrícola, diz Mangabeira



O ministro extraordinário de Assuntos Estratégicos, Roberto Mangabeira Unger, afirmou ontem ser possível "ajustar" as áreas de reserva legal na Amazônia a partir da adoção de zoneamentos ecológico-econômicos estaduais. "Podemos ajustar a reserva legal até 50% dentro do interesse geral, de um contexto sistêmico", afirmou Mangabeira, depois da primeira reunião de ministros do grupo executivo do Plano Amazônia Sustentável (PAS). "Com os zoneamentos existentes, é possível ajustar. Esse é o entendimento no Acre, que é um Estado exemplar", afirmou o ministro

 Diante da questão polêmica, que divide os lobbies no Congresso Nacional, o ministro fez questão de ressalvar que o governo não tratará a Amazônia como uma fronteira agrícola. "Não vamos ceder à intimidação. Mas não haverá preconceito", afirmou. "Não vamos permitir que a Amazônia seja tratada como fronteira agrícola. O governo brasileiro não a encara dessa forma", disse. 

O Congresso avalia um projeto de lei que permite a compensação da área de reserva legal abaixo de 80% com a plantação de espécies destinadas à produção de biodiesel, como o dendê. As organizações não-governamentais (ONGs) ambientalistas são contrárias a qualquer alteração nesse percentual mínimo de preservação das propriedades da Amazônia. Mas a bancada ruralista do Congresso insiste na redução da área por considerá-la um engessamento para o desenvolvimento da região. 

Ao comentar a possibilidade do avanço da cana-de-açúcar na Amazônia, Mangabeira afirmou que não descarta a possibilidade do cultivo para a produção de biocombustível na região de Cerrado ou de transição com a floresta amazônica. "Não podemos demonizar a cana-de-açúcar, mas é algo que precisa ser feito com muito cuidado e que está sendo estudado pelo governo. Há uma grande preocupação com a cana. Nesse momento, o governo não pode abrir mão da proibição legal", afirmou o ministro. O governo deve publicar um zoneamento para a cultura com proibição de plantação em área de floresta. 

Depois de se reunir ontem com cinco ministros em seu gabinete, Mangabeira disse que o Plano Amazônia Sustentável será implementado em microrregiões a serem definidas pelos nove governadores dos Estados da Amazônia Legal, inclusive Mato Grosso. 

O ministro anunciou algumas medidas em estudo para colocar em prática o PAS. Uma delas seria a participação do Exército no trabalho de regularização fundiária da região. "Precisamos fortalecer o Incra e seus agentes. E também usar o Exército no trabalho de regularização fundiária. Os militares hoje atuam em várias atividades e podem ajudar nesse trabalho", afirmou Mangabeira. 

O ministro disse que a legalização das terras amazônicas será a principal prioridade do Plano Amazônia Sustentável. Mangabeira disse haver consenso de que a região só superará o "caldeirão de insegurança jurídica" quando houver a regularização fundiária. Ele anunciou também que a legislação sobre a propriedade na região será simplificada para facilitar aos produtores a "propriedade plena" das fazendas. Mangabeira insistiu na idéia da criação de escolas técnicas e profissionalizantes para complementar o auxílio à formação da população da região. 

O ministro Mangabeira Unger afirmou, ainda, que a reunião de coordenação do Plano Amazônia Sustentável decidiu sobre a necessidade de pagar um incentivo financeiro para pequenos agricultores e extrativistas explorarem os produtos da floresta e ajudarem na preservação do meio ambiente. "Seria uma forma de compensar, um mecanismo de remunerar, em troca de obrigações e prestação de conta", afirmou Mangabeira. 

Os temas do Plano Amazônia Sustentável foram discutidos em reunião com os ministros da Defesa, Nelson Jobim, do Meio Ambiente, Carlos Minc, de Minas e Energia, Edison Lobão, do Desenvolvimento Agrário, Guilherme Cassel, e da Agricultura, Reinhold Stephanes, além de representantes da Casa Civil e do Ministério da Justiça. 

Fonte: Mauro Zanatta / Jornal Valor Econômico
Foto: Agência Brasil

Mais Sobre Meio Ambiente

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Acordo de R$ 2,7 milhões na Justiça do Trabalho viabilizará projetos sustentáveis em Presidente Médici/RO

Um acordo no valor de R$ 2,7 milhões homologado pela Justiça do Trabalho em Ji-Paraná/RO beneficiará projetos sustentáveis que visam o tratamento e re

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

Rio Madeira ultrapassa os 15 metros, dois a menos que em 2019, afirma Defesa Civil

O rio Madeira atingiu na segunda-feira (9) a cota de 15,24 metros, um pouco acima da média (15 metros), mas longe de uma enchente como a registrada em

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

Prefeitura de Porto Velho alinha medidas para a realização do Amazônia + 21

O prefeito Hildon Chaves se reuniu no Prédio do Relógio (sede do poder executivo) na manhã desta segunda-feira (09), acompanhado do secretário adjunto

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Policiais Militares do Batalhão Ambiental participam de oficina sobre Crimes Ambientais de Menor Potencial Ofensivo

Sessenta Policiais Militares do Batalhão de Polícia Ambiental, de todo o Estado, participaram na manhã desta sexta-feira (28/2) da Oficina sobre