Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Meio Ambiente

ACRE: Pesquisadores alertam para destruição de geoglifos


Verônica Soares
Da Rádio Nacional da Amazônia

Pesquisadores de duas universidades da Amazônia alertam para a destruição dos geoglifos – desenhos geométricos no solo com até 4,5 metros de profundidade e uma área de até 200 metros, feitos por civilizações que viveram há 800 a 2,5 mil anos na região onde hoje fica o estado do Acre.

Os desenhos só podem ser vistos totalmente do alto e são encontrados também na região andina do Chile, do Peru e da Bolívia. No Brasil, há registros em mais dois estados: Amazonas e Rondônia. O primeiro deles foi descoberto no Acre, em 1977, e segundo o professor Alceu Ranzi, da Universidade Federal no estado, os desenhos ficam geralmente em propriedades particulares ou à margem de rodovias, como a BR-364 e a BR 317. 

"Os geoglifos estão sendo destruídos por desconhecimento, por não haver informação de que no local onde se vai fazer uma obra de infra-estrutura existe esse sítio arqueológico", disse o professor, para quem a falta de estudos anteriores à realização das obras "coloca em risco um patrimônio brasileiro protegido por lei".

Para preservar os geoglifos, o Instituto Nacional do Patrimônio Histórico Artístico Nacional (Iphan), em parceria com a Universidade Federal do Pará e a Universidade Federal do Acre, está fazendo um mapeamento dessas figuras. Segundo o chefe da sub-regional do Iphan no Acre, Fernando Figalli, "quando tivermos esses estudos prontos, de identificação e de mapeamento, poderemos ter certeza de onde ficam os sítios e, assim, informar não apenas a sociedade mas principalmente as instituições governamentais".

Ao final do estudo, acrescentou, deverá ser proposto o tombamento de algumas dessas estruturas, inclusive com solicitação posterior à Organização das Nações Unidas para Educação, a Ciência e a Cultura (Unesco) para exame e possível declaração como patrimônio da humanidade. 
 

Gente de OpiniãoTerça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

EcoCast: série especial discute os desafios e oportunidades do mercado de carbono no Brasil

EcoCast: série especial discute os desafios e oportunidades do mercado de carbono no Brasil

Você sabe o que são os famosos créditos de carbono? E como eles funcionam, você sabe? Na série especial “Carbono: desafios e oportunidades” recebemos

Inovação e Sustentabilidade em Rondônia: UNIR e Eletrogoes Avançam na Pesquisa Florestal

Inovação e Sustentabilidade em Rondônia: UNIR e Eletrogoes Avançam na Pesquisa Florestal

O Grupo de Pesquisa de Recuperação de Ecossistemas e Produção Florestal, coordenado pelas Dra. Kenia Michele de Quadros e Dra. Karen Janones da Roch

Pesquisa estuda folha da Amazônia para substituição do mercúrio na extração de ouro

Pesquisa estuda folha da Amazônia para substituição do mercúrio na extração de ouro

Pau-de-balsa é uma espécie florestal nativa da Amazônia e já é utilizada de forma artesanal na Colômbia para extração de ouro.Agora, cinco instituiçõ

Ibama define nova prioridade para enfrentar perdas na biodiversidade e a crise climática

Ibama define nova prioridade para enfrentar perdas na biodiversidade e a crise climática

Neste ano em que completa 35 anos, o Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama) comemora o impacto do trabalho

Gente de Opinião Terça-feira, 23 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)