Porto Velho (RO) sábado, 16 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Superintendência do Trabalho consegue estabelecer diálogo entre trabalhadores e Camargo Correia




A Superintendência Regional do Trabalho e Emprego em Rondônia, por meio do seu titular, Rodrigo Melo Nogueira, convocou reunião para analisar e propor ações exeqüíveis, de imediato, para minorar o problema surgido com o conflito ocorrido na construção da Usina de Jirau, no Rio Madeira, em Porto Velho- RO.
 

Participaram da reunião a Procuradoria Regional do Trabalho da 14ª Região, o Tribunal Regional do Trabalho – 14ª Região, Ministério Público Federal, Central Única dos Trabalhadores –CUT, Sindicato dos Trabalhadores da Construção Civil no Estado de Rondônia/STICCERO, Força Sindical, Federação Interestadual dos Superintendência do Trabalho consegue estabelecer diálogo entre trabalhadores e Camargo Correia - Gente de OpiniãoTrabalhadores nas Indústrias nos Estados de Rondônia e do Acre – FITRAC, Consórcio Energia Sustentável e a Empresa Camargo Correa. Participaram também o deputado federal Padre Tom (PT) e o vice-Presidente da Assembléia Legislativa do Estado de Rondônia, deputado Hermínio Coelho (PT).
 

No início da reunião, Rodrigo Nogueira, informou que tinha mantido contado com o Ministro do Trabalho, Carlos Lupi, que lhe pediu um relatório dos fatos ocorridos na Usina de Jirau e quais as medidas que a Superintendência do Trabalho em Rondônia estava tomando para contribuir com a solução do problema, sendo esse, um dos motivos para a realização da reunião. Outro motivo é que foi detectado pelo setor da Superintendência responsável pelas relações do Trabalho, que tem na chefia Maria Alzinete de Jesus e Silva, que até o momento não estava havendo interlocução,diálogo, entre a empresa responsável da obra e as entidades sindicais das categorias dos trabalhadores.
 

O Chefe da Seção de Fiscalização da Superintendência do Trabalho-RO, auditor fiscal Wilmo Alves, dando inicio aos questionamentos a empresa Camargo Correia, manifestou sua preocupação - em relação a rebelião ocorrida na obra da Usina de Jirau e a transferência dos trabalhadores para alojamentos improvisados na cidade de Porto Velho – com o seguinte: Os funcionários do Setor de Saúde e Segurança do Trabalhador da Empresa Camargo Correia foram dispensados? Qual a real situação dos trabalhadores? Foram demitidos? Como fica o trabalhador em seu retorno para casa? O que a Empresa está fazendo com relação a acomodação desses trabalhadores?
 

As entidades representativas dos trabalhadores, por meio de seus dirigentes, fizeram denúncias quanto o desrespeito aos operários, bem como, elencaram outras preocupação em relações o cumprimento dos direitos trabalhistas principalmente quanto as condições de trabalho e qual o tempo para que esses trabalhadores voltem ao trabalho.
 

Os representantes da empresa Camargo Correia fizeram a explanação de como estavam analisando a situação e assumiram que muitas das reivindicações e direitos solicitados no momento realmente não estavam sendo cumpridos devido a situação atípica. “ Trabalho há mais de 30 anos na Camargo Correia e nunca vi nada parecido com que aconteceu na obra da Usina de Jirau”, disse Antônio Martins Verdério, gerente de Relações do Trabalho da empresa Camargo Correia.
 

O representante da Camargo Correa informou que os trabalhadores estão sendo assistidos e que a Empresa está fazendo a triagem dos mesmos, inclusive disponibilizando um telefone 0800 para contato, além de ter fornecido aos mesmos, transporte, alimentação e alojamento enquanto perdurar esse afastamento temporário. Os que estão voltando para suas cidades, é provável que sejam licenciados, não soube informar precisamente, e que essa situação é de emergência dado o expressivo número de trabalhadores envolvidos e que está buscando fornecer um mínimo de condições para os trabalhadores, afirmou que não está havendo demissão de trabalhadores.
 

Diante do quadro posto e analisado pelas partes - empreiteira e entidades sindicais – ficou acordado que a empresa Camargo Correia, de forma imediata, começará a dar condições dignas de hospedagens aos operários e trabalhar para atender os outros pontos reivindicados pelas entidades sindicais e outros exigidos pela fiscalização da Superintendência do Trabalho – RO, ficando acordado também entre as partes, nova reunião para a próxima segunda-feira ( 21) , às 15 horas, mediada pelo Ministério do Trabalho.
 

“A Superintendência do Trabalho acredita ter cumprido seu papel, principalmente porque conseguimos estabelecer a conversação e o diálogo entre as entidades representativas dos trabalhadores e os representantes da empresa responsável pela obra da usina de Jirau. Ficamos satisfeitos com esse resultado, tanto que os representantes da empresa e das entidades sindicais classificaram a reunião de “ótima”. Daqui pra frente vamos continuar mediando essas conversações bem como, por meio da fiscalização, cobrar o cumprimento dos direitos dos trabalhadores mesmo nessa situação atípica, mas, tendo sempre a prudência e a coerência nas ações que o momento nos exige”, disse Rodrigo Nogueira.

Fonte: Superintendência do Trabalho e Emprego – RO
 

 

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A