Porto Velho (RO) quarta-feira, 19 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Seca na Amazônia ajuda a acelerar as obras da usina hidroelétrica de Jirau


SÃO PAULO - A estiagem pela qual passa a Amazônia está favorecendo o ritmo das obras da hidroelétrica de Jirau. Com o nível do rio Madeira abaixo da média para o período, a Energia Sustentável do Brasil (ESBR), empresa que arrematou a usina em leilão de 2008, afirmou que esse fator tem favorecido o desenvolvimento dos trabalhos na atual fase, que passa justamente pela grande movimentação de terras. Segundo o cronograma da empresa, até o final do ano as obras chegarão a 45% do total; o índice de conclusão atual é de 25%.

Com isso, a ESBR reafirmou que o início da geração está previsto para março de 2012 com o funcionamento das duas primeiras turbinas. A meta é de que até dezembro do mesmo ano a nova hidroelétrica já tenha 2,045 mil MW de energia assegurada. Essa previsão antecipa o cronograma inicial apresentado à Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) que previa início da operação em janeiro de 2013.

A Energia Sustentável do Brasil também reafirmou a intenção em aumentar em seis o número de turbinas (de 44 para 50), o que passaria a potência instalada de 3.300 MW para 3.750 MW.

Já a Santo Antônio Energia, responsável pela outra hidroelétrica do Madeira, a de Santo Antônio afirmou que as obras seguem a antecipação planejada e que no atual estágio da obra as condições climáticas da região não interferem no ritmo. A antecipação do início da geração de energia, levado de maio de 2012 para dezembro de 2011, é o resultado deum investimento adicional de R$ 150 milhões da concessionária, destacou a empresa.

Proposta

A Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (Abrace) afirmou que apresentará aos principais candidatos à Presidência da República propostas para otimizar o setor de energia. Segundo documento divulgado, a entidade aponta seis pontos como prioritários para o setor.

Entre eles estão a reversão das distorções dos encargos setoriais, que o próximo governo vete as propostas de postergação da validade de encargos existentes, bem como impeça o uso das tarifas de energia como fonte de financiamento de programas cujos custos deveriam ser pagos pelo Tesouro.

A entidade defende ainda a definição quanto ao destino das concessões de energia de modo a favorecer a modicidade tarifária, a desoneração de investimentos em geração de energia elétrica e a regulamentação da Lei do Gás, com a definição das normas complementares e instruções necessárias à sua efetiva implementação, tendo como foco o aumento da sua competitividade.

A estiagem na Amazônia ajudou o ritmo das obras da hidroelétrica de Jirau. Até o final do ano, as obras chegarão a 45% do total.

Fonte: DCI/MAURÍCIO GODOI
 

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Coopprojirau e Observatório ambiental visitam UHE Jirau

Coopprojirau e Observatório ambiental visitam UHE Jirau

A Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE) Jirau, mantém uma agenda de visitas institucionais que inclui os pr

Estudantes de engenharia visitam UHE Jirau

Estudantes de engenharia visitam UHE Jirau

Universitários conheceram algumas estruturas do empreendimento

Obras do Linhão de Machadinho e Buritis serão licitadas em Outubro

Obras do Linhão de Machadinho e Buritis serão licitadas em Outubro

Com o objetivo de conectar as cidades abastecidas de energia elétrica por usinas térmicas ao Sistema Interligado Nacional, a Eletrobras Distribuição R

Linhão vai interligar o Amazonas com as usinas de Rondônia e Pará

Linhão vai interligar o Amazonas com as usinas de Rondônia e Pará

As interligações previstas são as seguintes: a da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, no Pará, com Parintins; a das usinas de Jirau e Santo Antônio, em Ron