Porto Velho (RO) sexta-feira, 20 de maio de 2022
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Santo Antônio Energia anuncia certificação para gerar créditos de carbono


 Santo Antônio Energia anuncia certificação para gerar créditos de carbono - Gente de Opinião

A Santo Antônio Energia, empresa responsável pela implantação e operação da Hidrelétrica Santo Antônio, localizada no rio Madeira a sete quilômetros de Porto Velho (RO), anunciou a obtenção do registro na ONU para participar do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo (MDL). A autorização possibilita a comercialização de cerca de 20 milhões de toneladas de créditos de carbono nos próximos cinco anos.

Com o aval da ONU, a Hidrelétrica Santo Antônio passa a ser primeira usina de grande porte e em operação comercial no Brasil a gerar efetivamente créditos de carbono para o mercado global. De acordo com a metodologia do MDL, o volume de créditos equivale à quantidade de gases de efeito estufa não emitida na atmosfera, ampliando a oferta de energia gerada de fonte limpa e renovável.

“A Hidrelétrica Santo Antônio foi projetada para alcançar o aproveitamento ótimo com o mínimo impacto socioambiental. O certificado da ONU comprova que estamos quebrando um paradigma, demonstrando que é possível aproveitar o potencial da Amazônia com responsabilidade e trazendo desenvolvimento para a região Norte, para o setor elétrico e para o País”, orgulha-se Eduardo de Melo Pinto, presidente da Santo Antônio Energia.

A Hidrelétrica Santo Antônio produz 8,5 megawatt por km²de reservatório, que é o dobro da eficiência energética mínima para gerar créditos de carbono. Com o uso da turbina bulbo, que gera energia utilizando a vazão do rio, dispensando a formação de um grande reservatório.

Governo parabeniza

Para o secretário adjunto da Secretaria de Planejamento Energético, do Ministério das Minas e Energia, Moacir Carlos Bertol, disse que a Hidrelétrica Santo Antônio é um marco importante para o Brasil, no sentido da segurança energética, honrando a outorga da concessão para construção da usina, antecipando o projeto de geração. “Este evento de anúncio do reconhecimento pela ONU, do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo com o Crédito de Carbono, insere a Usina Santo Antônio em um contexto global, como uma usina sustentável, com uma energia limpa e renovável, que é a hidroeletricidade”.

Já a representante do BNDES, Márcia Leal, chefe do Departamento de Energia Elétrica do banco de fomento, destacou que a certificação do MDL é importante, “não só para o empreendimento, para o projeto, mas é mais importante é para o país, para o setor elétrico brasileiro, o reconhecimento internacional não é simples, não foi simples para a empresa conseguir certificar um projeto deste porte, com esse diferencial, é importante para o setor elétrico brasileiro e para quem quer continuar investindo, como é o caso dos acionistas aqui presentes. No banco nós acompanhamos este projeto implantado há cinco anos e vê que vem sendo implementado da melhor forma possível”.

O consultor Carlos Spaca descreveu como foi todo o processo para se chegar à certificação da ONU, onde toda documentação sido colocada pública para comentários na página das Nações Unidas foi exposta ao público internacional, tendo recebido muitas críticas e comentários muito sérios, mas que todas as opiniões foram devidamente esclarecidas, mostrando que o projeto não só cumpria as regras exclusivas do Mecanismo de Desenvolvimento Limpo, mas também condições de desenvolvimento sustentável, nas partes social, ambiental, como também econômica.

“Isso foi demonstrado, levando o Alto Comissariado da ONU, após cumprir todo o processo de revisão, fomos informados, em julho de 2013, que o projeto foi registrado no MDL, sem nenhuma ressalva. Não é por que um projeto é grande, não é porque um projeto é feito na Amazônia, que ele não possa ser feito de uma maneira sustentável. A Santo Antônio Energia está demonstrando isso com essa qualificação MDL”, afirmou Spaca.

Falando em nome da ministra do Planejamento, Mirian Belchior, o diretor do Departamento de Energia Elétrica do PAC, Celso Knijnik, destacou que a Hidrelétrica Santo Antônio é o primeiro dos empreendimentos desta nova fase que o Governo Federal está realizando na Amazônia. “Para a gente, que acompanhou todo o processo desde o licenciamento, o leilão, é um prazer chegar neste momento em que o empreendimento é reconhecido como uma empresa de geração limpa e renovável, e que apesar de todas as dificuldades, nós sabemos que temos capacidade enfrentar, numa parceria do Governo com as empresa privadas, sabemos que temos capacidade, além de gerar esta energia que é fundamental para o bem do país, ainda leva desenvolvimento sustentável para a região”.

Estiveram presentes ao evento do Santo Antônio Energia, o senador Ivo Cassol; deputados federais Carlos Magno e Marinha Raupp e o deputado estadual Kaká Mendonça, representando a Assembleia Legislativa. Representando o governador Confúcio Moura, compareceu a assessora especial Márcia Aurora. Também representantes da Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel), Agência Nacional de Águas (ANA) IBAMA, além de diretores e técnicos da Santo Antônio Energia, Odebrecht Energia, Furnas, Cemig, Andrade Gutierrez, Caixa FIP e consultores.

Créditos de carbono

O mercado da venda de créditos de carbono surgiu a partir do Protocolo de Kyoto, quando o Japão e os países da Europa se comprometeram a diminuir a quantidade de gases de efeito estufa emitidos na atmosfera. Com isso, empresas desses países podem comprar até 10% do que deveriam reduzir em créditos de carbono e empresas que reduzem a emissão de gases do efeito estufa (GEE) recebem a autorização para negociar os créditos no mercado internacional.

Santo Antônio Energia

É a concessionária responsável pela implantação e operação da Hidrelétrica Santo Antônio, localizada no Rio Madeira, em Porto Velho, Rondônia, e pela comercialização da energia gerada. A usina iniciou a geração comercial em 30 de março de 2012, nove meses antes do cronograma original e, a partir de novembro de 2016, com potência de 3.568 megawatts, gerará energia suficiente para abastecer o consumo de mais de 44 milhões de pessoas. O projeto é financiado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Os acionistas da Santo Antônio Energia são as empresas Furnas (39%), Odebrecht Energia (18,6%), Andrade Gutierrez (12,4%), Cemig (10%) e o Caixa FIP Amazônia Energia (20%), empresas com grande experiência na gestão de investimento, bem como na implantação e construção de hidrelétricas no Brasil e em outro países.


Fonte: José Carlos Sá

 

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A