Porto Velho (RO) sábado, 22 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Primavera é recebida com experimento que mostra o caminho do Sol na Amazônia


 
Amanda Mota 
Agência Brasil
 

Pesquisadores do Museu da Amazônia realizaram hoje (22), exatamente ao meio-dia, o estudo Experiência do Equinócio com estudantes de uma escola estadual de Manaus e da Vila do Equador, que fica no município de Rorainópolis, Roraima.

O objetivo foi mostrar que o caminho percorrido pelo Sol, em relação à Terra, ao longo do ano, é percebido de forma diferente, e que entender isso pode ajudar a compreender porque no Brasil, por exemplo, existem tantas variações de clima e temperatura em localidades diferentes em uma mesma época do ano.

Hoje, dia em que começa a primavera, o Sol forma um ângulo de 90 graus em relação ao horizonte nas áreas localizadas na região da Linha do Equador. De acordo com o astrônomo Germano Afonso, consultor do Musa, o experimento foi realizado ao meio-dia porque é o momento em que ocorre a passagem do Sol a pino. No caso da Amazônia, isso ocorre duas vezes ao ano.

“Esse fenômeno está relacionado à posição do Sol que, no início da primavera e do outono, fica a pino, ou seja, forma um ângulo de 90 graus nas regiões da Linha do Equador”, explicou Afonso, em entrevista à Agência Brasil.

A Experiência do Equinócio é simples e consiste em posicionar verticalmente um tubo oco de madeira sobre um pequeno recipiente com água. “Dessa forma, é possível acompanhar o movimento do Sol e vê-lo refletido sobre a água exatamente quando se formam esses 90 graus”, explicou.

O experimento comprova que os movimentos do Sol são percebidos de forma diferente pelo mundo e ensina conceitos como os de latitude e longitude. O caminho percorrido pelo Sol, segundo o especialista, gera reflexos na meteorologia e na biodiversidade de cada localidade. No caso da Amazônia, explica o porquê da presença das altas temperaturas nesta época do ano.

“Quando o sol está mais alto, o calor é maior. Mas as temperaturas também sofrem influência de ventos e chuvas, por exemplo”, ressaltou o astrônomo.

Segundo o coordenador-geral do Musa, Enio Candotti, o experimento é realizado há séculos, inclusive por povos indígenas, que acreditam que a passagem do Sol a pino está relacionada ao domínio de um deus superior e ao apoio que outros deuses deram para a construção do mundo e a sobrevivência de seus habitantes.

Candotti informou que o experimento realizado na presença dos estudantes do Amazonas e de Roraima é um exemplo do que o Musa vai implantar a partir do próximo ano, quando, efetivamente, começar a funcionar. A experiência também faz parte das comemorações do Ano Internacional da Astronomia.

“Estamos resgatando um conhecimento tradicional que não está sendo prestigiado. O Musa será uma oficina permanente a serviço da educação, das escolas e da popularização da ciência”, explicou Candotti.

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Hidrelétrica Santo Antônio comemora o Dia da Árvore com criação de bosque

Hidrelétrica Santo Antônio comemora o Dia da Árvore com criação de bosque

Na manhã de hoje, em comemoração ao Dia da Árvore, foi inaugurado um bosque na Hidrelétrica Santo Antônio. A área de mais de dois hectares, o equivale

Comissão da ALE aprova projetos que retiram incentivos das usinas do Madeira

Comissão da ALE aprova projetos que retiram incentivos das usinas do Madeira

Comissão também analisou outros projetos que seguem para votação em Plenário...

Sistema de transposição de peixes da UHE Jirau é referência

Sistema de transposição de peixes da UHE Jirau é referência

Sistema de Transposição de Peixes da UHE Jirau foi projetado pelos melhores especialistas no assunto