Porto Velho (RO) quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Potássio do Brasil vê potencial em prospecção na bacia do Amazonas


A Potássio do Brasil, empresa criada na segunda metade desta década e controlada por fundos de investimentos e acionistas "pessoas físicas" de Brasil, Canadá, Austrália e Europa, anunciou ontem que obteve dados geofísicos animadores para a mineralização de potássio nas pesquisas já realizadas na área que explora na bacia do Amazonas, próxima a duas outras jazidas da Petrobras.

A companhia começou os trabalhos de exploração na região em 2007, e no ano passado conseguiu captar US$ 25 milhões para desenvolver as pesquisas cujos resultados estão começando a sair. Segundo Helio Diniz, diretor-executivo de operações da Potássio do Brasil, pelo menos mais dez perfurações serão realizadas até o fim deste ano em busca de informações mais precisas que justifiquem a exploração comercial da reserva.

Em caso de resultados satisfatórios, informou, serão necessários mais US$ 100 milhões para o prosseguimento das sondagens e para serviços de engenharia e para o desenho da mina em si. A partir daí ficarão mais claras as viabilidades técnica, ambiental e econômica do projeto. "Já estamos negociando a captação desses recursos", disse Diniz. Segundo ele, os investidores atuais estão sendo procurados para eventuais aportes adicionais. Mas há outras opções em vista, e entre as quais uma possível busca por um novo parceiro de peso.

O que Diniz espera encontrar nos trabalhos de prospecção que estão sendo realizados na área da empresa na bacia do Amazonas é uma reserva capaz de resultar em uma produção de cerca de 2 milhões de toneladas de cloreto de potássio por ano. Para que uma produção deste patamar saia efetivamente do papel, o executivo calcula que serão necessários investimentos de US$ 2,5 bilhões.

Do tripé fundamental para a produção de adubos (fosfato, nitrogênio e potássio), o potássio é o mais carente no Brasil, que costuma importar cerca de 90% de suas necessidades. Com essa conhecida carência na manga, a Potássio do Brasil já estabeleceu acordos comerciais com grandes grupos de cooperativas de agricultores garantindo preços mais vantajosos para parte da produção da futura operação, se ela se confirmar.

O anúncio também acontece em um momento de ebulição no mercado internacional de fertilizantes, uma vez que a canadense Potash Corp., maior grupo do segmento do mundo, vem sendo disputada pela australiana BHP Billiton e pela chinesa Sinochem, que busca formar um consórcio para fazer frente à "rival".

 

Fonte: Valor Econômico/Fernando Lopes | De São Paulo
 

 

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A