Porto Velho (RO) terça-feira, 18 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Por que não comemorar a inauguração de Belo Monte



A presidenta Dilma Rousseff inaugurou dia 5 de maio, a hidrelétrica de Belo Monte, na região do Xingu, Pará. Ela será a maior hidrelétrica do país depois da binacional Itaipu. Para o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB), a data não é de comemoração. Saiba cinco motivos:

1. Não houve participação popular na condução da usina de Belo Monte.

A população, e em especial os atingidos nunca tiveram espaços verdadeiros de participação e decisão, nem na fase anterior à obra (pois as audiências foram meramente informativas) nem durante a construção.  Pelo contrário, a postura do consórcio Norte Energia, dono da barragem, sempre foi de dificultar e criminalizar a auto-organização dos atingidos.

2. Houve (e ainda há) enormes violações de direitos dos atingidos.

Pela sua dimensão, Belo Monte se tornou um caso emblemático de violação dos direitos humanos, como reconheceu o Conselho Nacional de Direitos Humanos. Ainda hoje, por exemplo, há famílias atingidas não reconhecidas e os problemas causados pela obra continuam.

Gente de Opinião

Lagoa do Independente 1, em Altamira, onde vivem mais de 400 famílias em área permanentemente alagada após o fechamento do lago da hidrelétrica

3. Até hoje não existe a PNAB.

O MAB luta há anos pela criação de uma Política Nacional de Direitos dos Atingidos por Barragens (PNAB), pois até hoje não existe uma lei que assegure esses direitos de maneira universal. Embora o governo Dilma já tenha sinalizado que a PNAB sairia, setores desse governo, principalmente no Ministério de Minas e Energia, sempre boicotaram essa iniciativa. Hoje, esse setor, dirigido pelo PMDB, deixou o governo e está protagonizando o processo de golpe, mas mesmo assim o governo não assina a PNAB.

4. O preço da luz é e continuará sendo um roubo.

Enquanto as grandes empresa consumidoras recebem energia ao preço de custo da energia hídrica, a população brasileira paga uma das contas mais caras do mundo. A construção de Belo Monte não vai garantir a diminuição da tarifa, pois ela é estabelecida pelo mercado financeiro, num processo altamente especulativo.

5. O modelo energético brasileiro, privatizado, está a serviço do capital financeiro e das grandes empresas privadas.

O atual modelo energético, do qual a usina de Belo Monte faz parte, beneficia banqueiros, transnacionais da energia, grandes construtoras e fornecedoras de máquinas e equipamentos, grandes consumidores ("livres") e fundos internacionais, enquanto que o povo brasileiro é penalizado. As estatais servem de instrumento de acumulação de riqueza dos grupos empresariais privados.

Fonte: MAB AMAZÔNIA

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Coopprojirau e Observatório ambiental visitam UHE Jirau

Coopprojirau e Observatório ambiental visitam UHE Jirau

A Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE) Jirau, mantém uma agenda de visitas institucionais que inclui os pr

Estudantes de engenharia visitam UHE Jirau

Estudantes de engenharia visitam UHE Jirau

Universitários conheceram algumas estruturas do empreendimento

Obras do Linhão de Machadinho e Buritis serão licitadas em Outubro

Obras do Linhão de Machadinho e Buritis serão licitadas em Outubro

Com o objetivo de conectar as cidades abastecidas de energia elétrica por usinas térmicas ao Sistema Interligado Nacional, a Eletrobras Distribuição R

Linhão vai interligar o Amazonas com as usinas de Rondônia e Pará

Linhão vai interligar o Amazonas com as usinas de Rondônia e Pará

As interligações previstas são as seguintes: a da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, no Pará, com Parintins; a das usinas de Jirau e Santo Antônio, em Ron