Porto Velho (RO) sexta-feira, 22 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Para Greenpeace, geração de energia limpa precisa crescer ainda mais no país




Brasília - Apesar de ter apresentado no ano passado o maior índice de energia gerada por fontes renováveis dos últimos 18 anos, o Brasil ainda precisa avançar na geração de energia limpa, de acordo com a organização não governamental (ONG) Greenpeace. Para o coordenador da campanha de energias renováveis da ONG, Ricardo Baitelo, apesar de positivo, o aumento da participação de energias renováveis na matriz brasileira não pode ser considerado significativo.
 

O balanço energético nacional, divulgado ontem (29) pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE), mostra que as fontes renováveis de energia, que incluem a geração por meio de hidrelétricas, biomassa e produtos da cana-de-açúcar, foram responsáveis por 47,3% da geração de energia no país no ano passado, o maior índice desde 1992.
 

Baitelo disse que o resultado estava previsto, já que em 2008 houve um acionamento muito grande de termelétricas fósseis, que diminuiu no ano passado devido à grande quantidade de chuvas, que permitiram o maior uso de energia gerada pelas hidrelétricas.
 

Uma das maiores bandeiras defendidas pelo Greenpeace na área energética é a necessidade de aumentar o uso de energia eólica no Brasil, considerado por Baitelo ainda pequena. Ele lembra que o governo irá realizar um leilão de energias renováveis ainda no primeiro semestre deste ano, mas as usinas movidas a vento vão demorar para entrar em operação.
 

“Ainda vai levar um tempo após o leilão para que essas novas eólicas sejam construídas e terem um papel significativo na matriz brasileiras, como já acontece em outros países”, afirmou.
 

Segundo a EPE, a participação de energia eólica na matriz elétrica do país seguiu a tendência dos últimos anos, crescendo 5,1% em 2009 em relação ao ano anterior. Mesmo assim, essa fonte correspondeu a 0,2% do total de energia gerada no ano passado.
 

Na opinião do presidente do Instituto Acende Brasil, Claudio Sales, “a matriz elétrica brasileira é de deixar qualquer país orgulhoso no atual cenário mundial”. Segundo ele, o Brasil é um dos países com a matriz elétrica mais limpa do mundo, graças ao seu potencial hidrelétrico, mas ainda precisa de energia térmica para que não fique totalmente sujeito às oscilações climáticas.
 

“O Brasil é um dos poucos países do mundo que tem o privilégio de poder fazer as melhores escolhas sem ter que botar a carapuça de grande poluidor global, muito pelo contrário”, avalia. Segundo Sales, não é possível gerar a quantidade de energia necessária para o crescimento do país apostando apenas em fontes alternativas.
 

“Se o Brasil precisa ter 3,5 mil megawatts novos de energia por ano, é claro que é inviável imaginar isso sendo produzido apenas com painéis solares ou com energia eólica. Essas energias são complementares e têm sua inserção viabilizadas em situações específicas. Não se deve imaginá-las como capazes de suportar a expansão da demanda de energia que o Brasil tem para poder suportar o ritmo de crescimento da nossa economia”, disse.
 

Sabrina Craide / Agência Brasil

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A