Porto Velho (RO) quarta-feira, 19 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Para crescer, país não pode deixar de lado energia térmica, diz pres.da Eletronuclear


 

Rio de Janeiro - O Brasil não deve prescindir da energia nuclear para atender à demanda crescente por energia elétrica e contribuir para a expansão da economia do país, avaliou esta semana o presidente da Eletronuclear, Othon Luiz Pinheiro da Silva, comemorando a autorização da Comissão de Energia Nuclear (Cnen) para o início das obras de concretagem da laje do prédio do reator da Usina Angra 3, em Angra dos Reis.

 

Na avaliação do presidente da Eletronuclear, quando foram construídas Angra 1 e Angra 2 o país ainda não necessitava da energia nuclear para atender ao consumo interno. Entretanto, ele defende a decisão alegando que a medida possibilitou o domínio da tecnologia da produção de energia a partir da fonte nuclear.
 

“As centrais [Angra 1 e Angra 2] foram muito boas para que pudéssemos adquirir a tecnologia da geração nuclear. Mas, do ponto de vista da economia e da geração de energia, elas foram um tanto precoces, ou seja: na década de 70 nós tínhamos muitas hidroelétricas e com reservatório em volumes adequados de água.”
 

Para Othon Silva, a necessidade do suprimento de energia a partir das termonucleares só se fez presente a partir da virada do século, com a necessidade de se diversificar a composição do Sistema Elétrico Nacional.
 

“A partir desta constatação [de que o país não podia mais ficar dependente somente das fontes hídricas] foi que se voltou para outras fontes. Para diversificar e dar maior confiabilidade ao sistema. Aí entraram, com mais força, as alternativas térmicas como as nucleares, as usinas a gás natural ou as eólicas”.
 

Othon Silva admite que as hidroelétricas são a melhor e mais barata fonte geradora de energia. “Mas o volume de água dos rios varia ao longo do ano e nós precisamos de outras fontes de energia para o sistema integrado diante da expressiva expansão da demanda por energia”, alertou.
 

O executivo lembrou que, mesmo contando com apenas duas usinas (Angra 1 e Angra 2), a fonte nuclear já é segunda em geração de energia na matriz do país, mesmo com o crescimento expressivo da energia gerada a partir de outras fontes térmicas.
 

“Hoje, se nós temos entre 6% a 11% de geração térmica no sistema, de uma maneira geral, as usinas nucleares já respondem por uma parcela significativa deste volume. São cerca de 2 mil megawatts de contribuição. Temos muito urânio no país e não podemos descartar a nuclear como fonte primária de energia”.
 

Na avaliação do presidente da Eletronuclear, a contribuição térmica é essencial para a estabilização do sistema. “É claro que a prioridade tem que ser para as fontes renováveis, principalmente a hidroelétrica e a eólica, mas é preciso também de outras alternativas térmicas para um maior equilíbrio do sistema”, avalia.

Nielmar Oliveira / Agência Brasil

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Coopprojirau e Observatório ambiental visitam UHE Jirau

Coopprojirau e Observatório ambiental visitam UHE Jirau

A Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE) Jirau, mantém uma agenda de visitas institucionais que inclui os pr

Estudantes de engenharia visitam UHE Jirau

Estudantes de engenharia visitam UHE Jirau

Universitários conheceram algumas estruturas do empreendimento

Obras do Linhão de Machadinho e Buritis serão licitadas em Outubro

Obras do Linhão de Machadinho e Buritis serão licitadas em Outubro

Com o objetivo de conectar as cidades abastecidas de energia elétrica por usinas térmicas ao Sistema Interligado Nacional, a Eletrobras Distribuição R

Linhão vai interligar o Amazonas com as usinas de Rondônia e Pará

Linhão vai interligar o Amazonas com as usinas de Rondônia e Pará

As interligações previstas são as seguintes: a da Usina Hidrelétrica de Tucuruí, no Pará, com Parintins; a das usinas de Jirau e Santo Antônio, em Ron