Porto Velho (RO) quinta-feira, 20 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Obras do PAC podem ter comissão de negociação



A paralisação nas obras da Refinaria Abreu e Lima e PetroquímicaSuape, os conflitos na construção das hidrelétricas de Jirau e Santo Antônio, na região Norte, e demais entreveros trabalhistas espalhados por obras do Programa de Aceleração do Crescimento serão discutidas pelo Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), Ministério Público Federal do Trabalho e representantes das principais centrais sindicais do País. O objetivo é criar uma comissão com atuação nacional para resolver os problemas. O deputado federal e presidente da Força Sindical, Paulo Pereira da Silva, o Paulinho (PDT-SP), informou que há uma articulação para realizar a primeira reunião na próxima terça-feira, dia 29.
 

Ontem, no início da manhã, Paulinho esteve com o ministro-chefe da Secretaria-Geral da Presidência da República, Gilberto Carvalho, para expor a natureza dos conflitos. À noite, a conversa foi com o procurador-geral do Trabalho, Otávio Brito Lopes. A maioria das situações, contou, tem como motivos denúncias de maus-tratos, abusos por conta de funcionários com cargos de chefia e o não pagamento de direitos aos trabalhadores. “No caso de Suape, vejo uma situação mais calma do que em Jirau, por exemplo, mesmo com os incidentes ocorridos (incêndio em alojamento e tiro, com ferido e prisão). Em Pernambuco, a briga é mais reivindicatória”, comentou.
 

Também serão convocadas a compor a comissão as principais empresas responsáveis por obras do PAC, como Odebrecht, Camargo Corrêa, Queiroz Galvão e OAS. A Força Sindical, informou Paulinho, vai buscar uma maior fiscalização do MTE nas relações trabalhistas. Uma das propostas é refazer algumas das regras, especialmente, as que regulam a contratação dos empregados. “O que tem ocorrido em diversos canteiros é o tipo de contratação ‘gato’. São prometidas 1.001 coisas aos trabalhadores e quando vão ver não é bem assim. O ideal é que a intermediação fosse do Sistema Nacional de Emprego (Sine), para que o MTE estivesse mais próximo”, disse Paulinho.
 

O Sine é o sistema de recrutamento de mão de obra controlado pelo ministério. Pela proposição da Força Sindical através dele poderiam ser melhor identificados casos de pagamento de salário diferentes a profissionais de uma mesma função, em um mesmo canteiro de obras, situação verificada entre os empregados do Consórcio Conest e que gerou conflitos ainda no ano passado. “Até entendo que deva ocorrer uma diferenciação por conta do grau de qualificação. Mas em dois ou três meses já há um nivelamento e deve ser feita uma equalização nas remunerações. Sem falar no problema das horas extras, que não são pagas em sua integralidade em alguns locais”, opinou Paulinho.

Fonte: Jornal do Commercio (PE)/Felipe Lima

 

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Comissão da ALE aprova projetos que retiram incentivos das usinas do Madeira

Comissão da ALE aprova projetos que retiram incentivos das usinas do Madeira

Comissão também analisou outros projetos que seguem para votação em Plenário...

Sistema de transposição de peixes da UHE Jirau é referência

Sistema de transposição de peixes da UHE Jirau é referência

Sistema de Transposição de Peixes da UHE Jirau foi projetado pelos melhores especialistas no assunto

Coopprojirau e Observatório ambiental visitam UHE Jirau

Coopprojirau e Observatório ambiental visitam UHE Jirau

A Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE) Jirau, mantém uma agenda de visitas institucionais que inclui os pr