Porto Velho (RO) quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Moradores denunciam nas redes sociais falta de energia




Isabela Vieira
Agência Brasil

 

Rio de Janeiro- Dezenas de moradores de bairros da zona oeste do Rio e da Baixada Fluminense denunciam nas redes sociais a falta de energia desde a madrugada desta quinta-feira (27). A concessionária Light confirma casos isolados de falta de luz e informa que está normalizando o abastecimento, mas não explica as razões das falhas.
 

Segundo a Light, os bairros mais afetados são Jacarepaguá e Campo Grande, na zona oeste, Penha, na zona norte, além de Duque de Caxias e Nova Iguaçu, na Baixada Fluminense. Nesse lugares, moradores informam no Twitter que a falta de luz durou mais de 12 horas e reclamam do calor, que foi o maior na capital fluminense com recorde de 43 graus ontem (26).
 

Em entrevista à Agência Brasil, Jenyelle Biancolini, moradora do Recreio, na zona oeste, contou que passou 12 horas sem luz desde ontem, na 11ª noite sem energia somente em dezembro. “Essa noite foi uma das piores”, disse a psicóloga, que também ficou cinco horas sem luz na noite de Natal (24). Pelo microblog da Light, ela cobra uma solução definitiva para o problema.
 

“Na região onde moro, tem muito pernilongo, muito bicho, temos que abrir portas e janelas para conseguir dormir e quem sofre mais são as crianças. Ontem, gastamos um vidro de repelente para elas tentarem dormir”, disse Jenyelle. “É incrível esse descaso”, completou.
 

O bombeiro M. Ramos também usou o Twitter para denunciar a falta de luz no conjunto Ana Gonzaga, em Inhoaíba, na zona oeste. “Virou rotina?”, questiona no microblog da concessionária, que recebe mensagens de moradores de vários bairros.
 

Na Barra da Tijuca, Flavia Ballve reclama de mais um dia sem luz nas ruas Afonso Arinos, Jornalista Henrique Cordeiro e na Avenida Dulcídio Cardoso. “O maior calor dos últimos 97 anos e a Light DE NOVO nos deixa sem energia elétrica! Toda noite isso!”, postou.
 

Do Complexo do Alemão, na Penha, zona norte, o estudante Rene da Silva, que ficou conhecido por denunciar, pela internet, a violência na comunidade, aciona a Light para restabelecer o fornecimento na Rua Arapá. No local, ele diz que um caminhão da concessionária “foi até a esquina para resolver o problema, mas não conseguiu. “Volta, Light, e conserta a luz”, pede na mensagem.
 

Devido a um problema na subestação de energia do Aeroporto Internacional Tom Jobim/Galeão na noite de ontem, o terminal também ficou completamente às escuras por dez minutos, por volta das 21h, causando impactos em bairros da região. Técnicos da Light e do aeroporto vão investigar as causas do defeito na subestação, cujo fornecimento já foi restabelecido.
 

Responsável por abastecer esses trechos, a Light não deu detalhes sobre os motivos da falta de luz nas residências e tampouco detalhou seu plano para atender ao aumento da demanda no verão. Com temperaturas superando os 40 graus, é esperado maior consumo de energia, principalmente com o acionamento de aparelhos de ar condicionado.
 

Procurada pela reportagem, a prefeitura da cidade também não se manifestou sobre o problema.
 

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A