Porto Velho (RO) domingo, 17 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Justiça declara ilegal greve nas obras da UHE Santo Antônio


Justiça do Trabalho declara abusiva e ilegal
greve nas obras da UHE Santo Antônio, em liminar



A Justiça do Trabalho de Rondônia declarou abusiva e ilegal a greve deflagrada no último dia 20 pelos trabalhadores do canteiro de obras da Usina Santo Antônio em Porto Velho. A decisão liminar proferida pela presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 14ª Região, Vania Maria da Rocha Abensur, na noite de quarta-feira (21), também determinou o retorno imediato dos operários ao trabalho, sob pena de multa diária no valor de 200 mil reais contra o Sindicato dos Trabalhadores na Indústria da Construção Civil do Estado de Rondônia (Sticcero), em caso de descumprimento.
 

A decisão foi proferida em face do pedido de instauração de Dissídio Coletivo de Greve pelo Consórcio Santo Antônio Civil feito no mesmo dia. Nele, o Consórcio alegou que os empregados paralisaram suas atividades no canteiro do obras na noite do dia 20/03/2012, por volta das 23h30m, sem qualquer tentativa de negociação prévia, pré-aviso e atendimento dos demais requisitos estabelecidos na Lei nº 7.783/89. A Presidente designou a audiência de conciliação para esta sexta-feira, às 14h30m, no plenário do edifício-sede do Tribunal.
 

Segundo a empresa, os grevistas instalaram o terror nos demais empregados do consórcio e nos motoristas das empresas de ônibus ao praticarem atos de vandalismo contra os ônibus estacionados, relatando que encapuzados danificaram janelas, quebraram vidros, arremessaram extintores pelas janelas e manobraram ônibus sobre outros ali estacionados, provocando danos diversos. Diz ainda que na ocasião foi acionada a Polícia Militar que pouco pode fazer para controlar a situação, haja vista a massa de aproximadamente 4 mil trabalhadores.
 

O Consórcio relatou também que o movimento poderia gerar graves consequências à cidade de Porto Velho, comunidades ribeirinhas e os integrantes alojados no canteiro de obras por conta dos riscos de sabotagem à geração de energia elétrica que já está sendo realizado, ainda que não explorado comercialmente. Conforme descrito, a falta de controle da vazão dos vertedouros, com a elevação do nível do montante do reservatório, geraria impacto imediato para as populações abaixo do empreendimento, com o alagamento de residências e desalojamento de milhares de famílias.
 

Sendo assim, a presidente do TRT, além da declaração da ilegalidade e abusividade da greve, deferiu parcialmente o pedido, pelos descontos dos dias não trabalhados após a intimação da decisão e, ainda, a demissão somente dos trabalhadores que tenham participado efetivamente dos atos de vandalismo relatado no canteiro de obras.
 

Caso as medidas da decisão não sejam atendidas pelos trabalhadores, de forma pacífica, a desembargadora autorizou o uso de força policial para o fiel cumprimento da ordem judicial.
 

A paralisação atingiu todo o canteiro de obras e envolve um contingente de aproximadamente 15 mil operários.
 

(Processo nº DCG 0000403-38.2012.5.14.0000)
 

Fonte: Ascom TRT 14

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A