Porto Velho (RO) domingo, 17 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Indústria acredita que redução da energia vai ajudar na recuperação da atividade do setor




Mariana Branco
 Agência Brasil

 

Brasília – O anúncio da presidenta Dilma Rousseff sobre a redução de 28% na tarifa de energia para indústrias e 16,2% para consumidores residenciais, feito ontem (6), é um passo em direção à diminuição do custo Brasil – conjunto de fatores que encarecem o investimento no país – e ao aumento da competitividade. A avaliação é de entidades representativas da indústria, que divulgaram notas repercutindo a decisão.
 

A Associação Brasileira de Grandes Consumidores Industriais de Energia e de Consumidores Livres (Abrace) avaliou que a medida tem importância “histórica” e que, com ela, “o Brasil deixa o topo do ranking das energias mais caras do mundo”. O presidente da associação, Paulo Pedrosa, disse que a iniciativa deve impulsionar a recuperação da indústria, setor que tem apresentado desempenho fraco em função da crise econômica.
 

“A gente avalia que [a redução de custo] vai reposicionar a economia brasileira em um patamar de crescimento de 5% a 8% acima do atual até 2020. A energia tem um peso muito importante, é a base das cadeias produtivas nacionais”, declarou, citando como exemplo as indústrias de cloro e soda e de alumínio, nas quais, diz, o consumo energético corresponde, respectivamente, a 70% e 40% dos gastos.
 

A Federação das Indústrias do Estado de São Paulo (Fiesp) diz que a energia “é um dos mais importantes componentes do custo Brasil”. A entidade aprovou a redução, mas pede que o governo realize os leilões das concessões do setor elétrico, que vencem a partir de 2015, “a fim de garantir que o país possa usufruir as vantagens de poder produzir energia de forma mais barata (…), nas hidrelétricas”.
 

A Confederação Nacional da Indústria (CNI) lembrou que a energia é um dos principais insumos da indústria e, com isso, a redução da tarifa ajudará a aumentar a competitividade do setor. “A decisão do governo vai alterar a estrutura de custos das empresas e pode fazer com que a energia volte a ser uma vantagem competitiva no setor produtivo.”
 

Os detalhes da redução da tarifa de energia serão divulgados na próxima terça-feira (11), em evento no Palácio do Planalto. A queda no preço deve passar pela diminuição ou extinção de alguns dos dez encargos setoriais cobrados atualmente, que representam cerca de 10% do custo. Na mesma ocasião, o governo também deve anunciar a renovação das concessões do setor elétrico.
 

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A