Porto Velho (RO) segunda-feira, 16 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Hidrelétricas planejadas devem prever indenizações


A partir de 2011, o processo para instalação de hidrelétricas vai mudar no país. Os empreendimentos terão que elaborar, anteriormente à fase dos relatórios de impactos ambientais, um cadastro socioeconômico para identificação, qualificação e registro público da população atingida pelas barragens. Só em Mato Grosso, oito obras estão sinalizadas para construção no próximo ano.

A medida consta de um decreto assinado mês passado pelo presidente Luiz Inácio Lula da Silva. Pelo decreto, as famílias atingidas deverão ser cadastradas até mesmo antes do início das obras, o que não acontece no momento.

A supervisão do cadastro será feita pela Agência Nacional de Energia Elétrica (ANEEL) que vai incluir nos editais de leilão e contratos de concessão cláusulas que responsabilizam as concessionárias pelo levantamento. Apenas em Mato Grosso, o Ministério de Minas e Energia (MME) sinaliza a instalação de oito empreendimentos já em 2011, entre usinas hidrelétricas e pequenas centrais hidrelétricas (PCHs).

Para o especialista em impactos sociais provocados pela construção de hidrelétricas, o professor Athamis Antônio Foschiera, a medida não traz nenhum avanço significativo. “Ele (cadastro) não avança em nada no debate, porque as usinas já são obrigadas a fazê-lo”, rebate. No entanto, Foschiera revela que o ganho político do decreto é inestimável. “Ele destaca mais as pessoas no processo e, de certa forma reconhece o Movimento dos Atingidos pelas Barragens (MAB)”.

Um dos coordenadores do MAB em Mato Grosso, Sandro Leonardi Sampaio, reconhece que o modelo energético praticado no momento desfavorece, sobretudo, as populações afetadas. “Eles sempre fazem os estudos de viabilidade econômica e de impacto ambiental primeiro e, só depois as audiências com o povo para tratar da questão social. Isso está errado, porque o povo deve ser ouvido primeiro”, explica.

Otimista com a nova medida, o governo federal aposta que a nova lei trará agilidade e lisura nas indenizações reservadas por direito às populações que tiveram casas, fazendas e outros bens construídos ao longo da vida alagados.

Em processo de discussão mais acalorado, o projeto para instalação da hidrelétrica do Teles Pires, na fronteira entre Mato Grosso e Pará, segue à risca os modelos consagrados de construção de hidrelétricas ao deixar para última etapa as audiências com a população atingida. O Ministério Público Estadual (MPE) suspendeu as audiências por entender que seria o Ibama e não a Secretaria de Estado de Meio Ambiente (Sema) o responsável pelo empreendimento. Quando entrar em operação, a usina pretende gerar nos próximos anos 1.820 MW de energia, segundo a Empresa de Pesquisa Energética (EPE).

Fechar os olhos para a população atingida nas negociações pela implantação de uma barragem tem seus custos e desgastes. Se o processo de cadastramento tivesse sido respeitado, pela avaliação de Sampaio, todos os problemas enfrentados hoje referentes à instalação da usina de Manso, por exemplo, em Chapada dos Guimarães (60 Km de Cuiabá) nem existiriam.

No caso em questão, a população vitimada pela barragem ainda aguarda na Justiça reparação integral de seus direitos. O MAB não sabe quantas pessoas já foram afetadas em Mato Grosso devido à instalação dos empreendimentos. No país, estima-se que, nos próximos 30 anos, o número de atingidos chegue a 1 milhão em todo país.


Fonte: Diário de Cuiabá/DHIEGO MAIA



 

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A