Porto Velho (RO) sábado, 25 de junho de 2022
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia brasileira é uma das mais caras do mundo, afirma presidente da Alcoa




A Alcoa chegou ao Brasil há quase 50 anos, atraída pela grande reserva de bauxita e pelos preços baixos da energia elétrica. Hoje, a fabricante de alumínio americana ainda encontra no Brasil a terceira reserva do minério do planeta, mas a energia é uma das mais caras do mundo. "Neste ponto temos que ter um componente importante de política pública", diz Franklin L. Feder, presidente da Alcoa América Latina e Caribe.

Um conjunto de sugestões na área de energia será feito hoje, em São Paulo, por Feder e líderes de outras 26 empresas com a articulação do Centro de Estudos em Sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas (GVces) e depois entregues ao governo de transição e à presidente eleita Dilma Rousseff. A ideia é apontar caminhos para a economia de baixo carbono no Brasil.

"Primeiro é preciso desonerar a carga tributária no setor de energia", pontua Feder. Ele diz que o peso dos impostos na transmissão da energia elétrica é "avassalador" e "afeta a competitividade" brasileira. "No caso da Alcoa, a energia brasileira é a mais cara do mundo", diz o presidente da empresa. A Alcoa está presente em quase 40 países.

Segundo Feder, a alta dos preços da energia se explica por quatro fatores. "Durante muito tempo o país deixou de investir em novas fontes de geração", explica. O segundo ponto é a tributação e há ainda o crescimento significativo da demanda. O câmbio é a quarta perna dessa equação.

No estudo feito pelo centro de sustentabilidade da FGV há três setores analisados - transportes, agricultura e energia. No capítulo dedicado ao setor energético brasileiro reforça-se a ideia que o país tem matriz energética limpa, com baixo índice de emissão de gases-estufa, mas que o quadro deve mudar em 20 anos. "A foto é bonita, mas quando apresentamos o filme em movimento, vemos que estamos sujando a matriz e ficando na contramão do mundo todo", diz Mario Mozoni, professor de sustentabilidade da Fundação Getulio Vargas e coordenador do GVCes. "O que temos hoje nenhum país tem, mas precisamos fazer mais", continua. "O Brasil não pode se acomodar no binômio etanol e energia hídrica", alfineta. "Temos a oportunidade de avançar nesta agenda e construir um ambiente empresarial inovador."

O grupo de CEOs que desde 2009 se uniram na chamada Plataforma Empresas pelo Clima, recomendam ao governo que estimule a expansão de novas fontes de energias renováveis e vá além da base hídrica. Uma expressão-chave no estudo elaborado pelo GVces é a eficiência energética. "Conservar e ser eficiente é o kilowatt/hora mais barato que existe", reforça Monzoni. "Somos muito pouco eficientes neste campo", prossegue.

O documento que será divulgado hoje - "Recomendação de Políticas Públicas para uma Economia de Baixo Carbono no Brasil" - sugere mais incentivos para motivar a eficiência energética. "Não que o Brasil tenha se furtado a andar por este caminho", reconhece Feder, da Alcoa. "Mas precisa fazer mais." Ele reforça que a proposta do grupo de empresários "não é o chororô de sempre, mas de mostrar que cada um tem que fazer sua parte." Feder cita fabricantes de eletrodomésticos que vêm desenvolvendo produtos que consomem menos energia. A Alcoa, diz ele, reduziu a emissão de gases-estufa em 45%, no mundo, em relação a 1990 - e no mesmo período a produção se elevou em 30%. Lembra que energia, para fabricantes de alumínio, é um insumo tão fundamental quanto a bauxita. E que se se trata de um setor que emite muito, também recicla muito. "O início da produção de alumínio no mundo foi em 1880, e 70% do alumínio produzido de lá para cá continua a ser usado até hoje."

Monzoni lembra que o ponto fraco do setor energético brasileiro é o transporte, calcado em base rodoviária, muito emissor e caro. "Se daqui a 15 anos continuarmos a sermos só o país do caminhão, vamos ficar fora do mercado", diz. A proposta é que o país invista no intermodal, com mais ferrovias e transporte por navios.

 

Fonte: Valor Econômico/Daniela Chiaretti / De São Paulo

 

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A