Porto Velho (RO) quarta-feira, 20 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Eletronorte terá participação no leilão de Belo Monte


O governo brasileiro já escolheu a subsidiária da Eletrobrás que irá representar a estatal no leilão da usina hidrelétrica de Belo Monte. O presidente da holding, José Antonio Muniz, declarou ao jornal O Estado de S. Paulo que, se a Eletrobrás entrar num dos consórcios concorrentes, a Eletronorte também fará parte do leilão.

O custo da hidrelétrica, no Rio Xingu, no Pará, está estimado entre R$ 16 bilhões e R$ 20 bilhões, podendo alcançar até R$ 30 bilhões.

Muniz justificou a escolha da Eletronorte pelo fato de a subsidiária participar do planejamento da usina desde a sua origem. Ele também disse ao Estado de S. Paulo que foi proposital a ausência da Eletronorte nas duas grandes usinas do Rio Madeira, em Rondônia. Na de Jirau, participam Eletrosul e Chesf, outras subsidiárias da estatal; em Santo Antônio está Furnas, outra empresa do grupo.

O projeto de construção de Belo Monte voltou à pauta do governo no ano passado e foi incluído no Programa de Aceleração do Crescimento (PAC). Dois consórcios privados estão se desenhando para a disputa. Um deles formado por Vale, Neoenergia, Andrade Gutierrez e Votorantim; o outro, por Odebrecht e Camargo Correa, com possibilidade de entrada da CPFL e da Braskem.

O presidente da Eletrobrás não descarta a possibilidade de outras subsidiárias do grupo entrarem nos consórcios, mas destaca que caberá ao conselho de administração da holding a decisão final sobre o seu representante. O governo brasileiro decidiu que a estatal participará do empreendimento seguindo o modelo de "minoritário relevante", ou seja, com até 49% e participação nas decisões estratégicas do projeto.

No formato definido para sua participação, a Eletrobrás ainda poderá ficar fora da disputa, entrando posteriormente no consórcio vencedor, ou liberar a participação de suas subsidiárias no leilão. No último caso, a holding vai definir um padrão mínimo para a negociação de cada empresa e depois a substituirá como acionista do consórcio.

Segundo Muniz, a Eletronorte, que, com 10 mil megawatts de potência instalada, fornece energia a nove Estados da Amazônia legal, pode dividir a participação estatal em Belo Monte com outra subsidiária do grupo. A decisão de garantir a participação da Eletrobrás no projeto - e não uma subsidiária isolada - faz parte da estratégia do governo de turbinar a estatal.

Na quarta-feira, o Tribunal de Contas da União (TCU) deve analisar a reavaliação dos custos do projeto, feita pela Empresa de Pesquisa Energética (EPE). A revisão que passou os gastos necessários de R$ 16 bilhões para R$ 19,6 bilhões terá impacto no preço-teto da energia produzida, que deve subir para até R$ 83 por megawatt-hora (MWh), ante os R$ 68 por Mwh previstos anteriormente.

Depois da aprovação desses cálculos pelo TCU, a Agência Nacional de Energia Elétrica (Aneel) irá marcar uma data para aprovar o edital. Com a divulgação do documento, o leilão pode ocorrer em 30 dias. O governo trabalha para licitar a obra até o fim de abril. 

Fonte: Amazonia.org.br

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A