Porto Velho (RO) quinta-feira, 21 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Camargo Correa e SESI firmam parceria para capacitar trabalhadores de Jirau


Elevar a escolaridade básica da força de trabalho, com vista ao domínio de competências para o exercício da cidadania e a inserção produtiva. Este é o objetivo do programa EJA – Educação de Jovens e Adultos – instituído pelo Serviço Social da Indústria (SESI), como meio de assegurar ao trabalhador o pleno direito à educação.

A cada ano, o programa atende, em Rondônia, a cerca de 6 mil trabalhadores da indústria. Entre eles, 125 colaboradores da empresa responsável pela construção da Usina Hidrelétrica de Jirau (UHE Jirau), a Camargo Corrêa, que promoveu ontem, 21, a aula inaugural do projeto que contemplará, inicialmente, oito turmas, em três níveis: alfabetização, ensino fundamental e médio.

De acordo com a superintendente do SESI/RO, Soraia Vilela, o EJA garante um tripé de benefícios onde ganham SESI, empresa atendida e seus trabalhadores. “O SESI ganha ao cumprir seu papel, de promover educação de qualidade aos trabalhadores visando o fortalecimento das indústrias. A empresa, por sua vez, cumpre sua Responsabilidade Social Empresarial (RSE), a qual deve servir de exemplo para outras indústrias, além do aumento da produtividade. Os trabalhadores ganham ao adquirir conhecimento para o trabalho e para a vida”, disse Vilela.

As atividades acontecem em salas de aula instaladas no próprio canteiro de obras da UHE Jirau, no período da tarde e noite. Os trabalhadores são liberados de suas funções, pelo período de duas horas, para as aulas diárias.

O SESI/RO desenvolve o programa EJA em Porto Velho, mas atende também aos 52 municípios do estado de Rondônia, por meio de suas unidades certificadoras, situadas em Ji-Paraná, Cacoal, Pimenta Bueno e Vilhena.

José Antônio Zamotti, gerente de engenharia e planejamento da Camargo Corrêa, disse que o programa foi aberto aos 4 mil colaboradores da empresa. “Este é apenas o primeiro passo. Nossa ideia é capacitar 100% de nossos trabalhadores. O mercado precisa de profissionais qualificados e nós confiamos no SESI para a realização deste trabalho”, afirmou Zamotti.

Francisco Pereira da Silva disse que atua na empresa como mecânico pneumático, e que a oportunidade veio em boa hora. “É muito bom poder estudar aqui, em nosso próprio ambiente de trabalho. A empresa e o SESI nos motivam a dar seqüência aos estudos”, disse o aluno matriculado no 1° ano do Ensino Médio.

Além da equipe de professores, o SESI disponibiliza parte do material didático, apoio técnico e pedagógico e certificação. “O SESI assume este compromisso. Estamos abertos para novas parcerias que viabilizem a elevação da escolaridade desses industriários”, disse o presidente da Federação das Indústrias do Estado de Rondônia (FIERO) e diretor regional do SESI, Denis Roberto Baú.

Fonte: Ascom

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A