Porto Velho (RO) sábado, 21 de setembro de 2019
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Belo Monte: obras começam em abril


O início das obras da Hidrelétrica de Belo Monte, no Rio Xingu (PA), está previsto para abril, um ano depois do leilão vencido pelo Consórcio Norte Energia, liderado pela Eletrobras, Chesf, Eletronorte, todas estatais, pelos fundos de pensão Petros, Previ e Funcef, e por uma dezena de empresas da área de construção pesada.

A informação sobre o início das obras foi dada ao Grupo Estado pelo diretor de Planejamento e Engenharia da Eletronorte, Adhemar Palocci. Para que as obras possam ser iniciadas, no entanto, o consórcio terá de enfrentar novas representações do Ministério Público contra a construção da hidrelétrica e aguardar a Licença de Instalação, sob responsabilidade do Instituto do Meio Ambiente e Recursos Naturais Renováveis (Ibama).

O Ibama informou que a Diretoria de Licenciamento do instituto pediu novos documentos à construtora, está analisando os que já foram fornecidos e aguardando novos materiais para fornecer a Licença de Instalação – até agora fora aprovada apenas a Licença Prévia.

A confiança do governo na obtenção da Licença de Instalação e na vitória sobre o Ministério Público é tão grande que na terça-feira, durante a cerimônia de inauguração das duas eclusas da Hidrelétrica de Tucuruí, na presença do presidente Luiz Inácio Lula da Silva e da presidente eleita, Dilma Rousseff, o Consórcio Norte Energia contratou 39 engenheiros civis e elétricos formados num curso especial para engenheiros, na cidade. Eles serão aproveitados em Belo Monte.

Quando entrar em funcionamento – provavelmente em 2015 – a usina terá capacidade para gerar 11.233 megawatts, o que fará dela a maior usina hidrelétrica inteiramente brasileira, visto que a de Itaipu é binacional, feita em parceria com o Paraguai. Em tamanho, Belo Monte será a terceira do mundo, atrás de Itaipu e de Três Gargantas, na China.

Por decisão do governo, por enquanto Belo Monte será a única hidrelétrica do Rio Xingu, no Pará. O lago da usina terá uma área de 516 km, considerado pequeno para um gigante do seu tamanho. Isso só foi possível porque ela vai funcionar com turbinas a fio de água, que não necessitam de um lago tão grande quanto outras, como Tucuruí. Em compensação, só gerará o máximo de energia quando o rio estiver com muita água.

Quando Belo Monte foi a leilão, os construtores previram investir cerca de R$ 19 bilhões na obra. Destes, 75% deverão ser financiados pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social (BNDES). Mas atualmente já se fala em R$ 25 bilhões para que as obras possam ser concluídas até 2015.

O projeto prevê a construção de uma barragem principal no Rio Xingu, localizada a 40 quilômetros da cidade de Altamira. A partir deste lago, a água será desviada por canais de derivação que formarão o reservatório, localizado a 50 quilômetros de Altamira. Com isso, o local hoje conhecido por Volta Grande – onde indígenas e ribeirinhos pescam – perderá quase 80% do seu volume de água.



Fonte: Jornal do Commercio (PE)

 

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A