Porto Velho (RO) segunda-feira, 18 de fevereiro de 2019
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Atingidos pela barragem de Jirau não querem casas de placa e cobram seus direitos


Amanhã, 18 de fevereiro, o Movimento dos Atingidos por Barragens (MAB) mais uma vez fará uma grande assembléia na comunidade de Mutum Paraná, em Rondônia, com o objetivo de discutir a pauta de reivindicações dos atingidos pela barragem de Jirau. Eles reivindicam o direito ao reassentamento e a um plano de desenvolvimento local.

As famílias ainda resistem à retirada forçada pelo consórcio, que vem negando informações aos atingidos. “Nós apenas sabemos que vamos ter que sair das nossas casas, mas não sabemos qual será a forma de indenização nem se haverá indenização para todos. Queremos ter a garantia de continuar na terra produzindo para sustentar nossas famílias”, disse um atingido.

No início de janeiro, o MAB teve acesso ao Plano de Remanejamento da População Atingida, produzido pela empresa Enersus, dona da barragem. O plano ainda não contempla os diretos dos atingidos e possui pontos que o MAB não concorda, entre eles a carta de crédito e agrovilas urbanas. Como dizem os atingidos, “com a carta de crédito o dinheiro acaba logo e no Pólo Industrial não teremos condições de produção, como eram acostumados. Nosso povo deve ser reassentado em áreas que dêem condições mínimas de reestruturação das famílias, como possibilidade de continuarem produzindo na terra”, afirmou uma liderança de Mutum.

O MAB afirma que os atingidos têm direito de decidir para onde querem ir, e como deve ser a sua transferência, com direito de permanecer na beira do rio, no entanto, o que acontece é que e empresa decide tudo pelas famílias e está construindo casas de placas nas agrovilas. Dezenas dessas casas já caíram, mesmo antes de serem ocupadas. “É um modelo que para realidade da Amazônia não serve, pois a região é muito quente e será insuportável viver nelas, além do mais, a qualidade dessas casa é péssima e nós não queremos morar nesses lugares”, declarou um morador.

A situação das famílias foi relatada ao presidente Lula por Cleide Passos, a atingida pela barragem de Santo Antonio. A audiência entre o presidente e o MAB aconteceu no dia 4 de fevereiro, em Brasília. Na ocasião o presidente reconheceu novamente a dívida do Estado brasileiro com os atingidos por barragens e afirmou a necessidade das pessoas terem as condições necessárias para viver com dignidade. Na assembléia de amanhã, os atingidos irão passar as informações da audiência com Lula e cobrar das empresas que cumpram as definições do presidente.

Fonte: Ascom/MAB

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A