Porto Velho (RO) quarta-feira, 29 de junho de 2022
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Associações do setor elétrico divulgam Carta Energia para o Futuro


 
 

Rio de Janeiro - Doze associações de classe, que representam a área de energia, entregam amanhã (29) ao ministro de Minas e Energia, Márcio Zimmermann, e aos candidatos à Presidência da República Dilma Rousseff (PT) e José Serra (PSDB) a Carta Energia para o Futuro.

O documento será entregue durante o 7º Encontro Nacional de Agentes do Setor Elétrico (Enase 2010), que será realizado amanhã e depois (30) no Rio. O Enase é considerado o principal evento da área de energia do Brasil, incluindo os segmentos de geração, transmissão, distribuição e comercialização.

A carta traz os anseios do setor elétrico para o futuro da política energética no país, disse o secretário-geral do Enase, Rodrigo Ferreira. Ele explicou que o documento não trata de particularidades de um determinado segmento.

“É um documento que aborda preocupações comuns a todos, como a sustentabilidade, a progressão de crescimento do mercado. O objetivo da carta é deixar claro para a sociedade, para todos os partidos e pessoas envolvidas com o processo eleitoral, quais são as demandas do setor para o futuro da política energética”, afirmou Ferreira.

Na carta, as associações dão prioridade a temas como a transparência e estabilidade regulatória para o mercado, a participação e integração entre os agentes setoriais, o equilíbrio e hegemonia entre empresas públicas, estatais, privadas, estrangeiras e nacionais e a eficiência e competitividade.

“Ou seja, precisamos ter no Brasil uma energia eficiente para que a indústria possa competir no mercado mundial. Precisamos ter uma energia que ofereça crescimento e sustentabilidade. Não podemos ignorar questões ambientais, a preocupação do mundo com o meio ambiente. Essa precisa ser também uma preocupação do Brasil”.

Para o secretário-geral do Enase, a energia precisa respeitar o meio ambiente e ser renovável, porque “essa é a vocação do Brasil”, a partir de recursos naturais como o sol, os ventos, rios, a biomassa. Essa energia precisa também ter segurança, acrescentou. Para isso, ele ressaltou a necessidade de outras fontes de geração que possam proteger o país de situações de escassez de água. “Estou falando de geração térmica, que também é fundamental para oferecer estabilidade ao mercado”.

Segundo Rodrigo, não se pode falar em sustentabilidade olhando apenas para uma parte da sociedade. “É preciso olhar também para a questão da segurança do sistema. E não vai ser sustentável enxergando apenas um lado da moeda, que é o lado exclusivamente de fontes renováveis, por exemplo”.

Ele advertiu que as fontes renováveis deverão ser a base do crescimento, mas que outras possibilidades não podem ser desconsideradas para assegurar ao país um crescimento sustentável, sem sobressaltos ou obstáculos, como os enfrentados atualmente com o período de seca - reservatórios em baixa, preços em alta e falta de chuvas. “Precisamos ter uma blindagem contra isso. É sustentabilidade para o setor elétrico também”.

Fonte: Alana Gandra / Agência Brasil

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A