Porto Velho (RO) sábado, 28 de novembro de 2020
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Aneel volta atrás e Jirau decide recorrer à Justiça pelos 91,2 MW médios perdidos


 
Agência retirou obrigatoriedade de Santo Antonio de ceder 24,3 MW médios de sua energia adicional à usina vizinha

 

Carolina Medeiros, da Agência CanalEnergia
 

A decisão da Agência Nacional de Energia Elétrica de retirar a obrigatoriedade da Santo Antônio Energia de ceder 24,3 MW médios de sua energia adicional à Energia Sustentável do Brasil, responsável pela UHE Jirau, reacendeu a disputa entre as duas hidrelétricas. A decisão pela cessão havia sido tomada em junho pela diretoria da Aneel na tentativa de apaziguar os ânimos das concessionárias. Na ocasião, a Santo Antônio Energia queria aumentar a cota de seu reservatório para 71,3 metros, para viabilizar sua expansão e a adição ao sistema de 206,2 MW médios, mas isso implicaria na perda por Jirau de 91,2 MW médios. Agora, Jirau vai buscar na Justiça uma solução para a energia perdida.
 

"Nós vamos buscar nosso direito na Justiça porque na Aneel não dá mais para recorrer", declarou o presidente da ESBR, Victor Paranhos. De acordo com ele, ocorreram diversas mudanças de regra desde o leilão de 2008 que penalizaram Jirau, entre elas, duas mudanças na cota do reservatório de Santo Antonio - primeiro de 70 metros para 70,5 metros e depois para 71,3 metros. Segundo o executivo, o ganho real para o sistema com a expansão da UHE Santo Antonio é de 115 MW médios, retirando-se dos 206,2 MW med a perda de Jirau, de 91,2 MW med. Para isso, será necessário inundar, ainda de acordo com Paranhos, uma área de 157,67 km² e investir R$ 1,7 bilhão.
 

"Como área inundada é pior do que Balbina e como investimento é melhor fazer fotovoltaica e gerar os 115 MW med gastando menos de R$ 1,7 bilhão. Não entendo qual é a lógica disso e o argumento de modicidade tarifária não se sustenta", apontou Paranhos em entrevista à Agência CanalEnergia. Ele disse ainda que a expansão provocará impacto social grande, pois vai atingir a população de Jaci. "Nossas máquinas adicionais já estavam previstas desde o leilão e esses 91,2 MW médios não causariam nenhum impacto ambiental adicional", completou o executivo. Procurada, a Santo Antonio Energia disse que não se pronunciaria sobre a decisão da agência.
 

Na sustentação da sua decisão, o diretor-relator do processo na Aneel, Edvaldo Santana, argumentou que a decisão sobre o tema interfere no âmbito de atuação do Poder Concedente, no caso, o Ministério de Minas e Energia, o que torna sua legalidade bastante questionável. Isso porque, três semanas após a decisão da Aneel pela cessão de energia, o MME publicou a portaria nº 234/2013, que trata das diretrizes para leilões. O artigo 6º da Portaria determina que no mínimo 95% dos projetos de ampliação de UHEs existentes, como é o caso de Santo Antônio, devem ser alocados em leilão regulado e a ampliação da hidrelétrica está inscrita no próximo leilão A-5, que será realizado na sexta-feira, 13 de dezembro. Além disso, o MME definiu como sendo de 206,2 MW med a garantia física da ampliação da usina.
 

"95% desse montante de energia resulta em 195,89 MW médios, o que significa que restariam tão somente 10,31 MW médios para a cessão de lastro, o que inviabilizaria a condição estabelecida no despacho 2.075/2013 da Aneel", declarou Santana. Na visão do diretor, o Poder Concedente alocou o total das garantias entre as duas usinas e não deixou espaço para a cessão de lastro, tornando o acordo impraticável.
 

Santana argumenta ainda que mesmo que a obrigação da Portaria 234 seja apenas para o caso do empreendedor escolher por vender a energia no ACR - o que não fica claro -, a condição estabelecida pela Aneel com a cessão de lastro obrigaria que a energia da ampliação, ou parte dela, fosse vendida no ACL, o que "limitaria uma possível diretriz de política pública do Poder Concedente de alocar a energia mais barata para os consumidores regulados, que não podem escolher de quem comprar, limitando o alcance da modicidade das tarifas". O ideal, na opinião do diretor, é que ocorresse um acordo financeiro entre as partes, o que a essa altura, após diversas reuniões com os concessionários, ele avalia como impraticável.
 

Uma alternativa para tentar neutralizar a decisão da Aneel seria o governo brasileiro assinar um acordo com a Bolívia para que a UHE Jirau pudesse operar o ano inteiro na cota 90 metros. "Se Jirau operar em cota constante, com mais máquinas que foram colocadas e com toda a otimização que nós fizemos, nós geramos mais 300 MW médios", calculou Paranhos. Isso porque, da forma como está atualmente, durante o período seco Jirau terá que deplecionar seu reservatório até a cota 73 metros para não provocar impactos na Bolívia. "Isso é uma negociação que deveria estar andando, porque vamos jogar fora 300 MW médios de energia. E a Bolívia tem interesse. Eles tem vindo aqui em Rondônia e mostrado interesse em fazer o acordo, mas é um acordo de governo", salientou o executivo.

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Energia Sustentável do Brasil assina termo de compromisso com ICMBio para investimento em unidades de conservação na Amazônia

Duas unidades de conservação na Amazônia receberão investimentos da Energia Sustentável do Brasil (ESBR), concessionária da Usina Hidrelétrica (UHE)

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

Teste de autorrestabelecimento é feito com sucesso na UHE Jirau

As Unidades Geradoras (UG) são desligadas para simular um apagão

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

SPIC - Chinesa tem pressa para comprar hidrelétrica Santo Antônio

As negociações duram mais de um ano, e agora a SPIC corre para concluir a transação antes da posse de Bolsonaro na Presidência

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

Mais de 940 mil m³ foram dragados do rio Madeira em 2018

O processo consiste em escavar o material que está obstruindo o canal de navegação e bombear o volume a pelo menos 250 m de distância desse canal.A