Porto Velho (RO) terça-feira, 25 de setembro de 2018
×
Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional - Gente de Opinião

Energia e Meio Ambiente - Internacional

Aneel revê decisão e autoriza operação comercial de unidades geradoras de Santo Antônio


 

Máquinas 15 e 17 estavam impedidas
de entrar por restrições hidrológicas


 

Sueli Montenegro, da Agência CanalEnergia

 

A Santo Antonio Energia conseguiu a liberação para início da operação comercial das unidades geradoras 15 e 17 da usina hidrelétrica de Santo Antônio. A decisão foi tomada pela diretoria da Agência Nacional de Energia Elétrica, ao analisar recurso apresentado pela empresa contra duas decisões da área técnica que impediam a entrada das máquinas, em consequência de restrições hidrológicas.

A geradora havia obtido liminar favorável  à liberação da operação comercial da unidade 17, emitida pelo desembargador César Prudente, do Tribunal Regional Federal da 1ª Região. O pedido de efeito suspensivo foi apresentado ao TRF após o juiz da  1ª Vara Federal em Brasília indeferir pedido de liminar, em ação contra a decisão da Aneel.

Um dos argumentos usados pela empresa é de que não se trata de analisar aspectos fisicos e, sim, comerciais do pedido. Representante da Santo Antônio Energia, o advogado André Serrão disse que existe uma dissociação entre a operação de fato das máquinas e o direito da geradora de comercializar lastro da energia da usina.

No recurso à Aneel, a Santo Antônio Energia solicitou a anulação dos Despachos nº 2.818/2013 e 2.920/2013, com a liberação das unidades geradoras e a garantia do acesso ao Mecanismo de Realocação de Energia, que permite o compartilhamento do risco hidrológico entre  os geradores. O pedido incluiu ainda a segurança de que não haveria ônus ou restrição a direitos, principalmente à compra de lastro, e a adoção de de praticas semelhantes para assegurar a operação das próximas unidades geradoras que ainda vão entrar.

O relator do processo na Aneel, Edvaldo Santana, admitiu que a agência não tinha outra saída a não ser declarar a operação comercial das duas máquinas ou reconhecer que ambas estão aptas a serem acionadas, porque sabia do cronograma de entrada e do tipo de máquina que entraria nesse momento em operação.

Ele observou também que do ponto de vista do consumidor não faz diferença, porque se houver necessidade a empresa terá que ir ao mercado para recompor lastro por meio de contratos de terceiros. "Por outro lado, se a Aneel diz que a UHE não entra em operação comercial e não precisa recompor lastro, porque não deu causa, o consumidor ficará exposto a um PLD que hoje ultrapassa R$ 200,00/MWh", afirmou.

Mais Sobre Energia e Meio Ambiente - Internacional

Hidrelétrica Santo Antônio comemora o Dia da Árvore com criação de bosque

Hidrelétrica Santo Antônio comemora o Dia da Árvore com criação de bosque

Na manhã de hoje, em comemoração ao Dia da Árvore, foi inaugurado um bosque na Hidrelétrica Santo Antônio. A área de mais de dois hectares, o equivale

Comissão da ALE aprova projetos que retiram incentivos das usinas do Madeira

Comissão da ALE aprova projetos que retiram incentivos das usinas do Madeira

Comissão também analisou outros projetos que seguem para votação em Plenário...

Sistema de transposição de peixes da UHE Jirau é referência

Sistema de transposição de peixes da UHE Jirau é referência

Sistema de Transposição de Peixes da UHE Jirau foi projetado pelos melhores especialistas no assunto