Porto Velho (RO) quinta-feira, 18 de outubro de 2018
×
Gente de Opinião

Cultura

Corre Campo conta história da Unir


 
 
O Bumbá da Baixa da União se apresenta com grandes alegorias na noite de hoje
 
O Bumbá Corre Campo também conhecido como “O Gigante Sagrado da Amazônia Ocidental”, se apresenta a partir das 23h05 de hoje 03,  no Arraial Flor do Maracujá com o tema: “Do Bumba-Meu-Boi ao Meu Boi-Bumbá – Unir, a Universidade da Cultura Popular”.
O Corre Campo vai colocar na arena, aproximadamente 500 brincantes distribuidos em cinco (5) tribos (com 20 indios cada), representando as várias etinias indigenas que habitam a região que forma o estado de Rondônia; Batucada (mestre Valney) com 120 ritmistas; barreiras de vaqueiro (40) e rapaz (40), miolo (tripa), mascarados (Catirina, Pai Francisco, Mãe Maria e Cazumbá) Doutores (Cachaça, da Vida e Relâmpago) Padre, Bicho Folharal, além dos persogens: Amo (Silvio Santos); Levantador de Toada (Silvio José Santos); Maestro (Júnior de Castro Alves); Sinhazinha da Fazenda (Carol de Castro); Rainha da Batucada (Vanessa), Porta Estandarte (Tatiane); Morena Bela (Ana Célia Santos); Rainha do Folclore (Vitória); Yara (Claudiane); Rainha da Floresta (Marcela); Pajé (Wendel); Feiticeiro (Tiba); Contra-Amo Fábio Góes; Cunhã Poranga (Silvinha Rodrigues) e Apresentador (Frank).
A Nação Corre Campo é presidida pela bacharel em direito Maria José Brandão a dona Branca e tem como artesão principal (respónsável pelas alegorias e cenários), o artista Saulo Toscano auxiliado pelo Bomba e equipe.
 
Tema
 
Segundo o Amo Silvio Santos o bumbá que nasceu na Baixa da União em 1954, faz a junção da origem da brincadeira de Boi-Bumbá em Porto Velho com a história da Universidade Federal de Rondônia – Unir, numa toada composta em parceria com o levantador de toada Silvio José Santos.
O ritual será apresentado pelo Fábio Góes e defende o quesito com o tema, “A Cura pelo Sobre Natrual”, que conta a história de uma índia (Cunhã Poranga), prometida pelo Tuxáua ao guerreiro mais forte da aldeia. Acontece que um outro guerreio, apaixonado pela Cunhã, vendo que não era correspondido, a sequestra. Os dois entram numa luta onde invocam os poderes sobre natural exercido pelos curandeiros, até que o pajé, invocando Tupã, o Deus do seu povo, consegue libertar a jovem Cunhã Poranga.
O cenário será formado por cinco módulos que formam o prédio da Unir Centro e os elementos que compõem o ritual tribal.
 
Do Bumba-Meu-Boi ao meu Boi-Bumbá
UNIR – Universidade da cultura popular
 
De: Silvio M. Santos e Silvio José Santos
 
Maranhão,
Hei! Maranhão
Do Bumba-Meu-Boi
Que originou o meu Boi-Bumbá   (B I S)
 
Vem vê!
A nossa rapaziada
Chama também vaquerada
Pro nosso boi guarnicê
 
Saí
Do Maranhão como Bumba-Meu-Boi
Boi de Matraca, de Orquestra e Pandeirão
 
UNIR
São Luis - Maranhão
Porto Velho - Rondônia
Nessa festa da Amazônia      (B I S)
Na Universidade
Da Cultura Popular
 
Dança meu Corre Campo
Balancei sem parar
Vieste do Bumba-Meu-Boi   (B I S)
Oh meu querido Bumbá

Fonte: Sílvio Santos

Mais Sobre Cultura

Wankabuki apresenta peça “À Margem” em três cidades de Rondônia

Wankabuki apresenta peça “À Margem” em três cidades de Rondônia

O Grupo de Teatro Wankabuki, de Vilhena (RO), realizará entre os dias 17 e 26 de outubro uma série de apresentações da peça “À Margem” nos municípios

Professor Aleks Palitot doa livros para escola municipal infantil

Professor Aleks Palitot doa livros para escola municipal infantil

Na tarde de quinta-feira (11), o Professor Aleks Palitot visitou a Escola Municipal de Educação Infantil Prof.ª Ronilza Cordeiro Afonso Dias, na Zona

SESC abre inscrições para exposição  e oficina de fotografia em Porto Velho

SESC abre inscrições para exposição e oficina de fotografia em Porto Velho

A exposição será realizada na rua Euclides da Cunha, com inscrições e impressões gratuitas no formato lambe-lambe