Porto Velho (RO) segunda-feira, 23 de julho de 2018
×
Gente de Opinião

Vinício Carrilho

NÓS TEMOS EQUILIBRIUM, mas, nenhum direito - Por Vinício Carrilho Martinez



NÓS TEMOS EQUILIBRIUM

mas, nenhum direito
 

Ainda que meio passado (não disse ultrapassado), assisti o filme Equilibrium. O filme é passado porque já chegamos a Blade Runner 2049. Quem assistiu ou é fissurado pela edição clássica do Blade Runner 2019 – escolhido o melhor filme de ficção (realista) do século XX –, é óbvio, deve se conter em qualquer comparação fílmica. Por isso, tratarei de algumas interfaces entre filmes, no reino da distopia, em outro texto. Até porque ainda não assisti à continuação em 2049. Sobre o Blade Runner 2019 tenho texto no site Jus Navigandi.

O filme Equilibrium retrata o planeta escuro no pós-guerra nucelar. Já vimos este cenário em muitos outros, a exemplo de Mad Max: o pior deles foi com Tina Turner. A catástrofe de Matrix decorre do avanço da Inteligência Artificial (e só vale o ingresso o primeiro), assim como ocorre em O Exterminador do Futuro: não assistirei, de novo, nenhum da série. A hecatombe ambiental é o tema de Avatar: não vi e não verei a continuação.

Pois bem, traçadas algumas diferenças originais, em Equilibrium surge uma cidade desencantada, sem sentimentos, que combate a maldade humana (“homini lupus omni”) com fuzilamentos sumários. Há remanescentes humanos – veja-se que não tem humanoides ou replicantes em Líbria –, mas também se desliga de outro épico no gênero: Eu Robô. Inspirado no ótimo Asimov, os robôs utilizam as três leis da robótica para darem Golpe de Estado, salvando os humanos de si mesmos.

É mais ou menos neste limite entre Equilibrium e Eu Robô que continuo – agora a par da realidade nacional. Pesquisa recente aponta que 80% dos brasileiros converteram-se à direita menos esclarecida (para dizer com educação) e, com pautas conservadoras e reacionárias, defendem algum tipo de controle social que facilmente nos relegaria um tipo de Sociedade de Controle com Estado Total.

O projeto de censura prévia à Internet não é novidade; aliás, muitos juízes já tentaram isso. O crescimento da Bancada BBB, com neopentecostais na liderança, é avessa a qualquer princípio do processo civilizatório. É óbvio que a imensa maioria nem sabe do que se trata. No miolo de tudo temos a luta de classes que se nega, mas bate à porta, e se metamorfoseia (como insetos de Kafka) em tenebrosa Guerra Civil. Os direitos fundamentais são condecorações dadas a César.

No sofá, assistindo aos filmes, estão (o candidato) Jair Bolsonaro e Luís Bonaparte.  Dória – prefeito Twitter de São Paulo – disse que vem para a sessão. Mas, o que isso tem que ver com os filmes em si?

Tem o fato de que, nas ruas, ouve-se aos gritos o chamado à “intervenção militar”, seguida da imposição de uma moral neopentecostal açoitada pelas torturas preconizadas por Bolsonaro. Além disso, outros juízes já proibem peças de teatro, ordenam fechamento de exposição em museus. Prefeitos de cidades pequenas – do tamanho da nossa – também perseguem centros de umbanda.

Isto se chama fascismo. Tanto quanto era nazista o ambiente social de Líbria. Cidadela nazista até na inteligência militar que se vê numa cena comum. Soldados da repressão – alados pelo clero de Mefisto (Grammaton) – são recebidos à bala e um deles diz a seguinte pérola: “fomos informados, pela inteligência militar, que os resistentes (humanos partisans) estão armados”. E o chumbo com fogo caindo neles.

Em paralelo ao Brasil atual, concluo com duas breves análises: 1. Há esperança, morre quem permite que outros pisem em seus sonhos; 2. Porém, estamos em um estágio avançado de sociedade nazi-fascista, no reino de psicopatas, brochas e cracudos.

(Em tempo: em Líbria, os humanos tomavam duas doses diárias de uma droga sintética para não terem sentimentos – e nem direitos).

           

            Vinício Carrilho Martinez (Pós-Doutor em Ciência Política)

Professor Associado da Universidade Federal de São Carlos – UFSCar/CECH

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Vinício Carrilho

CF/88: libertária ou passiva? Por Vinício Carrilho Martinez

CF/88: libertária ou passiva? Por Vinício Carrilho Martinez

Hoje na casa de uma centena, as emendas à CF/88 serviram para desnaturalizar parte do Espírito da Lei Constitucional

DOS “PARÇAS” - Por Vinício Carrilho Martinez

DOS “PARÇAS” - Por Vinício Carrilho Martinez

Nesses tempos, fico feliz em não ter “parças”. Outros que também não quero atendem por “compas

Existem diferenças entre intervenção militar e golpe militar? Por Vínicio Martinez

Existem diferenças entre intervenção militar e golpe militar? Por Vínicio Martinez

A CARTA POLÍTICA E O SISTEMA CONSTITUCIONAL DAS CRISES existem diferenças entre intervenção militar e golpe militar?

REVOLUÇÕES BRASILEIRAS  - Por Vinício Martinez

REVOLUÇÕES BRASILEIRAS - Por Vinício Martinez

A segunda revolução institucional, meio ao centro, levaria à desprivatização do espaço público e do Poder Público.