Porto Velho (RO) terça-feira, 18 de fevereiro de 2020
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

VIVA AS DIFERENÇAS



Silvio Persivo(*)

As pessoas, e não apenas elas, não são, naturalmente, iguais.  A grande verdade- se é que há uma é a de que indivíduos livres são indivíduos muitos diferentes entre si, com habilidades e qualidades diferentes, de vez que os talentos e capacidades e até mesmo a forma de trabalhar não possuem o mesmo afinco, qualidade ou dedicação. Cada um de nós nasce em situações distintas, com suas vantagens e suas desvantagens, cercados por pessoas diferentes e diferentes tipos de incentivos e graus de oportunidade. Só num mundo ideal podemos ser iguais e é compreensível que se procure amenizar as imensas desigualdades existentes, mas, a história real nos tem demonstrado que tentar remediar a situação implantando políticas governamentais “corretivas” tem se mostrado um tipo de cura muito pior do que a doença. A antiga URSS, república socialista, desmanchada por absoluta incapacidade de resolver os seus problemas, ou o longo definhamento de Cuba mostram, com clareza, que a busca de acabar com as desigualdades pode originar situações piores que as originais. Sem falar na agonia atual que a Venezuela passa com Maduro. A situação recente do Brasil, com os governos petistas, comprovaram, o que na experiência histórica é recorrente, que sempre que se tomam medidas coercitivas para a  redistribuição de riqueza somente se consegue que os ricos e os espertos enviem sua riqueza para o exterior, ao passo que os desafortunados terão de arcar com o fardo do inevitável declínio econômico. O aumento de abertura de contas no exterior, com o Brasil sendo o 5º país com mais recursos em paraísos fiscais, demonstra isto e, não por acaso, caminhamos para 13 ou 14% de taxa de desemprego, isto se aceitarmos a estatística criativa implantada nas instituições de elaboração de indicadores.

Infelizmente, graças a uma selvagem e prolongada lavagem cerebral divulgada na mídia e sustentada, até agora, pelo governo, se protesta e se afirma que é indispensável tomar medidas contra a desigualdade, transformada em cavalo de batalha. Quem não concorda com a coletivização, com o tratamento igualitário, e injusto, na medida em que se deseja fazer justiça retirando renda de quem trabalha para quem não trabalha, foi taxado de tucano, coxinha, retrogrado, reacionário e de direita radical. No entanto, apesar do maravilhoso governo que tivemos, que, segundo o marketing agressivo, incorporou ao mercado uma notável parcela de 40 milhões de pessoas, por incrível que pareça, somente se conseguiu aumentar seja a desigualdade, seja a criminalidade, os problemas rurais e urbanos, de tal forma que a insatisfação pública se expressou nas ruas e no impeachment.

Mas, o governo petista, nunca fez distinções básicas entre, como, por exemplo, que se as pessoas são diferentes, e livres, é normal que tenham rendas diferentes. Nem nunca esclareceu que onde as pessoas têm, obrigatoriamente, a mesma renda não são livres. Porém, o que é pior: não há exemplos reais de desenvolvimento onde os governos organizam a produção. Países desenvolvidos são, de fato, aqueles onde os governos perdem, cada vez mais, a importância e atuam somente em atividades básicas, em infraestrutura e de forma compensatória. Ninguém defende a desigualdade exagerada, mas, existe a desigualdade boa e legítima que deriva da ordem natural das coisas, seja o que isto for. O que, uma visão progressista defende é o direito a oportunidades iguais, mas, isto não pode existir pela opressão dos contrários. Assim melhorar as oportunidades de minorias é melhorar a educação delas e não estabelecer cotas. Assim como criar cidadãos é gerar oportunidades de empregos, melhorar o ambiente dos negócios, estimular o empreendedorismo e não, como tem sido feito, aumentar a quantidade de pessoas dependentes do assistencialismo. A igualdade, e ainda mais forçada a partir do governo, é tão e mais injusta e antinatural quanto à desigualdade abusiva. E só os que não pensam podem defendê-la como ideal humanitário. De fato só os que dela se favorecem, os muito espertos, e os tolos podem aceitar que a igualdade seja um ideal político. A ideia de igualdade econômica não representa nenhuma genuína forma de humanidade ou de compaixão. É uma ideia intelectualmente pobre e fraca. E quando se torna a política de um estado, política pública, vira um desastre anunciado em larga escala e um retrocesso econômico. O fato das pessoas não serem iguais, não terem a mesma renda decorre da própria diversidade da existência e das diferenças. Antinatural é tentar igualar a todos.

(*) É professor da UNIR-Fundação Universidade Federal de Rondônia de Economia Internacional e Professor Doutor em Desenvolvimento Sustentável pelo Núcleo de Altos Estudos Amazônicos-NAEA da Universidade Federal do Pará-UFPª.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

Arte para quê?

Arte para quê?

A questão do que é a arte e da beleza da arte tem sido um tema sempre permanente nas discussões intelectuais.

REVEILLON: comemoração será multimusical + Lenha na Fogueria

REVEILLON: comemoração será multimusical + Lenha na Fogueria

Lenha na FogueiraNo apagar das luzes ou como se diz no jargão futebolístico, nos acréscimos, a polêmica entre a Sejucel (leia-se, superintendente Jobs

MAKTUB

MAKTUB

Este time do Flamengo é um grande time?

As mudanças no mundo do trabalho reclamam novas formas de pensar

As mudanças no mundo do trabalho reclamam novas formas de pensar

Leio no jornal português “O Público” que uma pesquisa do Instituto Nacional de Estatística (INE) revela que as empresas portuguesas contatam mais fr