Porto Velho (RO) segunda-feira, 21 de setembro de 2020
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

O Norte também tem cachaça


O Norte também tem cachaça  - Gente de Opinião

Por intermédio do meu amigo Jackson Jibóia tive o prazer de ter acesso ao anuário “A Cachaça no Brasil-Dados de Registro de Cachaças e Aguardentes-Ano 2020” publicado pelo Ministério da Agricultura, Pecuária e Abastecimento-MAPA, que busca atualizar os estabelecimentos da área cadastradas no Brasil. Os dados se referem ao ano de 2019, o que é preciso ressaltar porque se trata de um setor muito dinâmico no qual as alterações, ainda mais com a atual pandemia, se verificam rapidamente. Também é preciso dizer que, conforme ressalta o próprio trabalho, o anuário atual modificou algumas formas do anterior procurando tornar os dados mais reais, mais transparentes, excluindo os produtores inexistentes, bem como fazendo diferenciação entre produtores e marcas. A publicação revela que, no ano de 2019, existiam 894 (oitocentos e noventa e quatro) produtores de cachaça registrados no Mapa. Minas Gerais ocupou a 1ª posição, com quase o triplo do 2º colocado, que é São Paulo. Mais uma vez evidenciou-se a concentração da produção de cachaça na Região Sudeste, com 622 (seiscentos e vinte e dois) estabelecimentos registrados, sendo que Minas Gerais, São Paulo, Espírito Santo e Rio de Janeiro juntos concentram cerca de 70% da produção registrada. A proporção foi igual ao ano anterior, com a região Nordeste com 129 (cento e vinte e nove) estabelecimentos,14,4%, a região Sul com 101 (cento e um), 11,3%, a região Centro-Oeste com 33 (trinta e três), 3,7% e, por fim, a região Norte, com somente 9 (nove) produtores, com a menor parcela, de 1%. Vale salientar que produção de cachaça acontece em 558 (quinhentos e cinquenta e oito) municípios brasileiros contando com o Distrito Federal, continuando a representar 10,02% do total. Com maior representatividade aparece a região Sudeste, com cerca de 22% dos municípios com produção de cachaça. Segundo a publicação, quando se refere ao Norte, não há estabelecimentos registrados para produção de aguardente e de cachaça nos estados do Amapá, Amazonas e Roraima, todos da região Norte, sendo a região com menor número de estabelecimentos registrados, destacando-se apenas o estado do Pará. A produção de cachaça em Rondônia e no Acre está restrita apenas a um estabelecimento que não se consegue saber qual é na publicação. A do Acre não tenho a menor dúvida que é a do meu amigo Jackson Jibóia que produz a Jibóia, uma cachaça que degustamos com muito prazer no Buraco do Candiru, que, aliás, a inclui nas suas camisas de carnaval e out-doors de eventos como parceiro. Já a de Rondônia tenho impressão que, embora existam outras,  não são registradas, de forma que penso que a registrada deve ser, até pelo tempo de existência, a do João Zanin, lá de Vilhena, que começou a ser produzida no ano de 2.000, a que também tem nome de cobra, Cachaça Sucuri, distribuída em pontos de venda de Ariquemes, Porto Velho, Mato Grosso, São Paulo, Curitiba e outros estados. Lá inclusive ela tem duas linhas, uma com envelhecimento de dois anos em barril de carvalho e outra com um ano de cura, inclusive com envelhecimento em barris de jequitibá. Pelo que sei, embora existam outras, é a cachaça mais famosa no Estado. Posso estar errado, mas, penso que ela é a que tem registro (também outros podem ter feito ultimamente), mas, são empreendedores como o Jibóia e o Zanin, que fazem com que nossos estados, Rondônia e Acre, apareçam no Anuário da Cachaça. São os pioneiros de uma tradição nacional que, orgulhosamente, se mantém também no Norte do País. Merecem os nossos parabéns que são extensivos também a outros que, infelizmente, pelo menos aqui em Rondônia sei que existem, e que não estão registrados.

 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

Flutuando a favor do vento

Flutuando a favor do vento

Confesso que sou uma pessoa muito medrosa. Diria que até mesmo, como uma pessoa que tenta pensar, procura pensar, alguém que tem mais medos do que o

Dinheiro em espécie no Brasil está em extinção?

Dinheiro em espécie no Brasil está em extinção?

Não somente porque meu celular pegou um vírus, mas, também por estar de férias, tenho dado um tempo para ler, ouvir música, ficar fora do mundo digi

O bode expiatório tá off

O bode expiatório tá off

Neymar perdeu para o Bayern de Munique? Não.

As lojas autônomas estão chegando

As lojas autônomas estão chegando

A tendência dos empregos formais desaparecerem é antiga. E, hoje, com o fenômeno da “uberização” do trabalho, ou seja, com um novo formato de fazer