Sexta-feira, 12 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

Chico viola não morreu


Chico viola não morreu - Gente de Opinião

A história da música brasileira não pode ser escrita sem seus grandes ídolos. E, quando se volta no tempo, há alguns, antes de Roberto Carlos, que é o rei desde dos finais dos anos 60, existiram outros grandes cantores que foram grandes ídolos. Três, pelo menos, dominaram a cena brasileira; Francisco Alves, Orlando Silva e Cauby Peixoto. Eles arrastaram multidões. Ninguém, porém como o Chico Viola, o Rei da Voz. De fato, Francisco de Moraes Alves, que nasceu em 19 de agosto de 1898, na Rua da Prainha, no Rio de Janeiro, que  foi uma criança inquieta. E sua inquietude o levou a seguir os passos da irmã, Nair Alves, um atriz do Teatro de Revista, com quem trabalhou e com a atriz Zazá Soares, que o batizou de “Chico Viola”. Chico gravou três músicas em disco, em 1919, do compositor Sinhô (José Barbosa da Silva) na gravadora “A Popular”, de João Gonzaga, companheiro  Chiquinha Gonzaga. Ele gravou as músicas de Sinhô: O Pé de Anjo, marcha; Fala, Meu Louro (Papagaio Louro), samba; e Alivia Esses Olhos, samba, acompanhado pelo Grupo dos Africanos. O disco foi lançado em 1920. Mesmo com o sucesso da marcha “O Pé de Anjo”  só viria a ser reconhecido por ser o primeiro a gravar com o sistema de gravação elétrica, quando gravou as músicas de Duque. Depois começou a gravar regularmente e ser considerado, em 1928, o Príncipe dos Cantores Brasileiros. Foi o locutor César Ladeira que, em 1933, o chamou de o Rei da Voz. Gravou com grandes nomes da época, como Mário Reis e Carmen Miranda. Era um excelente violonista e compositor, mas também comprou muitas músicas-uma prática comum da época- e lançou artistas como Orlando Silva e João Dias. Não bastasse isto foi ovacionado, em Buenos Aires, cantando Gardel e gravou clássicos, como “Aquarela do Brasil”, de Ary Barroso; “Na Virada da Montanha”, “Eu sonhei que tu estavas tão linda”, de Lamartine Babo e Francisco Matoso; Nervos de Aço, samba de Lupicínio Rodrigues e Marina, de Dorival Caymmi. Quando começou o que chamou atenção, além de “Pé de Anjo” foi o samba “Fala meu louro”, que Donga tomou como uma alusão a ele, mas ra contra o ex-senador, ministro e deputado Ruy Barbosa, que quieto depois de ser derrotado na corrida presidencial de 1919. A letra  “Tu que falavas tanto / Qual a razão que vives calado?”, perguntava o samba de Sinhô, que rebaixava Ruy (do heroico “Águia de Haia” ao falante “papagaio louro”) e apontava o fim de seu poder: “A Bahia não dá mais coco / Para botar na tapioca / Para fazer um bom mingau / E embrulhar o carioca...”. Ele fez um notável sucesso, no mínimo, por 25 anos ininterruptos. Impossível dizer qual seu maior sucesso. Mas, de concreto se sabe que foi a música “Adeus 5 letras que choram”, que o acompanhou no enterro, depois do acidente, 27 de setembro de 1952, na Via Dutra, quando seu carro colidiu de frente com um caminhão na altura de Una, município de Pindamonhangaba (SP). Falam que foi acompanhado por 500 mil pessoas, as menores estimativas, falam em 200 mil. Que importa isto? Importa é que Chico Viola não morreu. Vive eternamente no imaginário popular. E seus sucessos serão cantados por muitos pelo tempo afora. 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Gente de OpiniãoSexta-feira, 12 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

A difícil e necessária convivência com o celular

A difícil e necessária convivência com o celular

Efetivamente, apesar da minha idade, sou um fã de novidades e de tecnologia. Regularmente escrevo sobre economia criativa e sobre Inteligência Artif

Os Orixás em cordel de Bule-Bule

Os Orixás em cordel de Bule-Bule

Quando conheci Antônio Ribeiro da Conceição, o grande mestre baiano Bule-Bule, ainda estávamos no século passado e ele fazia dupla com um outro nome

A inadiável necessidade de incentivar a indústria naval e a Marinha Mercante

A inadiável necessidade de incentivar a indústria naval e a Marinha Mercante

O Brasil é um país muito rico e, mais que rico, generoso, muito generoso com os outros países. Não falo apenas pelos investimentos do BNDES na Venez

O carnaval é uma festa familiar em todos os sentidos

O carnaval é uma festa familiar em todos os sentidos

Minha visão do carnaval, a partir da época de criança, sempre foi de festa, de um momento de inversão dos valores onde os homens se vestiam de mulhe

Gente de Opinião Sexta-feira, 12 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)