Domingo, 14 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

A SUB-EDUCAÇÃO


Se há um consenso no país, um discurso unificado de todos os partidos e políticos é o de que a educação se impõe como essencial para a construção do futuro. Nas campanhas não há discurso mais utilizado do que o da necessidade de educação. Nos governos, no exercício do poder a prioridade some, como somem os recursos e a importância do tema. O sr. Lulla da Silva, por exemplo, sempre criticou a falta de verbas para a educação e as políticas públicas de seus antecessores, porém, no governo, o incremento de verbas fluiu para a publicidade e para criar novas instituições deficitárias invés de melhorar o que sempre criticou. Virou exemplo propaganda enganosa.

O ensino universal no Brasil, ou seja, concebido para atingir todas as pessoas continua sendo uma utopia. Os discursos vigentes de ensino público, gratuito, de qualidade e progressista, eliminando preconceitos e assegurando a cidadania, se transformaram, na prática, no Prouni, um programa para encher as bolsas dos empresários privados, no estabelecimento de cotas, um instrumento equivocado que estimula o racismo e o ensino ruim e o esvaziamento acelerado da universidade pública pelo seu sucateamento.

Não se precisa de milhões em diagnósticos para se constatar que o ensino está reduzido a um treinamento ruim, uma instrumentalização das pessoas que as coloca despreparadas para a competitividade implacável e sem preparo empreendedor. Acabam saindo das faculdades sem saber o que fazer com o que aprenderam (quando aprenderam) o que não é de espantar. As nossas escolas não acompanham sequer as mudanças tecnológicas básicas como as do uso de imagens e computadores. Há professores que não podem sequer comprar um livro quanto mais um notebook. Sem salários, sem formação, sem saída buscam a sobrevivência da forma que podem e até se repetindo, sem sucesso, em greves inúteis.

O fantástico é que se exige que sejam inovadores, criativos, exemplos de interseção entre a teoria e a prática munidos dos espetaculares instrumentos de cuspe e giz ou pincel, quando tem. O certo é que o projeto educacional brasileiro reproduz a lógica perversa da economia que pede alta produtividade do trabalhador mal pago, embora no ensino haja um “plus” pior, os instrumentos de produção são dos tempos da caverna. Nem sequer o básico, uma biblioteca de qualidade, as universidades públicas possuem, quanto mais falar em coisas menos básicas como disponibilidade de micros, softs, data-show. Porém, se duvidar, como fez com a saúde, é capaz de se divulgar que temos um ensino próximo da perfeição. E, com todo este descalabro, o troglodita-mor quer mais quatro anos para piorar tudo mais ainda. Deus salve a América!

Fonte: Sílvio Persivo

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Gente de OpiniãoDomingo, 14 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)

VOCÊ PODE GOSTAR

A difícil e necessária convivência com o celular

A difícil e necessária convivência com o celular

Efetivamente, apesar da minha idade, sou um fã de novidades e de tecnologia. Regularmente escrevo sobre economia criativa e sobre Inteligência Artif

Os Orixás em cordel de Bule-Bule

Os Orixás em cordel de Bule-Bule

Quando conheci Antônio Ribeiro da Conceição, o grande mestre baiano Bule-Bule, ainda estávamos no século passado e ele fazia dupla com um outro nome

A inadiável necessidade de incentivar a indústria naval e a Marinha Mercante

A inadiável necessidade de incentivar a indústria naval e a Marinha Mercante

O Brasil é um país muito rico e, mais que rico, generoso, muito generoso com os outros países. Não falo apenas pelos investimentos do BNDES na Venez

O carnaval é uma festa familiar em todos os sentidos

O carnaval é uma festa familiar em todos os sentidos

Minha visão do carnaval, a partir da época de criança, sempre foi de festa, de um momento de inversão dos valores onde os homens se vestiam de mulhe

Gente de Opinião Domingo, 14 de abril de 2024 | Porto Velho (RO)