Porto Velho (RO) sábado, 2 de julho de 2022
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

A crise é da educação


 

Silvio Persivo

O que tem a haver o fato de que a influência dos intelectuais, das revistas e dos jornais diminuem quando, como agora, o Brasil pode chegar a eleger alguém sobre o qual se sabe muito pouco e o pouco que se sabe não a recomendaria para assumir um papel tão relevante? Por que as pesquisas, que não batem com a realidade que se vê nas ruas, dá a muita gente a impressão que haverá fraude nas urnas eletrônicas? Como é possível que uma Casa Civil da Presidência da República se transforme em centro de escândalos e não se veja nenhuma reação mais forte, nenhuma tentativa mínima sequer de culpar o dirigente maior? Qual a diferença entre isto e, por exemplo, o que aconteceu com Getúlio Vargas que suicidou-se apenas porque a crise bateu na porta da cozinha?

Bem há o conforto, a melhoria do crédito, a propaganda maciça que diz que tudo vai bem no melhor estilo George Orwell, os índices de popularidade de Lula da Silva e, como sempre lembram, num discurso já gasto que a internet, supostamente, teria introduzido a democracia, de forma que a informação, nos tempos atuais, seria acessível a todos, daí, que, se nas nações mais desenvolvidas o avanço da internet se tornou uma ameaça aos meios tradicionais de comunicação, no Brasil o problema seria maior ainda: os jornais perderam circulação, assinaturas e credibilidade. Isto é verdade, mas, apenas uma parte da verdade. Não é a internet que mata os jornais, revistas e a influência dos intelectuais. A verdade é que a cultura não influencia mais porque o país é analfabeto.

O maior e mais definitivo pecado de Lula da Silva é ter introduzido duas noções extremamente nefastas e deletérias. A primeira de que não tem importância roubar porque todo mundo rouba. E a segunda que não se precisa estudar porque pode-se alcançar qualquer coisa sem trabalho, sem esforço e sem educação e ele é a prova. O resultado é visível depois de quase oito anos de seu governo: no ano passado, apenas 5,7% dos brasileiros entre 25 e 64 anos de idade buscavam melhor o seu nível educacional. A informação consta da Síntese dos Indicadores Sociais de 2009 divulgada pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE). E, para piorar, se informa que quanto mais se eleva a idade, menor é a frequência aos estudos. Ou seja, enquanto o resto do mundo procura desesperadamente se escolarizar quanto mais ficamos adultos menos queremos ser modernos, ou seja, estudar. Triste retrato de um país.

É aí que reside a crise dos jornais, das revistas, dos formadores de opinião. Não é a influência da internet que gera a redução dos pouquíssimos leitores tupiniquins, mas, é que a ignorância acredita, hoje em dia, que não se precisa estudar. O resultado é que o mercado editorial brasileiro, com uma população de quase 200 milhões de habitantes, vendeu apenas 25,5 milhões de livros em 2009, segundo a Associação Brasileira de Editores de Livros (Abrelivros). Um país continental cuja a economia é dezesseis vezes o mercado da Argentina tem um mercado que é ¼ do mercado argentino, estimado em cerca de 60 milhões de livros. E a análise deste mercado mostra que dos livros vendidos, em 2009, 17,7 milhões são livros didáticos ou de apoio, dicionários e atlas. As publicações literárias somam só 7,8 milhões. Os números são a prova cabal da falência do nosso ensino, de sua crise: dos milhões que aprendem a ler todos os anos só uma pequenina pare de torna um leitor real. São os analfabetos funcionais que pesam nas eleições e podem nos conduzir cada vez mais ao atraso.


 

Siga o Gentedeopinião no Gente de Opinião



Fonte: Sílvio Persivo - [email protected]
 
Gentedeopinião   /  AMAZÔNIAS   /  RondôniaINCA   /   OpiniaoTV
 Energia & Meio Ambiente   /  Siga o Gentedeopinião noTwitter  /   YouTube 
 Turismo   /  Imagens da História

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

Um dos grandes nomes da UNIR se aposenta

Um dos grandes nomes da UNIR se aposenta

O professor Theophilo Alves de Souza Filho, vinculado ao Núcleo de Ciências Sociais Aplicadas (NUCSA) e ao Departamento Acadêmico de Administração (

Somente para quem quer ser bem informado

Somente para quem quer ser bem informado

No Brasil há mais ruído que informações. A verdade é que se pega qualquer afirmação para se ser contra ou a favor e, com a inflação alta, os combust

Brasil, em 2021, teve o melhor resultado do PIB dos últimos 11 anos

Brasil, em 2021, teve o melhor resultado do PIB dos últimos 11 anos

Esta semana Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística, o IBGE, foi alta de 2021. anual para a economia brasileira 2010, desde o país cresceu 7

Os sinais da desmaterialização da realidade

Os sinais da desmaterialização da realidade

É um problema demasiado humano, talvez provindo do desejo de sermos “realistas”, somente nos ocuparmos daquilo que é imediato, dos problemas polític