Porto Velho (RO) quinta-feira, 13 de maio de 2021
×
Gente de Opinião

Silvio Persivo

A busca de novos caminhos para o jornalismo


A busca de novos caminhos para o jornalismo - Gente de Opinião

Apesar de considerar o jornalismo um meio imprescindível para a sociedade, nos últimos tempos, devo dizer que a imprensa tem sido lastimável. Em especial a grande imprensa tanto a escrita, quanto a televisada e até mesmo a de mídias sociais. Tem se prestado mais para a desinformação no que se faz sobre a pandemia com a adoção incondicional do lado antissocial e antilibertário do lockdown sem que, a rigor, existam justificações plausíveis para isto. São evidentes as concessões do jornalismo aos interesses econômicos, políticos e, até mesmo, falseando ou omitindo o evidente descontentamento das pessoas com as medidas públicas contra as restrições às suas atividades econômicas e suas liberdades. No Brasil, principalmente,  são feitas matérias vergonhosas e sem fundamento  sem o menor pudor. E a imprensa escrita, quem mais perdeu poder, perde também a oportunidade de buscar novos caminhos para seu negócio, de tentar um novo formato que lhe dê sustentabilidade. E isto é muito possível. O comprova, recentemente, o caso da jornalista Sinead Boucher, que, em plena a crise, virou, no ano passado, dona de jornal Stuff, na Nova Zelândia, que, para desespero dos que falam sobre os preços das privatizações, comprou o jornal por apenas US$ 1 dólar, valor simbólico. É. Uma empresa que possuía uma tradição com mais de 400 funcionários como não equilibrava as contas foi entregue de mão beijada para sua dirigente. Só governos que aguentam prejuízos em empresas. Empresários se livram de qualquer forma do que dói no bolso. Boucher afirmou que comprou a empresa porque “era melhor do que não fazer nada”. Com uma equipe que aceitou fazer um corte de 15% nos salários partiu para lançar um programa de contribuições dos leitores, fez um pedido de desculpas pela cobertura histórica em relação a minorias e, surpreendentemente, para quem precisava desesperadamente de recursos, abriu mão do tráfego e da receita gerada pelo Facebook (o jornal tinha na plataforma quase 1 milhão de seguidores, e mais 134 mil no Instagram). A razão principal foi porque o Facebook transmitiu ao vivo um ataque terrorista a uma mesquita na cidade neozelandesa de Christchurch. O Stuff considerou “profundamente insatisfatória” a resposta da gigante digital ao caso que chocou o mundo e desistiu de apoiar a plataforma que fez exposição pública da violência. Para Boucher, o mais importante é levar informação de qualidade e confiável em especial para as populações mais pobres. Também reconhece que o Stuff é privilegiado e pode fazer esta experiência por estar num país pequeno e  contar com uma forte presença digital, o que permitiu seu sucesso ao sair do Facebook, todavia, encorajou outros meios de comunicação a deixar as plataformas, pois, os prejuízos podem ser menores do que parecem à primeira vista. Segundo ela, os ganhos são muito maiores porque essas plataformas gigantes impõem suas normas e quando não se depende delas se ganha um enorme apoio do público, maior confiança e a equipe de redação fica muito mais feliz por não estar mais sendo submetida às restrições indisciplinadas, por exemplo, do Facebook. Pode ser até que a experiência não seja repetível, porém, é ousada e demonstra que é possível para o jornalismo se manter com boa qualidade mesmo nesses tempos onde parece só subsistir o jornalismo de repetição e copia e cola. Quem sabe não surjam novos exemplos de busca do jornalismo imprescindível, o que busca informar, analisar e mostrar os lados da questão para que o leitor tire suas próprias conclusões. 

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Silvio Persivo

A tragédia da vacina

A tragédia da vacina

A Covid é uma catástrofe? Claro que é quando se vê o que acontece  na Índia, no Peru, na África do Sul e no México, talvez, na  Argentina ou na Ind

Caos na saúde brasileira é uma invenção da grande imprensa

Caos na saúde brasileira é uma invenção da grande imprensa

Uma cobertura bem feita da epidemia do novo coronavírus deveria analisar o que, de fato, acontece no País. Não se trata de esconder números, mas, de

Um campeonato irregular

Um campeonato irregular

Acabou o campeonato brasileiro com o Flamengo, na última rodada, se sagrando campeão. Mereceu o título? Há os que vão dizer que não, porém, a verdad

A notícia com mais Opinião faz 16 anos

A notícia com mais Opinião faz 16 anos

Certamente no Brasil, e na Amazônia, uma empresa sobreviver, ultrapassar os cinco anos, é uma raridade.