Porto Velho (RO) sexta-feira, 7 de agosto de 2020
×
Gente de Opinião

Sandra Castiel

SONHO PROFANO - Por Sandra Castiel



Desde menina, lê muito. Apesar da infância sem luxos, cresceu rodeada por quem sempre considerou as melhores companhias da vida inteira: os livros. Descobriu em cada um a incursão a universos muito diferentes do seu. Assim, podia sair de seu mundo provinciano e penetrar em outros cenários, outras histórias de vida, personagens que passava a conhecer profundamente e a  desvendar-lhes os segredos mais íntimos... Talvez isso explique a recorrência do sonho: com frequência sente-se no interior de uma livraria, à noite; mas não é uma livraria qualquer; esta revela os livros, milhares deles, à luz fraca de uma velha lâmpada, empilhados do chão ao teto em paredes altíssimas; a porta, entreaberta, é alta e estreita, comum às casas antigas, mas não consegue vislumbrar a rua lá fora, apenas a escuridão. Assim, deixa-se estar sozinha naquele lugar mágico, perdida em meio às vozes dos autores e personagens que sussurram trechos de seus poemas e de suas histórias. Em dado momento enxerga sua própria figura, menina-moça de vestido branco, a rodopiar e a percorrer os corredores daquele lugar perdido no tempo. Então, chega-lhe aos ouvidos a voz de sempre, uma voz masculina, doce e sensual; a voz promete-lhe que vai pratear as trevas da noite e, com um toque, intensificar o brilho da lua e de todas as estrelas, para que ela possa contemplar aquela imensidão, alçar voo, cortando os céus, como um belo pássaro alvo de asas de ouro... Afirma-lhe em cálidos versos que uma fada sua amiga tramará, com seus dedos mágicos, uma guirlanda de flores do campo, as mais belas que há, para adornar-lhe os cabelos cacheados.  Que não se vá!  Pede-lhe a doce voz do homem. Que ali permaneça para sempre, atravessando as décadas e os séculos, com sua inocência de menina-leitora! Se sair, adverte a voz, o mundo a espera: irá sofrer, envelhecer e morrer.

Assustada, a menina pensa em sua família, seus amores da vida presente. Como poderá atravessar a eternidade em meio àquelas paredes altas e cobertas de livros, entregando-se completamente à sedução da voz? De quem seria a voz, afinal? Do espírito de algum poeta que desde a morte do corpo físico tornara-se um prisioneiro de sua poesia?

Angustiada, a menina desperta subitamente e volta à realidade: sua cama, seu quarto, sua vida, seus problemas, seus cabelos embranquecidos. Agradece a Deus por mais um dia, e vai para a cozinha preparar o café.

* O conteúdo opinativo acima é de inteira responsabilidade do colaborador e titular desta coluna. O Portal Gente de Opinião não tem responsabilidade legal pela "OPINIÃO", que é exclusiva do autor.

Mais Sobre Sandra Castiel

Dr. Paulo Gondim: Missão de Vida

Dr. Paulo Gondim: Missão de Vida

Em meio à insegurança que temos vivido pela pandemia que assola o mundo, ponho-me a pensar nas demais doenças com as quais as populações convivem e

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia -  Parte II

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia - Parte II

   A proposta deste trabalho é revelar ao público-leitor a beleza da poesia produzida pelos poetas que aqui vivem. Estamos falando sobre pessoas apa

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia -  Parte I

Ensaios Literários sobre Poetas de Rondônia - Parte I

Descobri o amor pela poesia, ainda criança, no Grupo Escolar Barão do Solimões, em Porto Velho. Naquela época, os livros de leitura eram obrigatório

Neste último dia do ano! ...

Neste último dia do ano! ...

Último dia do ano: comemorações, fogos, champanhe, ceia, abraços, troca de votos de saúde, alegrias, prosperidade para o novo ano. Isto é tão humano